Promotor confirma comentário sobre estupro e pede desculpas públicas
23 de junho de 2016
Temer é desmentido por Henrique Meireles. Em quem acreditar?
24 de junho de 2016

OI que levou a Polícia Federal colocar homens com armas de guerra na porta da sede do PT? Pura encenação, pois tais fuzis jamais seriam utilizados ali. Serviram apenas para ajudar ainda mais a desconstruir a imagem de um partido e um governo. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Marcelo Auler*

OI que levou a Polícia Federal colocar homens com armas de guerra na porta da sede do PT? Pura encenação, pois tais fuzis jamais seriam utilizados ali. Serviram apenas para ajudar ainda mais a desconstruir a imagem de um partido e um governo. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O que levou a Polícia Federal colocar homens com armas de guerra na porta da sede do PT? Pura encenação, pois tais fuzis jamais seriam utilizados ali. Serviram apenas para ajudar ainda mais a desconstruir a imagem de um partido e um governo. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O uso de armas de guerra, como os fuzis AK-47, AR-15 e outros tantos, foi introduzido nas polícias brasileiras a partir da década de 1980 para o enfrentamento de quadrilhas de traficantes que se apossaram dos morros cariocas. Esse tema abordei, em 2008, por iniciativa de Pedro Paulo Negrini, na minha primeira incursão no campo editorial ao participar com ele e Renato Lombardi da segunda edição do livro “Enjaulados – Presídios, Prisioneiros, Gangues e Comandos” (Editora Gryphus).

Pouco a pouco foi se tornando natural o desfile de policiais militares portando fuzis já não apenas nos morros, mas nas ruas da cidade, apesar de serem armas de guerra e não de controle de distúrbios urbanos.

Quando a Polícia Federal usa homens com roupas camufladas, portando estes fuzis, para cumprir um mandado de busca e apreensão na sede de um partido político, em pleno centro de São Paulo, algo não está normal. Ou eles imaginaram uma reação dos petistas armados como milícias? Ao se raciocinar que ali, no máximo poderia ocorrer alguma manifestação de militantes em repúdio à perseguição aos petistas, é de se questionar qual serventia teriam aqueles homens fortemente armados? Atirariam com armas de guerra contra uma manifestação popular?

Certamente jamais agiriam assim. Logo, a presença deles tinha outro propósito, o de intimidar, ou de, me apropriando das palavras do ex-ministro Eugênio Aragão na palestra proferida na Faculdade Nacional de Direito da UFRJ – EXCLUSIVO: Eugênio Aragão analisa criticamente a Lava Jato, suas ilegalidades e o prejuízo à democracia e Eugênio Aragão: “alguém com a legitimidade dos votos tem que dizer, pera aí!” – estavam ali também para destruir ainda mais a reputação de um partido político. Aquela cena, transmitida por todos os canais de televisão, serviu única e exclusivamente como estratégia de desconstrução de reputação. Ajudou a destruir um pouco mais a imagem de um governo/partido.

O juiz Paulo Buebo de Azevedo, que determinou a prisão de Paulo Bernardo e as buscas e apreensões na quinta-feira, faz doutorado na USP, sob orientação da advogada Janaína Paschoal. Fotos reproduções

O juiz Paulo Buebo de Azevedo, que determinou a prisão de Paulo Bernardo e as buscas e apreensões na quinta-feira, faz doutorado na USP, sob orientação da advogada Janaína Paschoal. Fotos reproduções

Juiz orientado por Janaína – Não se pode entender como mera coincidência que a ação da Polícia Federal ocorra em um momento em que o governo interino de Michel Temer vinha sendo desnudado com a divulgação das diabruras e ilegalidades cometidas por diversos de seus membros. Não se discute aqui, embora possa se considerar coincidência demais, o cumprimento de mandados de busca e apreensão por ordem judicial. Estranho que surjam em um momento como este, e mais coincidência ainda é o fato de o juiz substituto da 6ª Vara Federal Criminal, que os assinou, estar sendo orientado em sua tese de doutorado na Universidade de São Paulo (USP), pela professora Janaína Conceição Paschoal. A mesma que recebeu R$ 45 mil do PSDB para fazer o pedido do impeachment da presidente eleita, Dilma Rousseff. Isso não nos permite duvidar de suas decisões, mas vale o registro da coincidência mas não há como levantar acusações e hipóteses levianas contra os mesmos.

Na operação Custo Brasil, outro fato questionável, e aí sim, de responsabilidade do juiz federal Paulo Bueno de Azevedo, da 6ª Vara Criminal Federal em São Paulo, que expediu os mandados, foi a busca realizada na casa da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). Por ser parlamentar, sua casa só poderia sofrer qualquer ação judicial mediante autorização do Supremo Tribunal Federal. Motivo pelo qual, na própria quinta-feira a Advocacia-Geral do Senado ingressou com representação no STF contra a decisão judicial. Esta invasão da casa de uma senadora gerou protestos de quem jamais se imaginaria, como destacou nesta sexta-feira (24/06) Leonardo Boff, em seu blog:

Na postagem Solidarizo-me com a Senadora Gleisi Hoffmann, Boff reproduz o protesto de Dom Orvandil, bispo anglicano do Brasil Central com sede em Goiânia. Diz Boff ao falar do protesto do bispo anglicano:

Agentes da PF recolheram documentos e computadores na casa da senadora Gleisi Hoffmann, em Brasília. O Senado protesta. Foto Marcelo Camargo/Agência Brasil

Agentes da PF recolheram documentos e computadores na casa da senadora Gleisi Hoffmann, em Brasília. O Senado protesta.
Foto Marcelo Camargo/Agência Brasil

“em solidariedade à Senadora do PT Gleisi Hoffmann pela forma ilegal que sua residência oficial de senadora foi invadida sem prévio aviso, com palavras tranquilas dos policiais mas com gestos brutais, levando até o computador de seu filho adolescente. Prestemos atenção: o atual governo interino está permitindo ações fascistas; não podendo colocar tanques na rua utiliza a polícia federal para realizar a imposição de um projeto político que não passou pelo aval das urnas. A palavra para esse tipo de política é golpe. Associo-me às palavras do bispo anglicano em solidariedade à Senadora Gleisi e em protesto contra o presidente interino, último responsável por este tipo de violência. Lboff” 

O que muitos não entendem, ou fingem não entender, é que as críticas não são ao combate à corrupção em si, o que todos os cidadãos de bem desejam que aconteça. Mas à forma como ela vem sendo feita, principalmente com seletividade e uma forte suspeita de motivações políticas, principalmente na divulgação pela Polícia Federal de suas operações, sempre realizadas com o coincidente aparecimento de jornalistas para garantir a cobertura.

O anuncio da Polícia Federal foi de que o ex-ministro seria alvo de condução coercitiva. Na verdade,ele foi vítima de uma destruição de reputação. Mais uma. Foto reprodução.

O anuncio da Polícia Federal foi de que o ex-ministro seria alvo de condução coercitiva. Na verdade,ele foi vítima de uma destruição de reputação. Mais uma. Foto reprodução.

Gabas, reputação em jogo – À discussão do tipo de armamento e de policiamento utilizado para uma busca onde não houve – nem haveria – resistência acrescente-se a forma como se deu a divulgação. A Polícia Federal, por exemplo, espalhou que o ex-ministro Carlos Gabas, cujo nome surgiu pela primeira vez nestes escândalos e de forma um tanto quanto estranha – um delator disse ter ouvido dizer que ele teria recebido propina – seria levado coercitivamente para depor. Quem conhece o mesmo e aqueles que com ele trabalharam colocam sob suspeição qualquer suspeita sobre ele, até provas em concreto serem apresentadas. Delação premiada, como expôs o ministro Teori Zavascki, por si só não é prova alguma.,

Mas, no caso de gabas o que a PF anunciou não foi o que aconteceu. Na verdade, como se constatou, o mandado do juiz falava em convidá-lo a depor, caso aceitasse comparecer naquele momento. Ele se dispôs a fazê-lo, mas em outro momento e junto com sua advogada. Medida bem diferente do propagado que levou sites e noticiários de rádio e TV a espalharem uma condução coercitiva que não houve.

Novamente, com o ex-ministro Carlos Gabas o que se viu foi a tentativa de destruir reputações. O mesmo ocorreu com o jornalista Leonardo Attuch, editor do site Brasil 247. Embora convidado a depor, o anúncio feito foi de que estava sendo levado coercitivamente.

A Operação Lava Jato blindou o diretor geral do DPF, delegado Leonardo Daiello, apesar da pouca influencia dele nas investigações. Foto Reprodução

A Operação Lava Jato blindou o diretor geral do DPF, delegado Leandro Daiello, apesar da pouca influencia dele nas investigações. Foto Reprodução

Blindagem do DPF – Não é por outro motivo que se fala na necessidade de mudança no comando do Departamento de Polícia Federal (DPF), muito embora qualquer governante hoje se sinta acuado com a pressão exercida pela grande imprensa, a partir dos vazamentos da Força Tarefa da Operação Lava Jato. A estratégia rendeu resultados, na medida em que se difundiu que uma mudança significaria a tentativa de se acabar com as investigações. Na verdade, pode ocorrer o contrário, elas se tornarem mais transparentes, menos seletivas e, principalmente, de acordo com as normas legais.

Esta blindagem da Polícia Federal foi admitia pelo ex-ministro Eugênio Aragão, em sua palestra na Faculdade de Nacional de Direito, acima mencionada, quando falou de sua passagem pelo Ministério da Justiça:

É muito fácil ser ministro da Justiça em um momento de total popularidade em que tudo são flores. Difícil é você ser ministro da Justiça em um momento em que grande parte da sociedade, estimulada por uma mídia golpista, resolve destruir a imagem de um governo. Não é uma escolha fácil e, confesso, que essa circunstância de crise nos deixou paralisado em muita coisa. Poderia ter sido feito muito mais. A primeira coisa que poderia ter sido feita (eram) escolhas na Polícia Federal. Poderiam ter sido mudadas, mas não tínhamos condições de fazer naquele momento. Se mexêssemos na Polícia Federal estávamos sujeitos a uma confusão que atrapalharia ainda mais a presidenta. A gente tinha que, de certa forma, atuar como o algodão entre os cristais e não sair chutando os cristais todos

Estruturas que nos sabotam” – Ao fazer uma comparação entre a questão envolvendo a Polícia Federal e a política de demarcações de terras indígenas, ele exemplificou as diferenças de situação entre o momento em que ele foi ministro e o período do seu antecessor, José Eduardo Cardozo. Foi além, confessou-se impedido de mexer em uma “estrutura que nos sabota”:

A política indigenista foi realmente um grande desafio, porque os processos de demarcação de terras indígenas estavam ali no armário fazia sete, cinco anos, aguardando a disposição do ministro de assiná-los. Claro que ele (José Eduardo Cardozo) não tinha condições de assinar antes, já que a governabilidade dependia em grande parte do apoio do PMDB e o PMDB era o que mais resistia a essas portarias. Então, de certa forma, para mim foi muito mais fácil. A crise me facilitou a assinar essas portarias porque a gente estava pouco se lixando para o que o PMDB ia achar disso. Nós não estávamos mais, a essa altura, preocupados com a posição desses parceiros golpistas. (…)  

O José Eduardo, por exemplo, poderia ter mexido com a Polícia Federal e não mexeu. Eu não podia mais mexer com a Polícia Federal, isso era uma coisa que para mim estava trancada. Quando a gente está lá em cima a gente vê o que a gente pode e o que a gente não pode fazer. Claro que se dependesse só do nosso voluntarismo, a gente chutava o balde, mas tem coisa que não é possível. O país não merece certas crises, então a gente tem que se precaver, embora a gente saiba que tem estruturas que nos sabotam. A gente as vezes tem que ficar de olho nas estruturas, mas não pode mexer nelas de imediato“.

Após a sua passagem meteórica pelo Ministério da Justiça (de 17 de abril a 12 de maio), Eugênio Aragão está convencido de que é preciso mudar estruturalmente o DPF, inclusive para dar fim à guerra existente entre delegados e agentes federais, como explicou na palestra:

“A Polícia Federal tem que ser substancialmente reformada. Não dá para ter esse dissidio interno na PF entre delegados e agentes de polícia. Isso tem que ser resolvido de alguma forma, duas categorias lá dentro que são inimigas uma da outra. Isso é péssimo. Por outro lado, a gente tem que garantir que a Polícia Federal atue debaixo de certos padrões. Ela tem alto grau de profissionalização, é uma instituição valiosa, não vou tirar isso dela. A Polícia Federal é melhor do que qualquer polícia civil estadual em termos de qualidade do trabalho e profissionalismo, mas ainda sim tem o cachimbo que entortou a boca dela. Tem abusos que acontecem lá dentro, dentro de um impulso corporativo, como o Ministério Público também tem, e isso deve ser tratado. E a melhor forma de tratar é reconstruindo a carreira policial, criando novas condições para a Academia de Polícia, talvez uma escola superior de polícia”.

Trata-se, na verdade, de uma sinalização do que poderá acontecer com o retorno de Dilma Rousseff que, acontecendo, inevitavelmente levará Aragão de volta à cadeira de ministro da Justiça. Resta esperar para ver.

 (*) Colaborou nesta reportagem Lara Vieira Faria

41 Comentários

  1. C.Pimenta disse:

    Vejam o vídeo com o pronunciamento da Senadora Gleisi Hoffmann sobre a truculenta invasão de seu domicílio. É revoltante o que a PF fez com ela e sua família. A ditadura militar não chegou a tanto e nem a SA ou a SS nazistas teriam chegado a tal ponto.

    https://youtu.be/hc9_PE6A76A

    PS – A Senadora tem razão, se isso acontece com ela imaginem o que anda acontecendo com quem não conta com nenhum tipo de proteção?

  2. esselensia delegadu Sousa Cruzis disse:

    Io num ligu prus abuso i essa babaquice toda. Meu negócio é recebe um pur fora pra prende cigarro!
    U cigarru é u mau qui assola o braziu, cumpriendi? Mais só u cigarru dus paraguaio.
    O cigarru brasileiro é bom, cura impotência, infirtilidade i difiteria, bahhhhh!!

    Vamu livra us brasileiru dessa chaga! Todus unidu cumigo, contra u cigarro xiru!
    Essa semana lançu u livro “O cigarro paraguaio e os crimes contra os mercados das capitais (condor, mufato etc)”.

    Na semana que vem lançu meu outro livro, “Porque o cigarro paraguaio faz mal e o cigarro brasileiro faz bem, e o cigarro da Souza Cruz garante a salvação em cristo”, meu gost raiter, o Seu Creissu, falou q tá supimpa!!

    Na minha próxima participassaum, vo escrive sobri como investi nosso dinheiro onestu di puliça, e sobre minha nova obra: “Como construi um apartamentu em Acapulco com maço vazio de cigarro e superbondi!”

    Inte mais, cumpanheirus!

  3. C.Pimenta disse:

    A truculenta invasão da casa da Senadora Gleisi Hoffmann é um retrato fiel do que se transformou a PF. É o Estado Policial tentando intimidar não só ela mas todos os senadores que estão contra o Golpe de Estado em curso no país, copiado passo-a-passo dos golpes semelhantes ocorridos em Honduras e no Paraguai. Esse tipo de violência praticada por uma instituição mantida pelos contribuintes, portanto pública, está desmoralizando ainda mais o golpe junto a todos os setores da nação brasileira.

  4. N.M. disse:

    Assisti o link colocado acima. Isso é uma brincadeira ? Se for sério o que está mulher alega chegando ao cúmulo de quererem inchertar nela uma escuta permanente além da história de combinar com a polícia Federal uma operacao fraudada tudo ao arrepio da lei, então a coisa é muito mais seria do que o jornalista aqui sempre narrou. Estou aterrorizada com a capacidade criminosa desses que se dizem os heróis nacionais. Ninguém fará nada?

  5. Juliano disse:

    O primeiro que quero seja preso é o Hayashi para largar a mão de ser otário.

  6. Assis disse:

    Tanto Hayashi, Cassandra e os demais que apoiaram essa quadrilha e se omitiram de alguma forma, são qualificados pelo Código Penal como coautores.

  7. Joao Paulo disse:

    Delegado Rivaldo e demais dissidentes,
    Já que o Diretor Geral da PF Leandro Daiello preferiu cortar na carne de vocês e não do denunciador mentiroso em Juízo Igor Romário, sugiro que entrem com uma ação de danos morais contra Leandro e membros da Coger e Coain para que reparem os danos a imagem e reputação que sofreram pela qualificação que lhes deram de amigos de Alberto Youssef e porque Igor Romário não foi processado por denunciação caluniosa.
    Entrem com ações contra a pessoa física desses servidores para que sintam no bolso a consequência de suas decisões.

  8. Verdades verdadeiras disse:

    Na entrevista pro Panico a Meire Poza relata que o Delegado Hayashi sabia de todas as falcatruas que o Marcio e a Erika vinham fazendo……
    Os policiais no Paraná sabiam que ele poderia ter se envolvido de alguma forma com os abusos e ilegalidades, mas não assim, diretamente.
    Decepção é a palavra, todos sempre o viram como um cara sério.

  9. C.Pimenta disse:

    Enquanto isso os senadores se declaram “indecisos” quanto ao restabelecimento da Democracia no país. “Criam dificuldades para vender facilidades”, como disse o sábio Capistrano de Abreu. Compromisso com a Democracia? Eles riem disso, só se preocupam quanto vão faturar com suas falsas indecisões:

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/exclusivo-tabela-mostra-acordos-de-senadores-para-mudar-voto-do-impeachment-por-kiko-nogueira/

  10. […] Auler, em seu blog, ataca de frente um tema que, infelizmente, está se tornando tabu no […]

  11. Ana Paula disse:

    Caro blogueiro, com todo o respeito, li sua pastagem e não posso ficar inerte. Não vou entrar na seara política discutida, até porque julgo que o que colocarei é uma questão social.
    Sou policial e quero me manifestar somente com relação ao uso dos armamentos levantados. Isso não é um privilégio da operação na sede de um ou outro partido. Isso, infelizmente, é realidade do nosso país. A segurança pública está doente e lamentavelmente os criminosos têm acesso a armamentos de guerra. Estes criminosos não hesitam em tirar a vida de um policial em qualquer oportunidade que tenham, isso é uma realidade. Você tem certa razão ao dizer que as armas estão ali para impor uma intimidação. Entretanto, essa intimidação não é direcionada a manifestantes ou militantes, quaisquer que sejam suas orientações políticas. As armas estão ali para coibir que um criminoso pratique algum ato contra os policiais. Recentemente, ao conduzir um preso para uma penitenciária federal, presenciei uma situação em que o preso sorrindo riu do fuzil 556 utilizado pelos agentes penitenciários. Disse ainda que se fosse para bater de frente com eles, seus comparsas viriam no mínimo de 762. Recentemente vimos as notícias de que criminosos estavam usando uma .50 em ponta porã. Não sei qual é o seu conhecimento sobre armas, mas este calibre é suficiente para abater uma aeronave, destruir um carro forte e etc. Quando se trata da minha segurança ou de minha equipe, sempre usarei tudo o que estiver no meu alcance. Este desfile de armas a que você se refere continuará a acontecer enquanto os criminosos continuarem desafiando os policiais. Há sim a necessidade do uso de armas longas na composição das equipes, qualquer que seja a operação. Novamente digo, infelizmente essa é a realidade. Pergunte para a mãe ou esposa desses policiais da foto se elas consideram que o emprego e exposição dessas armas é um excesso. Acredito que elas te dirão que acham pouco. Vamos mudar o olhar na foto, esqueça as armas. Você notou que todos também estavam de coletes balísticos? Havia a necessidade de usar isso contra manifestantes ou militantes? Você acha que eles estariam em pé usando algo de aproximadamente 10kg por qual motivo senão o de se preservar. Repito, policiais no nosso país estão em constante ameaça, nada que seja usado para garantir sua segurança ou coibir um conflito é excesso.

    • Ana Maria Braga da cozinha gourmet disse:

      Deixa de papo furado isso ai é palhaçada mesmo. Não precisava e não precisa disso em 99% do que a PF faz.

    • João de Paiva disse:

      Com esse pseudônimo e com essa argumentação tenha a certeza de que esse papo furado não convencerá nenhum leitor deste blog, muito menos o jornalista responsável por ele. O caso é de perseguição política pura e simples. Querem intimidar, destruir reputações, aniquilar a Esquerda, colocar o PT na clandestinidade. Mas a mim e a milhões de brasileiros não convencem, muito menso intimidam. Não tenho medo dessa meganhagem covarde. A PF deveria se preocupar em guardar as fronteiras, em combater o tráfico de armas e drogas, crimes nos quais é freqüente a participação de facções da própria PF e de outras polícias, além das Forças Armadas.

      É fácil fazer operação circense e midiática contra um líder político da Esquerda (Lula) e contra o partido por ele fundado (o PT), usando do aparato de guerra que o Estado confere à PF, cometendo assim o pior tipo de terrorismo: o de Estado. O que parece difícil é a PF respeitar e cumprir a Lei, exercendo as funções e atribuições que lhe cabem.

    • Marcelo Auler disse:

      Prezada leitora Ana. Concordaria com você em numero gênero e grau se fosse uma operação para combater marginais, fossem eles traficantes ou não… Mas para dar garantias em uma busca e apreensão no centro de São Paulo, da qual ninguém estava sabendo que aconteceria, me desculpe, foi uma demonstração de força e não uma medida preventiva de auto-defesa da equipe. abraços fraternais. Marcelo

      • Ana Paula disse:

        Caro Marcelo, antes de qualquer coisa, agradeço a atenção e a educação. Entendo que essa postura pode desgastar a imagem de quem sofre a diligência. Só quis dizer que isso não é direcionado a um ou outro partido. Muitas vezes os agentes chegam pra cumprir uma ordem de missão sem saber do que se trata. Quando se trata de grandes centros, uma simples intimação pode trazer riscos aos policiais.

        • Marcelo Auler disse:

          Prezadíssima leitora Ana Paula, saudações e obrigado pela atenção que dispensa ao blog. Mas retomo o assunto com uma questão: em qual busca e apreensão em empresas grande (para citar apenas um exemplo) houve o uso desta espécie de armamento e a colocação de policiais com fuzis na porta? Vi isso apenas na busca feita no Instituto Lula e na sede do PT. Posso estar errado e se estiver, darei a mão à palmatória. Obrigado, um abraço e bom final de semana.

          • Marcelo Auler disse:

            Ana Paula, minha mão está estendida à palmatória. abraços. Marcelo

          • João de Paiva disse:

            Marcelo Auler,

            A Ana Paula te ludibriou. Você escorregou ao perguntar sobre operações contra grandes empresas. Seja específico e vá ao ponto: pergunte a ela se contra algum político, algum ex-presidente ou algum partido de direita e centro-direita, foi usado o mesmo aparato de guerra que vimos em desfile junto à casa de Lula, ao Instituto Lula e à sede do PT. Peça a ela para enumerar os casos desde 1993, quando o escândalo dos anões do orçamento vieram à tona. Peça a ela para explicar a diferença de tratamento dado a Lula e a FHC. Não se deixe enganar; as explicações e os exemplos de Ana Paula são tão convincentes quanto as/os do marido traidor que tenta justificar à esposa as manchas de batom na cueca.

    • Rômulo disse:

      Que papinho de otário, sou policial, ja atuei no RJ, SP, cansei de atuar na fronteira, embarcado inclusive, e o que você falou é lixo!
      Questão da segurança se resolve com a posse e possibilidade de uso do armamento. Ponto. A PF podia ter um tomahawk, um icbm, um m1 abraham pra usar nessa operação, desde que não ficasse fazendo pose pra foto com as armas, que é o que foi feito.

      Não adianta Ana Paula, o final da história não vai mudar, o cão doente e ensandescido sempre é abatido.

      • Ana Paula disse:

        Então você sabe os elementos que fazem parte do uso progressivo da força. Você não precisa esperar uma agressão ocorrer para empregar o armamento e regir. Pode evitar que a agressão ocorra.

        • Flavio Mazagão disse:

          Sem duvida Ana Paula, uso progressivo da força…
          Principalmente se for contra os petebas ou o nove dedos.
          Quero ter a culha de meter fuzil na porta do PMDB, PSDB, qualquer outro partido, congresso etc.
          Vocês não tem!
          Não tem coragem, só chutam cachorro morto.

          Aliás, colaste ali um link de busca na Daslu. Onde usaram grupo tático.
          Usaram por que ali? Medo de algazarra, distúrbio civil? Na daslu? Hahahhahaha

          Foram babacas, escrotos e prepotentes na Daslu, e foram agora de novo, só isso. O blogueiro entrou na tua porque foi ingênuo.

          E é por ser babaca e prepotente assim, que tão ganhando cada vez menos, enquanto quem manda e usa vocês é cada vez mais marajá, kkkkkkkkkkk

    • Voz de trovão disse:

      Ana Paula…o gpi nem quando vai retirar assentados leva esses armamentos….deixa de conversa fiada.

      • Ana Paula disse:

        Eu até acredito que você já tenha presenciado esse cenário descrito. Mas, existem diversos GPIs e eu só tive contato com o de um estado específico. Lá, atualmente, em qualquer acionamento são usados HK 417.

      • Ana Paula disse:

        Até acredito que você já tenha presenciado o cenário que descreveu. Mas, pode ser um caso isolado de um estado específico. Não tenho elementos pra afirmar como é a ação de todos os GPIs. Só conheço de forma mais aproximada o de um estado. Lá, atualmente, em qualquer que seja o acionamento, são usados HKs 417.

        • inocente disse:

          Prezada Ana,

          Acredito na suas boas intenções e na sua credulidade. A maior parte da PF é assim. Seria. Acontece que o papo ė outro… Por isso, com todo respeito, que a PF esta assim.. São pessoas boas como você que foi contada à história da carochinha do combate a corrupcao e esta sendo manipylada enquanto meia dúzia de CANALHAS VENDIDOS do DPF manobram politicamente . A PF nunca foi tão podre. Nunca foi tão aparelho de uma Classe que quer ter ganhos financeiros e poder através de uma mentira capitaniada por uma emissora de TV que o único objetivo de eleger herois é desviar o foco da operação Zelotes que ia definitivamente sepultar a falsa moral desta Nojenta e fascista emissora.

          Quando a onda quebrar na praia e vier a tona a verdade, não se surpreenda.

  12. so isso disse:

    A Policia Federal está determinada a cortar na carne… dos outros !!!

    Fico me perguntando como que as pessoas nao percebem como será o fim disso tudo ? Acham realmente que vamos virar um Estado Policial ? Acha que é assim que a policia vai ter um diferencial ? pelo medo ? pela tortura psicologica ? Idiotas sao aqueles que acham que a PF vai ter um fim heroico. A PF VAI VIRAR UMA GUARDA MUNICIPAL FEDERAL no final disso tudo, para o bem de todos, esse vai ser o discurso ! Ou tem alguem que acha que nao “mexem na direcao geral ou nesses idiotas aloprados” pq ninguem tem coragem ? quanta ingenuidade, meu deus ! Nao mexem por um so motivo… a PF sempre se autosabotou e agora é o ápice ! a propria PF vai fazer sua credibilidade e sua historia irem para o ralo ! O melhor jeito ? deixar no comando uma turma mais perdida que cego em tiroteio, que acha que com a pressão e com a forca vao se tornar uma especie de MPF com arma ( sonho de uns idiotas). resultado factivel : salarios achatados, orgao desacreditado, fuga de policiais para outros concursos. quero ver investigar sem policia so com bandido delatando, ISSO VAI SER UMA SÓ VEZ E DEPOIS JA ERA.

    Exemplo disso : O ORGANOGRAMA CRIMINOSO DE CURITIBA – como pode a propria pf divulgar uma nota oficial dizendo que é um simples desenho de uma relacao de amigos ? e o delegado que recebeu e ouviu o que era aquilo ? e os funcionarios que estao ali descritos e expostos ? e o delegado rivaldo que era so o substituto de quem “desenhou” , é entao amigo do youssef ? tem investigacao sobre isso? pq se afirmaram que é relacao de amizade TEM QUE TER INQUERITO PRA SABER QUE RELACAO ERA OU É ESSA DO SUBSTITUTO DO 02 DA PF DO PARANA COM O DOLEIRO DA LAVA JATO ! PIOR ! A DOLEIRA NELMA TAMBEM RECONHECEU O DELEGADO RIVALDO COMO FREQUENTADOR DA CELA DO YOUSSEF ATE NOS FINAIS DE SEMANA !!!! NA FRENTE DE QUEM ? ARMADO POR QUEM ISSO??? ganha uma maria mole quem adivinhar…

    OU SEJA- claro que a propria PF sabe que nao e isso. Claro que sabe que é uma alopracao CRIMINOSA de um delegado da lava jato ( so mais uma…) mas preferem “fingir que nao veem” em detrimento de seus proprios funcionarios expostos ali. impressionante que tem : superintendente de outro estado, drcor de outro estado, atual secretario de seguranca de estado, e servidores, que apesar de nao terem cargos foram expostos em revistas e em jornais, em reportagens sobre isso. Acham que isso nao vai dar nada ? que ninguem vai responder pelo que fez e tambem PELO QUE DEIXOU DE FAZER , QUEM TINHA OBRIGACAO PARA ISSO !?

    estão vendo a autosabotagem ? o corte na carne… dos outros ? o fio de esperanca que so pode ser de retardados mentais que isso vai levar a PF para “outro patamar” ?

    cambada de imbecis… depois vao querer estar do lado de quem “botou a cara” desde o começo contra isso tudo e que “so ta tomando porrada” em “corrupcoes para tirar o superintendente”…. ai ja vai ser tarde.

  13. Romualdo disse:

    Os fascistas são assim. Sabem que seus “argumentos” não se sustentam diante da realidade. Por isso precisam de circo. Para dar uma escovadela de “legitimidade” àquilo que não passa de golpismo para proteger seus interesses escusos, preconceituosos e classistas.

  14. […] Auler, em seu blog, ataca de frente um tema que, infelizmente, está se tornando tabu no […]

  15. Angela Romito disse:

    Marcelo, c/ relação ao Gabas, a imprensa foi além: a PF confiscou (confiscou mesmo?) a moto em que ele dava carona a Dilma. Ou seja, botaram a Dilma na cena do crime! Calhordice pura …

  16. João de Paiva disse:

    Não acredito que você possa depositar alguma confiança num sujeito que advogou para o PCC e que à frente da SSP-SP transformou as polícias paulistas nas mais violentas, criminosas e assassinas do País. Um sujeito que era conivente com ações de PM dando proteção a nazifascistas que vestiam as cores da bandeira brasileira, que pediam intervenção militar e que usaram da liberdade democrática para estuprar a democracia e aplicar um golpe de Estado. Alexandre Nazimoraes é a truculência, a imagem pronta e acabada da repressão à Esquerda, aos movimentos sociais e reivindicatórios e da proteção à ação repressiva armada e terrorista por agentes do Estado.

    • Andreia Feitosa disse:

      http://youtu.be/gkC45pcF-zc
      Essa entrevista da Meire Poza mostra o tanto de informação que nao rolou por debaixo do pano na Operação Lava Jato.
      Usavam ela para fazer escuta ambiental a todo momento e ela só parou quando os procuradores da República de Curitiba lhe pediram para colocar microfones no corpo e ela teve medo. Será que essas gravações que nao eram usadas como prova tinham autorização judicial? Será que os delegados de Curitiba não fizeram o mesmo para ouvir Youssef ilegalmente dentro de sua cela? Será que os delegados de Curitiba não fizeram o mesmo colocando escuta no fumódromo da PF para ouvir os servidores que não concordavam com tais práticas?
      Será que os tais dissidentes que não concordaram com tanta sujeira praticaram corrupção passiva ao procurarem ajuda fora do sistema corrompido?
      Se eu fosse a Meire teria mais medo desses delegados e procuradores da Lava Jato do que dos presos na operação.

  17. João de Paiva disse:

    Prezado Jornalista Marcelo Auler, prezados leitores.

    Esta é mais uma reportagem com o selo de qualidade. Somada às ótimas análises e reportagens publicadas ontem e hoje por Luís Nassif (http://jornalggn.com.br/noticia/atualizado-xadrez-do-golpe-aperfeicoado, http://jornalggn.com.br/noticia/operacao-custo-brasil-foi-antecipada-por-moro-nao-havia-saida), assim como à carta aberta escrita pelo jornalista Paulo Nogueira ao juiz sérgio moro (http://www.diariodocentrodomundo.com.br/carta-aberta-a-sergio-moro-por-paulo-nogueira/) e ao artigo escrito por Emir Sader (http://www.brasil247.com/pt/blog/emirsader/240133/O-dedo-de-Lula.htm) dá um bom panorama da ação orquestrada pelos atores institucionais do golpe (a ORCRIM composta pela PF, pelo MP e pelo PJ), mas deixa de fora ou não mostra com devida ênfase a atuação do governo golpista e sua quadrilha de delinqüentes. O ex-advogado da facção criminosa PCC, que depois foi secretário de segurança pública de SP, que foi nomeado ministro da justiça neste governo golpista, o truculento nazifascista Alexandre de Moraes, ou não é mencionado ou, quando citado, apenas de modo lateral e secundário. O terrorismo de Estado, com a invasão da sede de um partido político de Esquerda, têm as digitais de Nazimoraes; isso precisa ser mostrado, denunciado ao brasil e ao mundo.

  18. Corno depressivo disse:

    Mosca abra o bico…faça delaçao…O MPF vai te pegar para cristo! Pense nisso, ainda é possível voltar atrás. Fique ao lado da verdade e da lei. Arrependa-se…não pague esse pato. Você foi vítima da pressão, chegou perdido no Paraná, quis mostrar serviço e…..te botaram na maior furada da sua vida. Pense de verdade nisso. Vá até o MPF, as apurações da COAIN já estão com eles, e conte tudo. Contextualize sua chegada recente no Paraná com a sindicância… Te levaram ao erro, foi moralmente coagido, etc, isso tudo ê evidente para todos na PF. Seja homem, pense no seu futuro.

  19. C.Pimenta disse:

    O “ministro” da justiça golpista, portanto falso, foi pessoalmente conversar com Moro (para não vazar) a retomada de ações midiáticas para ajudar a completar o Golpe de Estado. Dois dias depois a PF perpetrou uma ação ilegal num imóvel ocupado por uma Senadora, sem autorização do STF e fez um espetáculo circense em frente à sede do PT em SP. Este “ministro” de araque só vai dar mais corda às ações ilegais da PF.

  20. João de Paiva disse:

    Prezado Jornalista Marcelo Auler, prezados leitores.

    Esta é mais uma reportagem com o selo de qualidade. Somada às ótimas análises e reportagens publicadas ontem e hoje por Luís Nassif (http://jornalggn.com.br/noticia/atualizado-xadrez-do-golpe-aperfeicoado, http://jornalggn.com.br/noticia/operacao-custo-brasil-foi-antecipada-por-moro-nao-havia-saida), assim como à carta aberta escrita pelo jornalista Paulo Nogueira ao juiz sérgio moro (http://www.diariodocentrodomundo.com.br/carta-aberta-a-sergio-moro-por-paulo-nogueira/) e ao artigo escrito por Emir Sader (http://www.brasil247.com/pt/blog/emirsader/240133/O-dedo-de-Lula.htm) dá um bom panorama da ação orquestrada pelos atores institucionais do golpe (a ORCRIM composta pela PF, pelo MP e pelo PJ), mas deixa de fora ou não mostra com devida ênfase a atuação do governo golpista e sua quadrilha de delinqüentes. O ex-advogado da facção criminosa PCC, que depois foi secretário de segurança pública de SP, que foi nomeado ministro da justiça neste governo golpista, o truculento nazifascista Alexandre de Moraes, ou não é mencionado ou, quando citado, apenas de modo lateral e secundário. O terrorismo de Estado, com a invasão da sede de um partido político de Esquerda, têm as digitais de Nazimoraes; isso precisa ser mostrado, denunciado ao brasil e ao mundo.

  21. Só de olho e guardando as provas disse:

    Excelente Matéria Auler…mas o Aragão não irá voltar ao MJ. A Dilma não retornará, graças ao Cardozo. Alexandre de Moraes fará o que tem que ser feito na PF. Ele já tem profundo conhecimento das ilegalidades cometidas na lavajato, dá escuta no youssef, fraude em sindicância ao caso da Meire e Marcio Anselmo. Ele fará o que Cardozo não fez.

  22. Juvenal Juvencio _ direto do inferno disse:

    O blogueiro queria o que?
    O coordenador da lava jato e o delegado Moscadi, o metrossexual sem estilo.
    O cara senta do lado do Daltan enviado de deuz, e ao mesmo tempo frauda qualquer coisa que toca.
    Na pf do parana, dizem que quando ele encosta um dedo em uma folha de papel A4, instauram inquerito pra apurar falsidade documental.

    O cara usou até o nome do juiz odilom, kkkkkkkkk, e pior, fez tudo isso porque foi enganado pelos safados de sempre, que adoram uma ilegalidade, mas odeiam trabalhar, kkkkkkkkj

    Parabéns delegado Moscadi, você é o simbolo da vaza jato junto com o japoronga corrupto! kkkkkkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *