Juíza censura em “segredo” e imprensa se cala
25 de fevereiro de 2019
O despreparo de Moro para suceder Celso de Mello
1 de março de 2019

Marcelo Auler

Ao tentarem barrar o MST no Incra, os militares que dirigem o Instituto esbarraram na Procuradoria Federal de Defesa do Cidadão – PFDC (Foto MST)

Pródigo em promover despautérios e estropícios, o governo de Jair Bolsonaro talvez jamais tenha imaginado encontrar barreiras constitucionais e legais que lhes impedem avançar com sua pauta conservadora e nitidamente ideológica. No meio da balburdia que domina os primeiros 60 dias de governo, a ânsia dos novos governantes em tentar impedir a luta pela reforma agrária e a tentativa de criminalizar a ocupação de imóveis sofreram um baque forte. 

A diretoria do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) – à frente o general João Carlos Jesus Corrêa, na presidência, junto com o coronel do Exército João Miguel Souza Aguiar Maia de Sousa, como ouvidor agrário – bem que tentou levar adiante, dentro de um projeto maior de combater movimentos à esquerda, a promessa de campanha do capitão-presidente. O resultado, porém, foi diametralmente oposto.

Com o Memorando Circular nº 234/2019, de quinta-feira (21/02), o ouvidor imaginou ser possível alijar, silenciar e, quem sabe, esvaziar o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Com o documento, tentou impedir que superintendentes e demais servidores do Instituto recebam o MST ou seus representantes. Alega que a entidade “não possui personalidade jurídica”, isto é, CNPJ. Também determinou o fechamento das portas da instituição – logo, do diálogo – àqueles que classifica como “invasores de terra”. Estes, alegou, “devem ser notificados conforme a lei”.

Os dois oficiais do Exército e seus auxiliares, porém, esqueceram de consultar a Constituição e a legislação vigente. Parece não perceberem que o papel fundamental da Ouvidoria Agrária, criada pelo governo de Fernando Henrique Cardoso, é justamente o de “promover a adoção de mediação e conciliação” nos conflitos agrários que se espalham pelo país a dentro. 

O general João Carlos Jesus Corrêa, novo presidente do Incra defende o fim do diálogo com o MST por questões ideológicas. (Foto Elza Fiúza – Agência Brasil)

Ao tentarem alijar um movimento social com 35 anos de existência que se espalha por 24 estados e contabiliza mais de 350 mil famílias beneficiadas com lotes de terra, os dois oficiais do Exército brasileiro deixaram de lado o bom senso em nome de uma política meramente ideológica de extrema direta, criada e alimentada em palanque eleitoral, sem base legal.

Em consequência, sofreram uma reprimenda que pode ser entendida como a primeira derrota da política conservadora que o governo tentará impor a todos os que lutam pela reforma agrária.

A reprimenda consta da advertência pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, do Ministério Público Federal, através da Recomendação Nº 1/2019/PFDC/MPF, que alerta sobre a impossibilidade de alijarem do diálogo aqueles que simplesmente tentam cumprir o que determina a Constituição.

O documento assinado pela procuradora federal dos Direitos do Cidadãos, Deborah Duprat e outros cinco procuradores do Grupo de Trabalho Reforma Agrária – Júlio José Araújo Junior, Jorge Luiz Ribeiro de Medeiros, Ivan Claudio Marx, Michele Diz y Gil Corbi e Raphael Luís Pereira Bevilacqua – mostra aos dirigentes do Incra que “os potenciais beneficiários da política nacional de reforma agrária não podem ser prejudicados ou discriminados por cumprirem dois desígnios constitucionais, quais sejam, buscar a reforma agrária e se associarem livremente para tal fim“.

Não bastasse, adverte que no seu artigo 187, a Constituição “determina a necessária participação de produtores e trabalhadores rurais no planejamento e execução da política nacional de reforma agrária e incentiva o cooperativismo”.

A nova diretoria do Incra foi ainda informada não poder desconsiderar que a ocupação de imóveis que estejam em desuso, que os bolsonaristas tentam a todo modo tratar como atividade criminosa – alguns até falam de “ato terrorista” -, também é algo a ser respeitado, pois admitido pela Carta Magna.

Afinal, lembram os procuradores, “a ocupação de imóveis que não cumprem a função social da propriedade situa-se dentro das liberdades de manifestação, protesto e expressão“.

Ou seja, de forma clara, a direção do Incra foi advertida que o simples ocupar de imóveis em desuso não pode ser criminalizado como desejam o clã Bolsonaro e seus seguidores.

Também não podem exigir que as entidades representativas tenham constituição jurídica pois “a criação de associações e, na forma da lei, a de cooperativas independem de autorização, sendo vedada a interferência estatal em seu funcionamento”.

Sem merecer o devido destaque da chamada mídia tradicional, o documento da PFDC tem importância relevante diante de um governo que não esconde seu viés ideológico, tampouco que se alinha com o que existe de mais retrógrado entre os produtores rurais. Sinal desse alinhamento foi subordinar a questão da reforma agrária – incluindo o próprio Incra – ao ministério da agricultura, entregue à deputada federal Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, do DEM-MS, uma líder da bancada ruralista.

A Recomendação da PFDC, logo na manhã de segunda-feira (25/02), determina que o Ouvidor Agrário do INCRA, torne sem efeito, imediatamente, o Memorando Circular nº 234/2019, sob pena de responder “ações judiciais cabíveis, sem prejuízo da apuração da responsabilidade civil e criminal individual de agentes públicos”.

Afinal, como lembram os procuradores, “as orientações adotam posição de acirramento de tensões sociais e conflitos no campo, em contrariedade ao papel mediador e de busca de pacificação, prevenção e resolução de tais antagonismos, conferido à Ouvidoria Nacional Agrária pelo ordenamento jurídico;

Também os superintendentes do Instituto são advertidos para que “procedam a atendimento amplo e integral de todos os usuários do serviço público, sem discriminação de qualquer natureza, o que deve abranger movimentos sociais e quaisquer entidades“. Como o ouvidor, estão sujeitos a responder judicialmente caso não atendam à recomendação.

A iniciativa dos procuradores merece destaque, inclusive, por surgir quando poucos se aperceberam do risco de alijamento dos trabalhadores rurais sem terra de possíveis negociações e torno da reforma agrária, a partir do memorando do Ouvidor Agrário. Nada diferente do que prometeu o capitão-presidente. Sem respaldo legal, como mostram os procuradores. Mas uma ameaça que se concretizou com a emissão do memorando, muito pouco divulgado. A iniciativa ter sido barrada pela PFDC mostra, por seu lado, que algumas instituições estão alerta e funcionando. Não se sabe se todas. Leia abaixo a íntegra da Recomendação:

Recomendação da PFDC à Ouvidoria Agrária do Incra

 

Aos leitores – O Blog busca oferecer informações e abordagens novas. Como o artigo acima, na qual constam informações exclusivas e abordagem diferenciada. Com isso, nossas postagens são limitadas. Dependemos, então, da colaboração dos leitores no compartilhamento das nossas chamadas para atingirmos um maior número de leitura. Nossa sobrevivência também resulta de doações financeiras – em qualquer valor e em qualquer periodicidade – que ajudarão nas despesas e investimentos que fazemos, inclusive com viagens, pesquisas e gasto com nossa defesa nos cinco processos que respondemos. Tendo condições, compartilhe nossas reportagens e contribua com o Blog através da conta bancária exposta no quadro ao lado. Renovamos os agradecimentos àqueles que já colaboram e aos que vierem a colaborar.

O Blog aderiu ao Jornalistas Pela DemocraciaEntenda o que é e como funciona.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *