Impunidade faz jorrar sangue em MT
22 de abril de 2017
A parte que lhes coube no latifúndio
24 de abril de 2017

Arnaldo César (*)

No levantamento so dite Poder360, uma das provas da perseguição das Organizações Globo a Lula está no tempo destinado no Jornal Nacional a falar mal do ex-presidente

No levantamento so dite Poder360, uma das provas da perseguição das Organizações Globo a Lula está no tempo destinado no Jornal Nacional a falar mal do ex-presidente

Colocar Lula atrás das grades é uma obsessão não só do juiz Sérgio, mas também – e prioritariamente – das Organizações Globo. A delação fajuta do empreiteiro Leo Pinheiro, da OAS, vem ocupando espaços preciosos nos principais telejornais do conglomerado da família Marinho. Entre os dias 19 e 22, o PT e o ex-presidente mereceram quase três horas na programação global.

O massacre não se limitou aos meios eletrônicos, o jornal O Globo, na edição de sábado (dia 22), cravou em um editorial de meia página que “Lula é o chefe” de uma organização criminosa.

As tênues evidências apresentadas pelo delator Pinheiro foram apontadas como provas absolutas no jornalão dos Marinhos. São: o registro de que um carro do “Instituto Lula” teria se deslocado seis vezes, entre os anos de 2012 e 2014, ao Guarujá (cidade onde foi construído o tal tríplex) e a agenda pessoal do empreiteiro, na qual foram anotados encontros dele com o ex-presidente e seus familiares.

Qual a razão de tamanho massacre? Impedi-lo de voltar nos braços do povo em 2018? Talvez, essa não seja a única razão. Para entendermos o que está sendo jogado neste tabuleiro de delações e vazamentos é preciso dar um pouco mais de atenção ao movimento feito pelo ex-ministro Antônio Palocci no depoimento que prestou ao juiz Moro, no último dia 20.

O Globo Lula é o chefeSem pedir qualquer benefício da delação premiada, ele se prontificou em fazer novas revelações de como se processaram as contribuições de campanhas de outras empresas através do chamado “caixa 2”. Presume-se que ele estaria pretendendo falar como o sistema financeiro costuma se relacionar com os partidos políticos. Mas, não é só isso.

Palocci e muita gente boa que passou pelo Ministério da Fazenda e pelo BNDES sabem como os Marinhos conduziram negociações que os salvaram da bancarrota, no início dos anos 2000. Em 31 de marco de 2002 o balanço divulgado pelas Organizações Globo (Globopar) acusou uma dívida externa do grupo de 2,6 bilhões de dólares. Dos quais 2,2 bilhões em moedas estrangeiras.

O editor Mauricio Dias, numa reportagem publicada sobre a portentosa dívida dos Marinhos, na primeira semana de novembro de 2002, na revista “Carta Capital” – “Vênus Endividada” -, anotou um episódio hilário e enigmático ocorrido naquela época. O desavisado apresentador Fausto Silva no seu programa dominical deixou escapar que a crise na Globo era tamanha que “estamos usando papel higiênico dos dois lados”.

"Vênus Endividada" , de Maurício Dias republicada no Observatório de Imrensa

“Vênus Endividada” , de Maurício Dias republicada no Observatório de Imrensa

O Sistema Globo que sempre se posicionou fortemente contra qualquer tipo de moratória, chegou a suspender o pagamento das suas dívidas por 90 dias. O que gerou, na época, pressões fortíssimas por parte de seus credores nos Estados Unidos. As agências internacionais de classificação – como a Standard & Poor – reduziram a nota da Globo de “B” para “CC”. Ou seja, devedor de alto risco.

Para sair do buraco e se livrar dos tribunais norte-americanos onde foi impiedosamente processada por seus credores, a Globo contou com o ombro amigo do governo federal – e, em especial do BNDES – que lhe emprestou a juros de pai para filho mais de US$ 1,3 bilhão. Operações iniciadas no mandato de Fernando Henrique Cardoso e concluídas na era Lula.

No seu depoimento ao juiz Moro, Palocci deixou uma frase solta que os leigos não entenderam muito bem. “Às vezes, os governos são obrigados a ajudar empresas a se recuperarem”.

Será que o “Verdugo de Curitiba” estaria interessado em ouvir o que Palocci teria a revelar da maneira como a sua grande aliada – a Globo – conseguiu sair do atoleiro financeiro com préstimos públicos?

Neste texto, não estamos nem tratando do rumoroso caso de marotas operações contábeis praticadas, em 2009, pela Globo no qual um débito fiscal de mais R$ 2 bilhões se transfou em créditos de R$ 300 milhões. Uma confusão tão cabeluda que registra até o desaparecimento do processo na Receita Federal.

Impedir que um notório inimigo (já deixou de ser adversário) chegue ao poder em 2018, parece virou um caso de vida ou morte para a família Marinho. O popular “interesse nacional” que vá às favas!

A verdade é que a prática vergonhosa do “lawfare” (uso da Justiça com objetivos políticos) e a manipulação escandalosa da informação pela grande mídia não estão conseguindo, no Brasil, produzir os efeitos desejados. Lula, para desespero geral, tem crescido nas intenções de voto para a campanha presidencial de 2018.

O cidadão que revela que votará no ex-presidente no ano que vem também brada pela moralização do País.  Dá a impressão de ser um contrassenso.  Mas, não é. Para sorte de Lula, a formação da opinião pública no País – e no resto do mundo – já não segue os primados do século passado. Tanto os meios eletrônicos quanto os impressos vêm perdendo audiência, credibilidade e robustez financeira. A Internet se encarregou de tomar isto deles.

Os exaustivos 32 minutos diários de ataques ao Lula no “Jornal Nacional” ou os furibundos editoriais em “O Globo” têm conseguido repercussão entre aqueles que sempre foram contra o PT e tudo que se declare de esquerda.

Só ampliarão sua penetração quando passarem a fazer jornalismo de verdade. Alimentar-se sempre de vazamentos dados na boca pelos procuradores e pelo juiz Moro não é jornalismo. Chama-se: “correia de transmissão”.

Golpes de manchetes e editoriais raivosos não serão suficientes para transformar Lula em réu. Monocraticamente, o juiz Moro terá que prestar esse favor aos seus padrinhos do PSDB e da Globo. Nem que para isso também mande às favas a imparcialidade e a verdade.

P.S: Para quem quiser ter mais detalhes sobre as agruras globais na área financeira aqui vai o link da deliciosa matéria publicada, em 2002, por Mauricio Dias, na Carta Capital: “Vênus Endividada”

(*) Arnaldo César é jornalista e colaborador do Blog

7 Comentários

  1. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    Ninguém aguenta mais a canalhice da Groubo & Cia. Golpista.

  2. […] preciso dar mais de atenção aos ex-ministro Antônio Palocci    Do Marcelo Auler repórter   Obsessão Global em Lula   Arnaldo César (*)   Colocar Lula […]

  3. Vilson João Batista disse:

    Sim, Arnaldo César, muito bom seu TEXTO – educativo e esclarecedor, assim o Povo Brasileiro vai ficar mais esperto … que perigo, penso que a golpeglobo não vai gostar, OBA !!!

  4. Fred Marques disse:

    Marcelo

    Alguém precisar confrontar essa planilha com:

    a) valores delatados como repasse de caixa 2 e/ou propina

    e/ou

    b) citações de delatores

    Qualquer um

  5. Carmen disse:

    Marcelo recentemente uma dúvida instalou-se na minha mente. O autor da célebre frase de Rosa Weber no Mensalão (Não tenho provas mas a literatura assim me permite) referindo-se a condenação de José Dirceu, foi o assessor da Ministra, à época, Sérgio Moro (informação obtida nas leituras dos “Blogs Sujos”) . Se verdadeira essa informação, dessa forma ele participou ativamente em todo o processo de investigação de lavagem de dinheiro de todos os partidos políticos, culpabilizando uns, e protegendo outros, como também sabemos. Bom assim sendo, o que Moro andou fazendo de lá até a instalação da Lava a Jato? Como construiu sua carreira internacional? Como alcançou a máxima interlocução com os sistemas de informação dos USA? Como pôde, junto o MPF assinar convênios de cooperação internacional a revelia do Governo central? Como construiu o que chamamos hoje de “República do Paraná”? E por fim, como ele conseguiu avocar para sua responsabilidade, uma Jurisdição estadual, no Paraná, as investigações de tráfico de drogas iniciadas pela Polícia Federal num Posto de Gasolina, em Brasília, razão do nome Lava a Jato? Terá sido apenas mesmo, porque se tratava do mesmo doleiro, o conhecidíssimo, lá no Paraná Alberto Youssef? Às vezes fico assim pensando? Mas “da onde” e como surgiu mesmo esse Juiz?

  6. Reflexão disse:

    O Estado depois 50 anos voltou , institucionalizar tortura para obter provas. Pior , O MPF conduz o destrói pela mídia prende e só sai se delatar . Como que se delata, preso ? Sob condicao – coação -para sair da cadeia. Vale até ficar 2 anos preso . Vale delatar sem ser processado , pela promessa de não ser torturado ! E o pior lá vem , a Justiça , que não foi delatada (?) aceita isso tudo como se assistindo um cão vira lata lambendo o osso da carniça no meio fio da rua . O MPF tirou a PF – Política Federal – das delações . Porque a PF cometeu crimes para investigar ? Não , lógico que não isso não vem ao caso , foram só instrumento usado para o poder ilimitado – e quem quer limitar é contra a Lava Jato’ hein !!! , brandam – não contra o abuso de autoridade que está acontecendo , Tirou se a PF pq controlar delação hoje significa Poder . Significa conduzir como quer um processo forçando a delação conduzida para o lado que lhe convém , combina se o que quer de resultado , depois ligam se as câmeras e o roteiro parece espontâneo . Mais ou menos é um “Lei é para Todos” sem a Globo ( nessa parte só) . Quem delatará o que passou na mão desses funcionários que eram para ser públicos ? Ah primeiro minha pulseira de perna … ou melhor tornozeleira eletrônica , sóisso que vale agora, entrego ou invento ? Não vem ao caso, pode amarrar isso na minha canela , por favor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *