Incra agride constituição ao alijar MST, alerta PFDC
27 de fevereiro de 2019
Lula e a face perversa da “República de Curitiba”
4 de março de 2019

Bolsonaro, Moro e a possível vaga no STF (Charge de Aroeira - republicação)

Marcelo Auler

Bolsonaro, Moro e a possível vaga no STF (Charge de Aroeira – republicação)

A História revelará um dia o “acerto” que o então juiz Sérgio Moro, que se apresentava como exemplo de coerência, terá feito com o então candidato Jair Bolsonaro, ao abandonar a magistratura para assumir o ministério da Justiça.

Somente o tempo confirmará a versão de que o magistrado de primeira instância, ao se incorporar a um presidente nitidamente despreparado, intolerante e faccioso, pretendeu pular etapas para chegar rapidamente a um cargo vitalício na mais alta corte do país, o Supremo Tribunal Federal (STF).

A se confirmar tal “acerto”, a Moro está reservada a cadeira do ministro Celso de Mello. Será o primeiro a se aposentar compulsoriamente, aos 75 anos, em novembro de 2020, após 31 anos na corte (ingressou em agosto de 1989). Três décadas em que, independentemente de posições assumidas, construiu carreira digna e coerente, que lhe garante hoje a reputação que desfruta.

Em apenas dois meses de governo, Moro já conseguiu marcar sua nítida diferença de conduta com aquele que supostamente deseja substituir. Afinal, dignidade e reputação se conquistam ao longo de toda uma vida. Celso de Mello, conservador ou não, conquistou-as. Fale-se dele o que se quiser, menos que lhe falta coerência, algo fundamental para atingir a dignidade, a reputação e o respeito.

Celso de Mello reputação construída com carreira digna e coerente (Foto Ascom-STF)

Coerência que Moro começou a atropelar ao aceitar um convite de um ainda candidato que ele indubitavelmente ajudava a vencer ao prender seu principal concorrente, através de uma sentença totalmente questionável.

Como ministro da Justiça, em apenas 60 dias, acumulou fatos que demonstram sua despreocupação com a reputação que conquistara entre os seus, atropelando a coerência que se exige daqueles que se apresentam como vestais da moralidade.

Ocorreu com a liberação das quatro armas por residência, que ele antes defendia serem no máximo duas.

Repetiu-se no dito “perdão” ao colega de ministério, Ônyx Lorenzoni, por duas vezes flagrado recorrendo ao Caixa-2.

Voltou a acontecer no seu silêncio diante das provas de movimentações financeiras atípicas em torno do primogênito do presidente, o hoje senador Flávio Bolsonaro.

Silenciou-se ainda ao surgir o “laranjal” que abasteceu as campanhas dos partidários de Bolsonaro, incluindo novamente um colega de ministério, Marcelo Álvaro Antônio, do Turismo.

Como se não bastasse, desmentiu a si mesmo ao se deixar pressionar e retirar do seu projeto de lei a criminalização do “Caixa 2 nas campanhas, bandeira que sempre empunhou ao lidar com os adversários dos seus hoje aliados.

Surge agora o “desconvite” feito na quinta-feira (28/02), à cientista política Ilona Szabó, 24 horas depois de tê-la chamado para compor o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. Ao anunciar a decisão – imposição que os jornais dizem ter lhe sido feita por Bolsonaro -, Moro, como se buscasse uma espécie de remissão, reafirmou publicamente os “relevantes conhecimentos da nomeada na área de segurança pública” que justificaram o convite feito. Sequer escondeu ter cedido à “repercussão negativa em alguns segmentos”. Entenda-se, os bolsonaristas da extrema direita e das redes sociais.

Com esta demissão (ou “desconvite) o suposto guardião moral da República de Curitiba novamente deixou de lado qualquer preocupação com a coerência. Sinalizou claramente que os interesses políticos do grupo ao que se aliou superam a dita preocupação com o futuro do país. Ao mesmo tempo demonstrou que na pasta que comanda, a competência não é o fator primordial. Aderiu ao chamado pensamento único, que não admite, sequer em um conselho, portanto, um colegiado, pessoas com ideias e propostas divergentes.

Definitivamente chancelou a diferença da sua conduta com a do decano do Supremo que, segundo consta, almejaria substituir. Sua atitude nesta quinta-feira rendendo-se às pressões sofridas pela matilha, selou de vez a distância que o separa de uma carreira onde sobressaia a dignidade.

Em posição diametralmente oposta, Mello, na quarta-feira, 20 de fevereiro, ao proferir o já histórico voto a favor da criminalização da homofobia (Homofobia, STF, Bolsonaro, Congresso. E o Lula?), demonstrou seu desprezo ao aplauso fácil em nome da coerência em posicionar-se a favor das minorias. Acentuou, inclusive, ter consciência de que remava contra a maré. Por isso admitiu que seria “inevitavelmente incluído no índex, mantido pelos cultores da intolerância.”

Apesar dessa “convicção”, não abriu mão de seus princípios e posicionamentos, como tem feito o ministro da Justiça. Ao contrário, fez questão de criticar/denunciar aqueles de “mentes sombrias, que rejeitam o pensamento crítico, que repudiam o direito ao dissenso, que ignoram o sentido democrático da alteridade e do pluralismo de ideias, que se apresentam como corifeus e epígonos de sectárias doutrinas fundamentalistas, desconhecem a importância do convívio harmonioso e respeitoso entre visões de mundo antagônicas“.

Exatamente os mesmos que compõem a “matilha” à qual Moro cedeu, nesta quinta-feira. Atitude com a qual demonstrou a sua falta de coragem em manter-se coerente a seus posicionamentos e pensamentos. Exatamente uma das exigências para se conquistar a reputação como a que o decano do STF desfruta.

Gesto suficiente para, em uma sociedade ética, afastá-lo de vez do cargo que almeja. Afinal, demonstrou lhe faltar estofo para substituir o atual ocupante daquela cadeira no plenário do Supremo.

 

Aos leitores – O Blog busca oferecer informações e abordagens novas. Como o artigo acima. Com isso, nossas postagens são limitadas. Dependemos da colaboração dos leitores no compartilhamento das nossas chamadas para atingirmos um maior número de leitura. Nossa sobrevivência também resulta de doações financeiras – em qualquer valor e em qualquer periodicidade – que ajudarão nas despesas e investimentos que fazemos, inclusive com viagens e pesquisas. Tendo condições, compartilhe nossas reportagens e contribua com o Blog através da conta bancária exposta no quadro ao lado. Renovamos os agradecimentos àqueles que já colaboram e aos que vierem a colaborar.

O Blog aderiu ao Jornalistas Pela DemocraciaEntenda o que é e como funciona.

 

6 Comentários

  1. Marcio disse:

    Acho que o objetivo dele é ainda maior. A presidência. É o candidato da mídia. Capaz de fazer uma escala no STF antes.

  2. carlos disse:

    Se vocês imaginam que esse foi o único crime que o moro cometeu, ledo engano esse crápula ajudou a saquiar a prefeitura de Maringá, más ao invés de ser condenado pelo o tal CNJ que é uma organização de proteção ao crimes do judiciário, não satisfeito processou o jornalista que o denunciou em meio ao fato jornalistico.

  3. VALDIR CARRASCO disse:

    Mas criminoso pode assumir cadeira no STF? Afinal, por que Teori Zavaski e Marco Aurélio, disseram que esse verme curitibano/maringaense cometeu crime ao gravar e vazar conversa telefônica entre a Presidenta Dilma e Lula^? Se 2 ministros disseram que foi crime, Moro é criminoso…….e a dúvida que nos resta é saber se criminoso pode também ser assassino. Afinal, quem boicotou o avião do Teori…..e quem foi o maior beneficiado pela morte do ministro senão o criminoso Moro? E daí, como o Dalagnol nos ensinou que não é preciso ter provas mas sim convicção, creio que para muita gente basta a convicção de que, sim, criminoso pode ser também assassino. Afinal, o maior beneficiado com a morte de Teori foi esse verme….pois depois do puxão de orelhas público que Teori lhe deu, jamais ele poderia levar outro puxão de orelhas, pois isso equivaleria a ser afastado dos processos de perseguição contra Lula, sobre os quais até a Interpol se manifestou recentemente, questionando os métodos morísticos de não cumprir a lei pena e nem a constituição em seu afá persecutório contra Lula. Enfim, quero mais é que esse estrume maringaense/curitibano ganhe um câncer na garganta que o fala visitar o capeta mais rapidamente…….vade retro satanás…..mALDITO.

  4. Eldg disse:

    Fico curiosa,tb, para saber do acerto futuro. Nos outros tribunais há vagas antes do Celso de melo?? STJ etc

  5. SANDRA LUCIA BERNARDELLI disse:

    Moro não merece a cadeira de Celso de Mello e nem tão pouco de Marco Aurélio, aliás, apesar de alguns ministros serem um horror, ele não merece a cadeira de ninguém. Ele como juiz de primeira instância já foi um lixo, como ministro do STF vai ser o lixão de São Paulo. PELO AMOR DEUS! Ninguém merece isso! Do jeito que a coisa tá feia nesse governo pode ser até que ele não nem chegue ao final e se ficar o Mourão no lugar do BOÇAL Moro pode esquecer, pois seu desejo não acontecerá.

  6. zuleica jorgensen malta nascimento disse:

    Caro Marcelo,
    Até entendo sua posição no que toca ao Moro, que, definitivamente, não tem estofo para ser sequer juiz de primeiro grau, que dirá Ministro do STF.
    Mas não posso concordar com o que disse de Celso de Mello. O decano foi nomeado por Sarney, e até as pedras a rua sabem que obteve o cargo em troca de, digamos, amealhar argumentos jurídicos para o Presidente distribuir aos amigos e parentes canais de televisão, o que, como se sabe, não podem estar em mãos de congressistas. Além disso, cito também o caso do chamado Mensalão, durante o qual classificou o PT de Organização Criminosa, o que, a meu ver, significou absoluto desrespeito à repartição dos poderes.
    Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *