Psicotrópicos ou Cannabis?
19 de julho de 2015
O esperneio da defesa de Eduardo Cunha
21 de julho de 2015

Compartilho: “O fim da vergonhosa era Eduardo Cunha”

Marcelo Auler

Do Jornal GGN de Luis Nassif, trago dois trecho do artigo que ele assina com o título acima. Vale a leitura na fonte.

Reprodução do Jornal GGNA queda de Cunha era questão de tempo. Figuras como ele são eficientes para agir nas sombras, não na linha de frente. Ainda mais com a megalomania que sempre o acompanhou, acima de qualquer limite de prudência.

Em ambiente democrático, não há espaço para os superpoderosos. Tanto assim, que um dos truques históricos da mídia, quando quer marcar um inimigo, é superestimar seus poderes. O sujeito entra na marca de tiro, torna-se alvo não só de jornais como de outros poderes.

(…) Com o fim de Cunha, o PMDB volta às mãos de figuras moderadas e responsáveis, como o vice presidente Michel Temer, e de figuras polêmicas mas cautelosas, como Renan Calheiros, até que seja colhido pela Lava Jato. Pacifica-se, assim, uma das frentes que impedia a volta à normalidade política.

(…) Para retomar a normalidade, falta Dilma começar a governar.

Nos últimos dias, a Fazenda passou a desovar projetos mais consistentes, de simplificação tributária. Há boas iniciativas na Agricultura e no MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior). Ainda há o risco de um Banco Central descontrolado, praticando uma taxa de juros que poderá criar uma dinâmica insustentável na dívida pública. E Dilma, que ainda não pegou a batuta de maestrina para articular um plano de ação integrado do segundo governo.

Veja a íntegra do texto em: (http://jornalggn.com.br/noticia/o-fim-da-vergonhosa-era-eduardo-cunha):

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *