Prepotência e orgulho ferido ajudam a revelar o arbítrio da Lava Jato
26 de setembro de 2016
Revista Brasileiros: Lava Jato – “Profecias na sauna”
28 de setembro de 2016

O viés político da Lava Jato cada vez mais escancarado. “É hora de barrar o arbítrio”

 Marcelo Auler

Depois de reunir-se com o superintendente Rosseti (à esquerda na foto) o ministro esteve com os chefes de delegacias especializadas da Superintendência.

Depois de reunir-se com o superintendente Rosseti (à esquerda na foto) o ministro esteve com os chefes de delegacias especializadas da Superintendência.

Há quem diga que não existe coincidência. Ou, simplesmente, quem nela não acredite.

Na sexta-feira (23/09), à tarde, Alexandre de Moraes, o ministro da Justiça do governo que jogou no lixo 54 milhões de votos destinados à Dilma Rousseff com o golpe do impeachment, esteve na superintendência do Departamento de Polícia Federal (DPF) de São Paulo. Foi uma visita atípica, pois o habitual é que ministros de Justiça visitem superintendências acompanhados do Diretor Geral da instituição. Moraes foi sozinho.

A sós, reuniu-se, com o superintendente Disney Rosseti, no gabinete dele. Rosseti é um dos nomes que frequentam a bolsa de apostas de quem será o futuro Diretor Geral (DG) da instituição. Não é o único, mas teria como padrinho o atual DG Leandro Daiello Coimbra. Depois da reunião dos dois, Moraes e Rosseti se encontraram com os chefes de delegacias especializadas. Oficialmente, debateu-se o combate ao crime organizado.

Na sexta-feira, quando da visita do ministro à SR/DPF/SP, ali já estavam os mandados de prisão e de busca e apreensão expedidos pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, no dia 12 de setembro. O alvo principal, como se sabe, foi o ex-ministro Antônio Palocci. Tratava-se da 35ª  Fase da Operação Lava Jato, marcada para a segunda-feira, (26/09).

O ministro boquirroto e o candidato tucano à prefeitura: Lava Jato vira jogo político. Foto: reprodução do Brasil 247

O ministro boquirroto e o candidato tucano à prefeitura: Lava Jato vira jogo político. Foto: reprodução do Brasil 247

No domingo, véspera dos mandados serem cumpridos, Moraes estava em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, para prestigiar a campanha a prefeito do seu correligionário no PSDB, o ex-secretário estadual de Logística e Transporte e atual deputado federal, Duarte Nogueira. Tucano como Moraes. Em um ato de campanha, ao encontrar-se com os membros do Movimento Brasil Livre, seus parceiros no golpe do impeachment, ele tratou de tranquilizá-los:

Teve a semana passada e esta semana vai ter mais, podem ficar tranquilos. Quando vocês virem esta semana, vão se lembrar de mim“, disse.

Como se nota no vídeo abaixo, a fala foi espontânea, sem que ninguém tivesse o questionado. Apenas pediram apoio à Lava Jato. Mas, o ministro tomou a iniciativa de avisar que algo mais aconteceria. O inusitado anúncio ganha ares mais significativos diante do recado de Moraes aos seus aliados no golpe:

“(…) podem ficar tranquilos!”

Ribeirão Preto é a terra de Palocci e seu berço político. Ali, ele se elegeu, sucessivamente, vereador (1987), deputado estadual (1989), prefeito (1991 e 2000). Na eleição do próximo domingo, o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil dos governos Lula e Dilma Rousseff, não concorrerá.

Na sua cidade natal, o candidato à frente nas pesquisas é Ricardo Silva, do PDT. Atrás, em empate técnico está o candidato do PSDB, um antigo adversário político de Palocci. Moraes foi lá para ajudar seu correligionário. Na presença dele, os membros do Movimento Brasil Livre cobraram a continuidade da Lava Jato.

Porém, nada falaram sobre o candidato Nogueira – que o ministro da Justiça apoia para a prefeitura – e o escândalo da merenda em São Paulo.  Foi o motivo dele ter deixado a secretaria estadual de Logística e Transporte. Mas, depois, a corregedoria do governo tucano paulista o inocentou, como anunciou a imprensa de Ribeirão Preto, em 02 de abril: Duarte nogueira é inocente em denuncia da merenda

“Corregedoria arquiva denúncia contra ex-secretários na fraude da merenda.

Duarte Nogueira e Herman Voorwald foram citados em delação de suspeitos. ‘Lobistas usavam nomes de autoridades indevidamente’, explica corregedor.

A Corregedoria Geral de São Paulo arquivou a investigação contra o ex-secretário da Educação Herman Voorwald e o deputado federa Duarte Nogueira (PSDB), que deixou a Secretaria de Logística e Transportes nesta sexta-feira (1º), por suspeita de envolvimento no esquema de fraude em licitações da merenda em prefeituras e no governo paulista”.

Os membros do Movimento Brasil Livre também não comentaram com o ministro a notícia de 24 de março, do G1 da região de Ribeirão Preto e Franca: Políticos da região de Ribeirão Preto são citados em planilhas da Odebrecht:

“O secretário de Logística e Transportes de São Paulo, Duarte Nogueira (PSDB), a prefeita de Ribeirão Preto (SP), Dárcy Vera (PSD), e o ex-prefeito de São Carlos (SP) Oswaldo Baptista Duarte Filho (PT) estão entre os 200 políticos citados nas planilhas apreendidas pela Polícia Federal na 23ª fase da Operação Lava Jato.

Em nota, Nogueira e Oswaldo Barba negam ter recebido doações de forma ilícita e alegam que as doações recebidas durante as campanhas eleitorais foram devidamente declaradas à Justiça”.

As planilhas foram apreendidas no dia 23 de março. No mesmo dia, o juiz Sérgio Moro, após o vazamento para a imprensa, determinou o sigilo sobre os documentos, como consta da mesma reportagem do G1:

Aparentemente, na residência de Benedicto Barbosa da Silva Júnior, foram apreendidas listas com registros de pagamentos a agentes políticos. Prematura conclusão quanto à natureza desses pagamentos. Não se trata de apreensão no Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht e o referido Grupo Odebrecht realizou, notoriamente, diversas doações eleitorais registradas nos últimos anos”, diz o juiz no despacho.

De todo modo, considerando o ocorrido, restabeleço sigilo neste feito e determino a intimação do MPF para se manifestar, com urgência, quanto à eventual remessa ao Egrégio Supremo Tribunal Federal para continuidade da apuração em relação às autoridades com foro privilegiado“, conclui Moro.

Em dezembro de 2012, foi a vez do Jornal Nacional, da TV Globo, anunciar:Deputado Duarte Nogueira (PSDB) usa assessor como motorista dos filhos

O deputado paulista tem 17 secretários parlamentares, entre eles José Paulo Alves Pereira. A norma da Câmara determina que o secretário parlamentar só pode trabalhar em atividades específicas dos gabinetes“.

Estas questões, porém, são irrelevantes. O que importa é que prenderam Palocci, por conta da acusação dele ter feito lobby, quando ministro e como deputado federal a favor da Odebrecht. A justificativa para a prisão foi noticiada por Pedro Canário, na revista eletrônica Consultor Jurídico: Falta de provas justifica prisão temporária de Palocci, afirma Sergio Moro:

O ex-deputado e ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci é acusado de receber propina para trabalhar pela Odebrecht dentro do governo e no Congresso Nacional. Mas como não foram encontradas provas do recebimento dessas quantias, Palocci deve ficar preso, “enquanto não houver tal identificação”.

Essa é a motivação usada pelo juiz Sergio Fernando Moro, titular da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, onde corre a maioria dos processos da “lava jato”, para mandar prender o ex-ministro.

Antes, denunciaram sem prova, mas com convicção. Agora, prendem primeiro para encontrarem a prova depois.

Tudo às vésperas das eleições, com direito a vazamentos, durante campanha eleitoral.

Pouco a pouco,  a Lava Jato demonstra seu viés político eleitoreiro. Vazam o que querem e guardam sigilo sobre o que incomoda. Como a famosa sindicância sobre o grampo encontrado na cela de Alberto Youssef.

O viés político ocorreu, de forma distinta, em 2014. Lembremos o Estadão em novembro de 2014: “Delegados da Lava Jato exaltam Aécio e atacam PT na rede“.

Volta a ocorrer nesta eleição, de forma indireta. Com prisões questionáveis como as de Mantega e de Palocci, embora eles devam realmente responder na Justiça pelos seus atos. De acordo com o Estado Democrático de Direito que, ao que parece, não prevê prisões para se chegar às provas.

Como resumiu André Singer em sua coluna da Folha de S. Paulo no sábado, por nós citada na postagem Prepotência e orgulho ferido ajudam a revelar o arbítrio da Lava Jato: é hora de barrar o arbítrio. Antes que seja irreversível.

 

 

16 Comentários

  1. […] Leia também: O viés político da Lava Jato cada vez mais escancarado. “É hora de barrar o arbítrio” […]

  2. C.Poivre disse:

    Como nosso injusto sistema judicial mata uma pessoa em vida:

    http://www.conversaafiada.com.br/brasil/os-promotores-mataram-sergio

  3. João Luiz Pereira Tavares disse:

    TODAS as DOAÇÕES foram feitas dentro da LEGALIDADE E DECLARADAS À JUSTIÇA.
    TODAS as DOAÇÕES foram feitas dentro da LEGALIDADE E DECLARADAS À JUSTIÇA.
    De novo:
    TODAS as DOAÇÕES foram feitas dentro da LEGALIDADE E DECLARADAS À JUSTIÇA.
    TODAS as DOAÇÕES foram feitas dentro da LEGALIDADE E DECLARADAS À JUSTIÇA.
    De novo:
    Todas as doações foram feitas dentro da legalidade e declaradas à Justiça.
    Todas as doações foram feitas dentro da legalidade e declaradas à Justiça.

  4. Levi Baron disse:

    A verdade é uma só.
    O TRF deu mais um cheque em branco para a operacao já que ela trata de fatos inéditos. Uma coisa surreal tao fato.
    Nessa ideologia vem a PF de Curitiba junto, que foi capaz de queimar o Superintendente de SP nesse induzimento que o suposto vazamento surgiu lá.
    Esses caras intimidam até o Diretor Geral com o discurso amplamente divulgado de que o Leandro cai mas Rosalvo permanece.
    Prova disso é que as ilegalidades cometidas estão caminhando para os dois anos de ocorridas sem nenhuma punição ou afastamento dos infratores.
    A situação é mais séria do que se pensa, pois o ordenamento jurídico está sofrendo uma flexibilização perturbadora e maligna. Foi assim que ditaduras surgiram, sempre na busca de um ideal nobre, mas pelos meios tortos e absolutos.
    O precedente que se está abrindo não é prejudicial para os corruptos apenas, mas também para qualquer pessoa de bem que atravesse na frente da marcha da locomotiva sem freio.
    Esse País viverá dias de trevas se algo não for feito em resgate a estrita e gramatical legalidade.
    Chega de flexibização da interpretação das leis, das palavras, dos discursos! Falam que o preto é branco e acreditam! Falam que a lei diz que é permitido quando na verdade está escrito não pode! Falam até que pelo princípio da razoabilidade e do fato inédito a constituição e as leis menores foram revogadas!
    Se esquecem que a lei foi feita para proteger o cidadão de bem dos limites da autotutela dos outros cidadãos e do Estado.

  5. Leonardo Spencer disse:

    Essa polícia federal tá parecendo uma seita esotérica pagã, tipo nazistas. Ou algo pior.
    A instituição que foi recebida pela CF 88 como um componte importante do nosso estado democrático (e não mais que isso), se transformou num ser deformado, num ambiente de abusos e ilegalidades, que busca o poder pelo poder, através da instrumentalização do seu trabalho. O faz sempre aliada a setores nefastos da sociedade, como a imprensa hegemônica (GLOBO, estadão etc), e setores do judiciário que se mostram tão reacionários, obscuros e contaminados quanto.

    Aparentemente essa polícia criou sua própria mitologia, seus próprios símbolos de poder. Acreditam na superioridade da sua visão de mundo, acreditam que são seres superhumanos.
    É uma coisa assustadora, mas ao mesmo tempo extremamente infantil, e engraçada até, por que não.
    É especialmente engraçada pra quem conhece essas figuras, pra quem sabe quem é um e outro, o que é, o que pensa, no que acredita, e principalmente, o que fez.

    Na cosmologia ocultista ultra pitoresca do nazismo, se advogava que o sol era uma esfera de gelo (teoria do gelo eterno), isso em meados do século passado…!!!!
    Em 2016, na república de curitiba, diversos operadores do direito acreditam e pregam que a constituição federal de um país continental de 200 milhões de habitantes, é um pedaço de papel higiênico cheio de merda humana…. E por aí vai…

    As semelhanças são muitas, e impressionantes. Táticas de comunicação, propaganda, doutrinação, terror, guerra de raças (perseguição/intolerância/seletividade), darwinismo social, culto a um suposto tradicionalismo inexistente (típico dos provincianos da republiqueta) etc…

    O estrago que causam também é bastante semelhante, assim como o fim que vão ter.

  6. anonimous disse:

    Cardoso foi avisado mais de uma vez que o delegado ilha gourmet tinha aprontado no Acre numa bosta de uma operacao em que todo mundo foi inocentado em segunda instancia.
    O ilha gourmet tinha sido reprovado no psicotecnico e foi pra Curitiba com sede de poder tamanha que subiu igual rojao nas maos das pessoas certas e fez a sindicancia da escuta da cela do Youssef bem “redondinha” pra chutarem pro gol.
    Ilha gourmet fez propaganda politica no facebook contra Lula, PT e Dilma tambem e diante de tudo isso Cardoso bao fez nadaaaaa.
    O rapaz continua livre, leve e solto gracas a Cardoso e Aragao e tai, semana passada foi o protagonista por ir arrancar Guido Mantega do hospital para ser preso e conduziu-o a depor.
    Quero muito que antes do ilha gourmet seja preso ele possa prender Dilma e Lula. Dai o Cardoso vai tentar tira-los da cadeia e tenha um encontro com gourmet.

    • Marcel Kittel disse:

      Belo comentário.
      Vou elaborar um pouco.
      Nesse hipotético encontro, o delegado ilha gourmet ia pegar o cardozinho, levá-lo num canto da sede da sedição, uma sala isolada, e dizer assim: “ex ministro, eu preciso te confidenciar algo!” – silêncio constrangedor por 15 segundos – então aconteceu o beijo na boca, babaaaaaado!
      Após minutos de refrega, a despedida de ilha gourmet é no seguinte tom: “eu não seria nada sem você meu pianista repuclicânus!”
      Vida que segue…

  7. Genésio Motumbo disse:

    Olá amiguinhos da PF.
    Eu estou chegaaaaandooooo!

  8. Gilberto disse:

    Por conta da politicagem do Judiciário o Brasil vai perdendo confiabilidade e respeito internacional. Ante esse quadro de parcialidade e engajamento em inegável golpe contra a democracia, quem confiaria em demandar contra atores do golpe sabendo que o Judiciário (STF) participou efetivamente ao se omitir.

  9. José Magno disse:

    Agora Ines é morta. Tratar inimigos politicos como republicanos foi de muita ingenuidade, muita infantilidade e demasiadamente democrática.Fico imaginando quantos anos perdemos no alcance de sermos um país igual, plural e socialmente justo.Talvez, minha geraçao não possa assistir.

    • Oliveira Nunes disse:

      Exato meu caro, foi no ponto.
      A ingenuidade e a incompetência do governo anterior foram demais. Foram dizimados por seu próprio cão de guarda, que criaram e alimentaram por uma década.
      O que o linistro atual fez nada mais é do que o normal.
      Anormal eram os frouxos do PT, os republicanos que deixaram a pêefe solta, e se lascaram, kkkkkk
      Tomara q o Cardozo seja preso! E a Dilma também.

  10. anonimous disse:

    Prezado jornalista,
    Gostaria de lhe dizer que boa parte do prazer da leitura de seus artigos era poder ler os otimos comentarios.
    Sua constante sensura esta afastando os leitores.
    Grato

  11. C.Poivre disse:

    A lava jato é o braço do Golpe-2016 que está encarregado do terrorismo político para fins eleitorais imediatos, de médio e de longo prazo.

  12. João de Paiva disse:

    Bela reportagem, como de costume.

    Como eu tenho escrito e dito há mais de um ano: a chamada operação “Lava a Jato” é na verdade uma Fraude Política a Jato, uma ORCRIM institucional, composta por policiais federais, procuradores do MP e juízes – em especial sérgio moro.

    Com a decisão do TRF4, que coonestou todas a ilegalidades e crimes cometidos por sérgio moro e outros integrantes da Fraude a Jato, temos a admissão e declaração formal – por meio de sentença de um tribunal federal de 2º grau – de que o Estado de Exceção vigora, como muito bem observou Jânio de Freitas na última crônica que publicou, em 25 de setembro de 2016.

    O jornalista que produziu esta reportagem, eu e outros leitores que fazemos duras críticas aos abusos, arbitrariedades e ilegalidades criminosas cometidos pelos que integram a Farsa a Jato, corremos o risco de ser perseguidos, censurados, processados e mesmo presos. A ditadura nazifascista policial-judicial impera no Brasil.

  13. Armando Coelho disse:

    FEDERAL GOLPISTA. Sob desculpas de autonomia, de ser republicana, os MJs da Dilma eram os últimos a saberem. Mas agora, a década corrupta PF faz proselitismo golpista. Como disse Heitor Cony, quando nao é omissa é corrupta. Agora, sabor golpista. Ahrrr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *