A conjunção carnal é a “melhor parte do estupro” para o promotor Alexandre Joppert
23 de junho de 2016
Promotor confirma comentário sobre estupro e pede desculpas públicas
23 de junho de 2016

Na reportagem de janeiro de 1978, José Gonçalves Fontes jogou com o "achômetro" em torno da Ferrovia do Aço cunhando o slogan a "ferrovia do acho". Hoje vivemos em uma "nação do acho"

Arnaldo César (*)

Na reportagem de janeiro de 1978, José Gonçalves Fontes jogou com o "achômetro" em torno  da Ferrovia do Aço cunhando o slogan a "ferrovia do acho". Hoje vivemos em uma "nação do acho"

Na reportagem de janeiro de 1978, José Gonçalves Fontes jogou com o “achômetro” em torno da Ferrovia do Aço cunhando o slogan a “ferrovia do acho”. Hoje vivemos em uma “nação do acho”

A “Ferrovia do Aço” entre Minas Gerais e o litoral do Rio de Janeiro é uma das muitas vergonhas nacionais. Feita durante a ditadura militar com base única e tão somente em um singelo anteprojeto, ela deixou pelo seu trajeto de pouco mais de 800 quilômetros de trilhos um amontoado de túneis abandonados, trilhos enferrujados e enormes pilastras de sustentação que jamais sustentaram coisa alguma.

Em 8 de janeiro de 1978, o finado “Jornal do Brasil” escalou o repórter José Gonçalves Fontes (recordista em “Prêmios Esso” e um dos melhores que o jornalismo brasileiro já teve) para ver o que estava acontecendo com a chamada “Ferrovia do Século” ou “Ferrovia dos Mil Dias” (naquela época tudo era grandiloquente).

A cada questionamento feito por Fontes, as autoridades ou os técnicos responsáveis pelo monumental projeto respondiam com frases que começavam com a expressão: “acho que”. Não havia certeza nem mesmo quanto à verdadeira extensão da estrada de ferro. Fontes não teve dúvidas: numa reportagem de duas páginas tascou um lead fantástico com uma nova denominação para a estrada de ferro: “Ferrovia do Acho”:

A Ferrovia do Aço, ou a Ferrovia dos Mil Dias dos sonhos governamentais, ganhou agora, diante da realidade de incerteza, em toda a região do seu traçado, um novo slogan,símbolo dos pesadelos diários de empreiteiros, engenheiros e povo: a Ferrovia do Acho. “Acho que vai continuar, acho que vão pagar, acho que a Engefer não tem dinheiro; acho que vai ser um túnel, acho que vai virar viaduto; acho que a terraplanagem vai rui, acho que vai resistir às próximas chuvas; acho que a ferrovia vai dar certo, acho que a ferrovia acabou”.”

A presidente afastada "acha" que voltará ao cargo; o presidente impostor "acha" que continuará no cargo. Fotos reproduções

A presidente afastada “acha” que voltará ao cargo; o presidente impostor “acha” que continuará no cargo. Fotos reproduções

A Nação do Acho – O Brasil dos dias atuais vive uma situação parecida. São tantas as confusões, trapalhadas, roubalheiras, golpes e atrocidades em geral que ninguém é capaz de ser assertivo com coisa alguma. O presidente impostor acha que continuará no cargo. A presidente afastada e o seu grupo político acham que têm chances de voltar.

Dezoito senadores estão em dúvida quanto ao processo de impeachment. Acham que poderão votar com Temer, como também acham que ficarão ao lado de Dilma. O famigerado Eduardo Cunha, líder espiritual e intelectual do golpe acha que irá salvar ele e a patroa dele das gélidas cadeias utilizadas, na capital paranaense, pela implacável “República de Curitiba”. Acha!

Os economistas acham que a economia irá se recuperar. Já os empresários acham que irão voltar a investir no País, quando o quadro político se desanuviar. Nós jornalistas atormentamos, diariamente, nossos leitores com profusão avassaladora de achismos.

Parafraseando a matéria do Fontes não seria nenhum exagero dizer que, hoje em dia, somos a “Nação do Acho”. Todo mundo acha e ninguém tem certeza de nada.

O inesquecível Noel Rosa, na sua magistral canção “Feitio de Oração” já preconizava: “quem acha vive se perdendo”. Neste caso, eu não acho. Tenho certeza. Estamos completamente perdidos.

Em meados de 2013, por conta de um aumento de 20 centavos na passagem de ônibus, em São Paulo o povo enfurecido foi às ruas para protestar sem saber muito bem por quê. A única coisa certa é que tanto a classe média quanto os menos abastados estavam indignados.

O governo impostor já disse ao que veio. Numa entrevista ao jornalista Roberto D’Ávila, da Globo News, anunciou que só está esperando acabar o processo de impeachment contra Dilma no Senado, para ele poder abrir o “baú de maldades”. Preparem seus corações: conquistas sociais de décadas de luta correm o risco de ir por água abaixo.

Entronizado no Planalto, pelos seus parceirinhos senadores dados a traquinagens com o erário, Temer não descarta nem a hipótese de acabar com o “Bolsa Família” e o SUS. Óbvio que não usou palavras tão cruas. Tangencia, dizendo que irá rever esses programas sociais.

Uma semântica curvilínea também foi aplicada pelo empolado Temer para dizer que ele irá proteger a Lava jato. Proferida por ele tal promessa soa tão verdadeira como uma nota três reais. É bom Moro e seus meninos colocarem suas barbas de molho!

O tempo de acharmos isso e aquilo está acabando. O momento, agora, é de começar agir. Ou cada um de nós para de ficar achando pelos cantos e parte para proteger e garantir o que foi conquistado de 1985 para cá, ou, vamos ser esmagados pelo conservadorismo e o oportunismo de uma facção política. A mesma que assaltou o poder com o único objetivo de se proteger do combate à corrupção e continuar se locupletando com a coisa pública. 

 

(*) Arnaldo César é jornalista

7 Comentários

  1. Marcos disse:

    É tão clara a parcialidade da justissa contra Dilma, Lula e o PT, que chega a ser ridículo. Onde já se viu um juiz federal ficar de conversa e e aparecer ao lado de deputados de um partido, como se fosse garoto propaganda? E logo do partido contra o qual ele não se mexe, nada faz. A Lava Jato está aí para derrubar Dilma, o PT, Lula. Está conseguindo. Agora será a hora de fechar as portas. Encerrar as investigações. Já estão muito longas… Ora, ora… Só se enganam os seguidores de Moro e da mulher dele no Facebook e os fiéis alienados que assistem ao Jornal Nacional como se fosse uma missa diária comandada pelo Papa Francisco. Hipnotizados, todos esses gozam ver “petralhas” sendo levados presos. E metem a colher em todos os assuntos, mesmo sem saber p***a alguma. Exemplo é a EBC que tem gente que nunca viu e que acha que é um desperdício, que tem de fechar etc. Coisa de seguidor de fascista. Falam que Lula é “bandido”, sem saber p***a alguma e sem ter quinze segundos de argumentação. Tem gente, agora, que acha que a senadora Gleisi “roubou”, só por ter visto o asqueroso Bonner e a visivelmente decadente Renata. Ou por ter ouvido com toda a atenção Sardenberg, no papel de Sancho Pança, e Merval, o oráculo que previu a manutenção do financiamento privado de campanha no STF (pausa: kkk…).
    Está assim uma parte do Brasil: vomitam opiniões de alhures como se fosse personagens de “1984”, de George Orwell. Pqp! E para finalizar, a afirmação corrente desse grupo de midiotas: quem não é contra o PT, é petista. Ora, se você tem essa mesma opinião, vá se f***r.

  2. Flávio Ferreira disse:

    LAVA-JATO tem lado:
    A Lava-Jato tem lado ou como o PT só tem otário seria o melhor título para uma crônica sobre o que acontece na política hoje. Costumo dizer para os meus amigos que dizem que no PT só tem ladrão, eu rebato que não sei disso, mas sei que lá tem muito otário. Quando dizem que apoiam a Lava-Jato, deveriam dizer que apoiariam se ela prendesse o chefe de campanha do PMDB e do PSDB. Que apoiariam se tivessem invadido a sede do PSDB para saber dos R$ 10 milhões arrecadados por Sérgio Guerra. Que apoiariam se tivessem prendido a senhora Cláudia Cruz, que tem contas comprovadas na Suíça.
    No entanto três fatos me deixam estarrecidos com a falta de foco do PT e ficam fazendo mimi havendo prova de que o Morogate é parcial e todos que estão metidos nesta operação de barafunda e que se dizem contra corrupção.
    Primeiro, por que nunca questionaram sobre a liberação de uma depoimento de Youssef sobre a ciência de Lula e Dilma sobre o esquema da Petrobras, depoimento no condicional, mas só liberaram o vídeo do depoimento após as eleições do mesmo Youssef sobre o Aecim onde é narrado a divisão de propinas em Furnas? Se era imparcial por que não divulgou antes?
    Segundo fato, sobre o mesmo juiz, que disse que liberou os áudios da Dilma para que a nação soubesse das coisas, e de novo, por que não divulgou os áudios onde Youssef narrava o esquema de Furnas onde a nação poderia fazer o juízo de valor de Aécim? Por que não questionar a isenção do juiz e o vício de julgar a mesma causa, provocando a condenação para “opinião pública” que quer os petistas na cadeia?
    Terceiro, por que invadir a casa de uma senadora pode (não pode não!) sem autorização do STF baseada em delação, por que nunca invadiram a casa das irmãs de Aecim que foram citadas (ninguém sabe qual é, mas isso não impediu de prender a cunhada do Vaccari, mesmo não sendo ela no vídeo)? Para invadir casa de irmã de senador não precisa de autorização do STF, não é mesmo?
    O que o Lula tá esperando para fazer um comício na frente da PF em Curitiba? Já que querem levá-lo pra lá, acampa na frente e fala isso. Nenhum jornal poderá te ignorar. Seria transmitido ao vivo, porque seria um fato inusitado.
    E como cereja do bolo, como acreditar na isenção dos delegados, que deram apoio a Aécim nas redes sociais mesmo sabendo do seu envolvimento em Furnas? Que combate é este de corrupção, só de um lado? E convenhamos, trabalhar com um agente preso por contrabando em 2003 é muito, mas muito esquisito.

    • João de Paiva disse:

      Comentário contundente, embora com carga excessiva nas tintas. Afirmações do tipo “no PT, ou no PSDB, só existem ladrões e corruptos” só convence a malta que é alimentada por ódio e que expele preconceito, o ódio multiplicado por fator maior que 10, ignorância, violência e analfabetismo político. Da mesma forma, chamar todos ou a maioria dos petistas de otários é frase clichê dos derrotados e falsos indignados que não compreenderam a gravidade do que anda acontecendo e da força que possuem os atores do golpe (os da burocracia estatal – PF, MP e PJ – as quadrilhas da velha e corrupta política – como as do PSDB, do PMDB, do DEM, do PP, do PPS, do PSC e congêneres -, além é claro, do alto comando internacional, que fica nos EUA). Eu cito quadrilhas dos partidos de direita, mas nem todos os integrantes desses partidos e os eleitores que votam em candidatos desses partidos são criminosos ou otários, evidentemente.

      Se você der uma refinada no comentário, sugiro que ele deva ser enviado a parlamentares do PT e à direção do partido.

  3. Henrique Luna disse:

    Eu tenho certeza que os golpistas estão escrevendo uma história podre que se repete e continuará repetindo nas américas. Muito triste este momento no Brasil!

  4. João de Paiva disse:

    Vou repetir em todo comentário: as instituições burocráticas (PF, MP e PJ) formam a mais perigosa ORCRIM. As quadrilhas da velha e corrupta política (sobretudo do PSDB, do PMDB e de outros partidos da direita) são atores coadjuvantes do golpe, mas que se acham protagonistas. Sem a ORCRIM da burocracia estatal não haveria golpe. As Forças Armadas, por omissão, parecem formar parceria ORCRIM burocrática.

  5. S.Bernardelli disse:

    VOCÊ TEM TODA RAZÃO ESTÁ MAIS QUE CORRETO, ESTAMOS PERDIDOS. EU NUNCA VI UMA POLICIA FEDERAL, ONDE TEM UM MP, UM PGR, PROCURADORES E PF COM ARGOLA NO TORNOZELO FAZER TANTO SUCESSO AS CUSTAS DE UM ÚNICO PARTIDO.EU NUNCA VI UM PGR TER A CARA DE PAU DE PEDIR AO MINISTRO TEORI PARA FICAR COM PARTE DOS RECURSOS DESVIADOS DA PETROBRAS, ELE PELO MENOS PEDIU E O MORO FICOU COM ALGUM RECURSOS DESVIADO DA PETROBRAS PARA PF? SE FICOU, PEDIU PARA QUEM? EU NÃO CONFIO EM NENHUM DOS DOIS. ALÉM DISSO, VAMOS AINDA TER QUE ENCARAR AS MALDADES DE UM VAMPIRO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *