Boulos: defesa de Lula candidato é desafio à esquerda
12 de Janeiro de 2018
Lula: prova cabal de uma condenação sem prova
16 de Janeiro de 2018

Charge de Aroeira, publçicada na Tribuna da Imprensa Sindical em A GLOBO ESTÁ CARENTE DE ANALISTAS; TEMER ESTÁ BALANÇANDO E TEME

Arnaldo César (*)

Charge de Aroeira, publicada na Tribuna da Imprensa Sindical

É admirável como alguns segmentos da sociedade brasileira são tão passivos diante de tanta empulhação.

Até a semana passada, o discurso do governo golpista e da sua grande aliada, as Organizações Globo, era que a reforma da previdência é essencial por se tratar de “uma exigência do mercado”.

Sem elas as contas públicas não se equilibram. Os empresários deixarão de investir no País e mergulharemos no mundo das trevas.

Apesar de tamanha dramaticidade, a camarilha de Temer e a mídia a soldo não tinham conseguido, até então, convencer os 308 deputados necessários para aprovar a “indispensável” reforma.

Por mais obediência que prestem a Temer, os parlamentares da base aliada sabem que as mudanças que pretendem fazer no sistema de aposentadorias são um tremendo “fio desencapado”.

Na quinta-feira passada (11/01), a agência norte-americana de classificação de risco Standard & Poor’s – S&P – rebaixou a nota do Brasil.

A demora em aprovar a reforma da previdência e conter os gastos públicos, de acordo com essa instituição, transformou o Brasil num local perigoso para se investir. Deixamos de ser um “bom pagador”.

Especialmente, para as “velhinhas do Kentucky”.

A expressão faz parte do jargão dos economistas. Refere-se a um grupo de professorinhas aposentadas daquele estado americano que, na virada do século, adquiriram o hábito de aplicar suas poupanças em títulos do governo ou em ações de empresas brasileiras.

Para quem já se esqueceu, a Standard & Poor’s não foi capaz, por exemplo, de prever, em 2008, o estágio de especulação predatória que tomou conta do sistema financeiro e do mercado imobiliário dos Estados Unidos.

A maior crise financeira deste século, por pouco, não varreu os bancos e algumas empresas americanas do mapa. Não fosse um aporte de quase 4 trilhões de dólares do Tesouro dos Estados Unidos tudo teria se transformado em pó lá por aquelas bandas.

O cochilo da “implacável” Standard & Poor’s foi tão vexaminoso que nem as “velhinhas do Kentucky” acreditam mais nela.

Rodrigo Mais (esq.) e Henrique Meirelles: Troca de farpas (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

É bem provável que nem o vassalo Meirelles acredite nessa lorota.

Mas, ele e a camarilha do Planalto não se furtaram em usar o tal rebaixamento para pressionar a sociedade brasileira e os parlamentares no sentido de aprovarem a reforma de qualquer jeito, no próximo dia 19 de fevereiro. Mais um embuste contra os que precisam do governo para sobreviver na velhice.

Desde quando reformas dos sistemas previdenciários são feitos para atender o clamor dos mercados ou de agências de risco?

Nações que se prezam fazem isso, em primeiro lugar, para garantir a qualidade de vida de seus cidadãos e, depois, para ajustarem suas economias.

O rebaixamento do Brasil pela S&P já era esperado pelo Banco Central, por todo o sistema financeiro e pela Bolsa de Valores. Para quem é do ramo não houve surpresa alguma.

Só que o ministro Meirelles e o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ) – ambos candidatíssimos a Presidência da República, em outubro vindouro – resolveram vir a público para trocar farpas.

O ministro acusa o deputado pelas vacilações na aprovação reforma previdenciária na Câmara.

Maia retruca dizendo que quem tem vacilado na matéria é governo. Até agora não conseguiu o número necessário de votos na Casa para aprovar as mudanças.

Devedores do INSS: Por que não se fala das dívidas de grandes empresas à Previdência, entre as quais grandes bancos como Bradesco e Itau?

Enquanto esse teatrinho de horrores se desenvolve nas páginas dos jornais e nas telas dos telejornais, ninguém tem ânimo para tocar numa questão que incomoda profundamente o “mercado” e as Agências internacionais de “rating”: o tamanho da dívida das empresas com o INSS.

Pois bem, em 2016, os bancos e as empresas deviam ao instituto R$ 426 bilhões. Ou seja, três vezes o valor do apregoado rombo da previdência.

No rol dos grandes devedores/sonegadores encontram-se instituições veneráveis como: o Banco Itaú e o Bradesco.

Acontece que ferrar os aposentados é muito mais fácil do que obrigar os patrões de Meirelles meterem a mão no bolso para pagarem o que devem á previdência.

Haja empulhação!

(*) Arnaldo César é jornalista e colaborador do Blog.

 

 

A caminho de POA – Como ocorreu em Curitiba nos meses de maio e setembro, o Blog estará em Porto Alegre, com os jornalistas Arnaldo César Ricci e Marcelo Auler, a partir do dia 21 de janeiro. Para isso, contamos com a colaboração dos nossos leitores e apoiadores, com contribuições em qualquer valor, que ajudem no nosso deslocamento e nas despesas de viagem. Confira no quadro ao lado como fazer o depósito que ajudará nesses gastos. Aos que já contribuem, renovamos nossos agradecimentos.

7 Comentários

  1. Evair da Costa Nunes disse:

    Marcelo Auler mencionou alguns bancos apenas que devem à Previdência, se citasse todos os grandes clubes de futebol que tiveram inúmeras vezes suas dívidas perdoadas e/ou parceladas seri necessário outro blog, tão somente para listar todos os devedores, sem contar os planos de saúde, que não ressarssem o sistema previdenciário quando seus segurados são atendidos pel SUS!!!!!

  2. Mario Sergio De Marchi disse:

    Arnaldo, sua visão “sbagliato” serve só para discurso aos leitores das “burras” cartilhas gramscianas. É isso que a esquerda carnavalesca, aproveitando a efeméride, quer ouvir. Enquanto isso um bando de analfabetos econômicos fica repetindo a mesma ladainha para os que querem ouvi-la numa eterna masturbação coletiva. Os poucos que sabem fazer “conta de mais e menos” propositalmente ignoram a realidade para poder participar da orgia psicológica. Você sabe que a qualidade de vida dos cidadãos só vem depois de ajustadas as economias. Vai continuar repetindo pelo prazer de participar da festa feito uma bailarina de cordax depois dos jantares romanos.

  3. Grande Arnaldo, comentário que não vemos nem na tv e muito menos na imprensa escrita pois o ódio ao ex Presidente Lula é grande demais.Principalmente aqui no sul,em especial na sua terra natal Ponta Grossa. bom

    • Evair da Costa Nunes disse:

      Mario Sergio De Marchi, é óbvio o seu desconhecimento da Constituição quanto aos artigos que garantiriam os recursos da seguridade social, inclusive, pelo único imposto previsto nela até hoje não criado, pois nosso Congresso a quem caberia tal aprovação é apenas um antro de representantes da elite que deveria arcar com maiores impostos sobre a renda e sobre as grandes fortunas, inclusive sobre as nababescas heranças que os netos e filhos da elite mais vil, mesquinha e maior concentradora de renda e riqueza do planeta recebem de seus ascendentes!!!!!

  4. Wagner Pinheiro disse:

    Mas como essas informações são bloqueadas pelo Pig…o povão não sabe de nada…

    • Evair da Costa Nunes disse:

      Wagner Pinheiro cabe a nós compartilharmos com quantos contatos tivermos seja lá em qual rede social é o que eu faço todos os dias sempre que tenho disponibilidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *