Um estorvo chamado Cunha
2 de julho de 2016
Na defesa da biografia do marido, mulher de Paulo Freire reclama a Michel Temer
4 de julho de 2016

Delegado esconde suas manobras judiciais e pede volta da censura ao blog

Mauricio Moscardi: acusações sem confirmação, conforme declarou o juiz

 Marcelo Auler

Para o delegado Moscardi o repúdio à censura que ele propôs ao blog é uma questão de "corporativismo".  Foto reprodução do Youtube

Para o delegado Moscardi o repúdio à censura que ele propôs ao blog é uma questão de “corporativismo”.
Foto reprodução do Youtube

Ao recorrer ao 12° Juizado Especial Cível de Curitiba pedindo a revisão da decisão que extinguiu o seu processo de danos morais contra o editor deste blog, o delegado federal Maurício Moscardi Grillo solicitou o restabelecimento da censura e acusou o jornalista de promover um “escárnio”. Em outra petição dirigida à Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Paraná, classificou de “corporativismo” o repúdio manifestado à censura:

“Em razão dessa decisão o réu disseminou no meio jornalístico estar sofrendo censura, e pelo corporativismo, trouxe à decisão liminar e ao juízo a quo imensa atenção e exposição, seguidas das mais duras críticas por aqueles que desconheciam por completo o conteúdo dos autos“, disse por meio de sua advogada Márcia Eveline Mialik Marena.

Ou seja, as notas emitidas pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, o artigo de Élio Gaspari, o editorial Operação Censura, da Folha de S. Paulo, noticiado em sites como o Brasil247, as denúncias veiculadas pelo CPJ – Committee to Protect Journalists  (Comitê para a Proteção dos Jornalistas),  pelo site Journalism in the Americas, publicado pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas da Universidade do Texas e reproduzido no Tijolaçoalém de reportagens e artigos que destacaram ser a censura inconstitucional, como o texto Sylvia Debossan Moretzsohn da Faculdade de Jornalismo da Universidade Federal Fluminense (UFF) e a reportagem publicada na Rede Brasil Atual, na visão de Moscardi são frutos de um “espírito de corpo ou de grupo”.

Mera demonstração de que, apesar de bacharel em Direito, não entende realmente o que seja Estado de Direito Democrático e tampouco parece conhecer o sentido da Constituição de 1988. Tanto que, diante da repercussão negativa que a censura provocou, o delegado e sua advogada disseram em uma das petições que tudo se trata de alardes mendazes (mentirosos).

“O Judiciário não deve temer alardes, principalmente quando mendazes. Alardes passam na mesma velocidade em que vêm, já a justiça, esta é para toda a eternidade”.

Eles desconhecem, por exemplo, o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) que, através de decisões como a da ministra Rosa Weber, proferida em junho de 2014 na Reclamação 16.434, é claro e enfático:

Sem dúvida, a Constituição da República confere especial proteção, na condição de direitos fundamentais da personalidade, à honra e à imagem das pessoas, assegurando o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação (art. 5º, X). 

Quando em questão, todavia, o exercício de função de interesse público, e não a vida privada ou a intimidade, a ponderação do interesse público na manifestação do pensamento conduz a um elevado grau de tolerância no tocante aos requerimentos de proteção do interesse individual.

Conforme já enfatizado, quando se trata de ocupante de um cargo público, investido de autoridade, e que está, no desempenho das suas funções, sujeito ao escrutínio da imprensa e do público em geral, mostram-se vultosamente mais largos os limites da crítica aceitável“.

Decisões judiciais como as que atenderam aos pedidos de Moscardi e de sua advogada é que fazem o Brasil situar-se na 104ª posição no ranking mundial de liberdade de imprensa, de acordo com a organização Repórteres sem Fronteiras.

Além de desconhecerem princípios constitucionais que, notadamente, como delegado de Polícia Federal deveria respeitar, ele e sua advogada escondem, nos seus pedidos, a estratégia que adotaram para retirar do blog reportagens que os desagradaram. Elas citam irregularidades até hoje não explicadas por ele, ou mesmo Departamento de Polícia Federal (DPF), tampouco pelo Ministério Público Federal (fiscal da lei) ou pelo juiz Sérgio Moro.

Ambos não relataram à magistrada do 12° Juizado Especial nem à Turma Recursal que para obterem a censura – considerada inconstitucional pelo STF -, ajuizaram três ações distintas, duas delas simultâneas, o que pode ser considerado como litigância de má fé.

censura-marceloComo se recorda, por se considerarem ofendidos pelas reportagens do blog,  Moscardi e a delegada Érika Mialik Marena ingressaram com ações pedindo indenização por Danos Morais – direito de  qualquer cidadão – e censura ao blog.

No 8º Juizado Especial de Curitiba, Erika obteve do juiz Nei Roberto de Barros Guimarães liminar determinando a retirada de duas reportagens do blog – Novo ministro Eugênio Aragão brigou contra e foi vítima dos vazamentos (16/03) e Carta aberta ao ministro Eugênio Aragão (22/03).

Esta censura permanece até hoje, completando neste domingo (03/07) 54 dias. Já o delegado Igor Romário de Paulo ingressou com ação contra o jornalista Luís Nassif, mas não obteve a liminar censurando o Jornal GGN como queria – Ao tentar censurar Nassif, delegado confessa viés político da Lava Jato.

Erro na documentação – O atual recurso de Moscardi tanto no 12° Juizado Especial como na Turma Recursal é por conta da extinção de uma ação decretada pela juíza Vanessa Bassoni, como noticiamos em Cai parte da censura ao blog: DPF Moscardi erra e juíza extingue processo.

Depois de conceder a liminar, inclusive com uma censura prévia, pela qual determinava ao blog se abster de “divulgar novas matérias com conteúdo capaz de ser interpretado como ofensivo ao reclamante, sob pena de adoção das medidas coercitivas pertinentes”, a juíza descobriu um erro na inicial apresentada pela advogada Márcia Eveline, irmã da delegada Érika, e extinguiu o processo. O erro, no fundo, foi fruto da estratégia que ela e o cliente adotaram para obterem os resultados almejados.

Mesmo residindo na jurisdição do Juizado Especial do bairro Santa Felicidade, em Curitiba, a primeira ação ajuizada pelo delegado e sua advogada foi em 13 de abril, às 21h08min, no 11° Juizado Cível no centro da capital paranaense. Nela, consta o endereço do condomínio onde ele reside, sem especificar que ele fica no bairro de Santa Felicidade.

Menos de 24 horas depois, em 14 de abril, recorreu ao Juizado Especial Cível de Santa Felicidade com a segunda ação de indenização por danos morais contra o mesmo jornalista. Ela é uma copia perfeita da ação impetrada na véspera. Portanto, também apresentou o endereço do condomínio onde reside, sem especificar que ele fica no bairro de Santa Felicidade.

BLOG CENSURADO2Como afirmamos em Para censurar o blog, o delegado Moscardi usou de má fé na Justiça do Paraná, curiosamente, ambas ações foram colocadas sobre segredo de Justiça, atendendo ao pedido de Moscardi. Na de n° 0001803-71.2016.8.16.0184, do Juizado Especial Cível de Santa Felicidade, a juíza Adriana de Lourdes Simette decretou grau máximo de segredo impedindo até os servidores da secretaria do Juizado de acessarem os documentos anexados à inicial pelo delegado.

 Perde em um, entra com outro – A ação proposta no 12° Juiz Especial de Curitiba – nº 0016778-07.2016.8.16.0182  – foi o terceiro movimento do delegado com o objetivo de cobrar indenização por danos morais ao jornalista e tentar impedir que as matérias permanecessem no blog.

Coincidência ou não, ela foi apresentada no mesmo dia 3 de maio em que a juíza Adriana de Lourdes, do fórum de Santa Felicidade, indeferiu o pedido de liminar censurando o blog. Ou seja, no bairro de Santa Felicidade, a ação foi acatada, mas o pedido de censura rejeitado. A juíza alegou a inconstitucionalidade do mesmo que o bacharel Moscardi parece desconhecer:

(…) o pedido liminar para que o réu se abstenha de publicar novas matérias sobre o autor, no presente momento, não há como prosperar, sob pena de violação ao direito da livre manifestação de pensamento e violação ao art. 5º, inciso IX, da Constituição Federal“.

Dois dias depois, Moscardi e sua advogada desistiram dessa ação. Já no 11º juizado Cível, em 27 de abril, a juíza Flavia da Costa Viana extinguiu a ação nº 0014289-94.2016.8.16.0182, por incompetência territorial. Ela deixou claro que a competência para aquele processo era do fórum do domicílio da parte autora, no caso, o Juizado Especial do bairro de Santa Felicidade, local da residência do delegado. Mal sabia ela que uma segunda ação já tramitava naquele fórum, em segredo de Justiça, desde o dia 14 de abril.

Juiza Vanessa Bassani extingue a ação de Moscardi por  apresentar dois endereços. (Reprodução editada)

Juíza Vanessa Bassani extingue a ação de Moscardi por apresentar dois endereços. (Reprodução editada)

Mudança de domicílio – Foi na sua terceira ação, a do 12º Juizado Cível, que Moscardi apresentou pela primeira vez como seu local de domicílio o endereço da Superintendência da Polícia Federal, no bairro Santa Cândida, em Curitiba.

Isto pode ser interpretado como uma forma de fazer a juíza aceitar o processo, embora resida em outro bairro. E foi o que aconteceu: a juíza Bassoni acolheu o pedido e concedeu a liminar censurando o blog.

Mas ela, dias depois, verificou que embora o domicílio citado fosse o da superintendência do DPF, a prova de residência apresentada era a conta de luz da casa no condomínio do bairro de Santa Felicidade. Com isso, decidiu pela extinção da ação por incompetência territorial, como fez o 11º Juizado Especial Cível.

No pedido apresentado à Turma Recursal, Moscardi relacionou esta decisão com a repercussão que a censura provocou a partir da liminar que determinou a suspensão das notícias:

“Em razão dessa decisão, o réu disseminou no meio jornalístico estar sofrendo censura, e pelo corporativismo, trouxe à decisão liminar e ao juízo a quo imensa atenção e exposição, seguidas das mais duras críticas por aqueles que desconheciam por completo o conteúdo dos autos. Subsequentemente, a d. Juíza extinguiu o processo por incompetência territorial, ignorando o endereço informado na inicial e atribuindo ao Autor, em estágio já avançado da demanda, domicílio diverso do que de fato tem”.

A tese por ele defendida é que o Código Civil dá ao funcionário público o local de trabalho como sendo seu domicílio. Mas, curiosamente, ele só usou tal endereço na terceira ação interposta. No pedido de revisão da extinção do feito à juíza Bassoni, considerou que ela ao extingui-lo teria reconhecido de “forma equivocada a incompetência territorial desse juízo, por considerar o endereço residencial do Autor para determinação de seu domicílio, ignorando previsão legal expressa que determina de forma diversa”. E acrescentou:

A fim de que se restabeleça a ordem processual, e levando em conta todo o escárnio promovido pelo Réu diante da decisão, reiteramos o pedido de determinação do segredo de justiça, além dos motivos já expostos deve-se considerar que ação foi proposta visando preservar direitos personalíssimos do Autor, e não agravá-los, sendo que essas atitudes em nada se prestam ao deslinde do feito”.

No pedido ao Tribunal Recursal, ele acusou o jornalista de ter cometido crimes, sem especificá-los:

“Houve um pedido liminar para suprimir a veiculação dos artigos do site do Réu, uma vez que incorriam em praticas criminosas e não na liberdade de expressão, razão pela qual o pedido foi concedido”.

Novo revés – A recusa da juíza Bassoni em rever a decisão que extinguiu o processo não foi o único revés que o delegado Moscardi sofreu. Ao descobrir que ele ingressou antes com ação no 11º Juizado Especial, ela considerou-o o juízo natural do caso e decidiu enviar para lá o processo.

No próximo dia 7 a Turma Recursal analisará o pedido de Moscardi assim como o apresentado pela defesa do blog, através dos advogados Rogério Bueno da Silva, Tarso Cabral Violin e Thaisa Wosniack, do escritório Rogério Bueno, Advogados Associados. Para melhor situar os juízes, os advogados detalharão em um memorial o andamento das ações de Moscardi, mostrando que ele ingressou com três ações com o mesmo objeto, o que não é algo normal.

Já no 8° Juizado Especial, onde o editor deste blog tinha sido dado como revel, no próximo dia 27 será realizada a audiência de conciliação na qual a nossa defesa requererá a revisão da decisão que que há 54 dias impede a divulgação de duas matérias.

As oito matérias censuradas pelo 12º Juizdo Especial de Curitiba já estão disponíveis:

Lava Jato, cai o delegado das mordomias do Paraná  (08/04);

Policia Federal sem verba para a Luz, mas com mordomias (11/02);

Lava Jato: Moro reacendeu as suspeitas do grampo ilegal na PF (23/01)

Investigações da Lava Jato: dois pesos e duas medidas (30/12)

Lava Jato: surge nova denúncia de irregularidade (06/12)

Lava Jato: DPF delega investigação do vazamento (02/12)

Grampo da Lava Jato: aproxima-se a hora da verdade (21/11)

Lava Jato: surgem mais grampos na PF-PR. “Grampolândia”? (04/11)

 

Pedido de desculpas aos leitores: Me baseando no Google imagens coloquei na matéria uma foto que não era do delegado Moscardi. Já consertei o erro e peço desculpas a todos pelo engano.

43 Comentários

  1. N.M. disse:

    Marcelo, vale a pena colocar na íntegra esse texto do link que o leitor colocou acima no seu blog, é simplesmente o resumo de tudo que está acontecendo de errado ! Excelente!

  2. Sereno disse:

    Belo texto de Mauro Santayana. Fez uma análise resumida mas profunda. Aos que leram não poderão alegar que não sabiam que a segurança nacional estava correndo serios riscos. O Brasil agonizará caso a mídia continue mantendo o domínio sobre essa massa de “zumbis”. Como dói para um patriota este estado de coisas.

  3. Nero disse:

    Uma.pergunta. Será quem que tacou fogo no escritório da contadora depois de saber q ela tinha guardado la um catatal de páginas de whatsup, e-mails e áudios de reuniões que ela gravou enquanto brincava com “os meninos” de puliça ?

    Não duvido mais de nada hein.

  4. Jose Carlos B. disse:

    Quanta canalhice!
    Esse Prado e delegado Marcio sao uns fdp. Combinando busca e apreensao. Parece a Suzane Richtofen combinando a morte dos pais com o namorado. Nojento!
    Essa Lava Jato tem que ser totalmente anulada para aprenderem que lugar de bandido é na cadeia e nao numa delegacia de policia.
    Que cambada de fdp! E todos impunes até agora e gente inocente sendo perseguida por quem protege essa quadrilha.

    • Movimento vem pra Rua disse:

      Esses delegados Aecistas parece que levaram bem ao pé da letra esse Movimento ai o “Vem pra RUAAAAAAAAA”…. KKKKKKKKK

  5. Resposta disse:

    Busca e apreensão Combinada. (Livro Assassinato de Relutações 2)

    “A busca e apreensão havia sido combinada pra iniciar as 7 horas da manhã. Não foi exatamente assim. Num horário próximo das 7, Meire recebe uma mensagem de Prado perguntando se o café estava pronto” (pag. 113)

    “No decorrer da busca, umas das testemunhas fez uma observação “Nossa, que moça calma” e nesse momento Prado chama Meire e Otavio em uma sala e pedem para que “disfarcem”. Diz q estão dando muita bandeira” pois durante o procedimento de busca, em
    Dois momentos, Otavio abraçou Meire, num
    Outro momento encosta a cabeça dela no próprio peito, numa
    Atitude de grande intimidade, mas a partir daquele momento começaram a se comportar de moso diferente. (Pag 114).

  6. Loro josé da ilha gourmet disse:

    O organograma já foi esclarecido pela direção da PF: É uma relação de amizades e trabalho no Paraná. Francischini nem reclamou.
    Gostaria de aproveitar e sugerir uma mobilização pública para os delegados Mauat e Flores continuarem na Força Tarefa da LJ para o terceiro ano seguido ganhando diárias. Seria um novo recorde de diárias na PF.

  7. João de Paiva disse:

    A má-fé nessa litigância dos delegados da FT da Lava a Jato, contra o jornalista Marcelo Auler, é mais do que evidente. Tendo cometido várias ilegalidades criminosas, denunciadas e provadas pelas reportagens publicadas no blog, esses DPFs querem se vingar, movendo ações judiciais pedindo indenização por danos morais.

    É por isso que tenho afirmado: a FT da Lava a Jato, composta por policiais federais, procuradores do MP e juízes, como sérgio moro, com auxílio luxuoso do STF e do PIG são uma ORCRIM, a quadrilha mais perigosa em atividade no Brasil. Ao cidadão comum, e mesmo a um jornalista profissional e experiente, é muito mais difícil lutar contra uma quadrilha institucional como a que citei, composta por funcionários públicos com altos salários, cheios de mamatas, estabilidade e vitaliciedade nos cargos.

    • Ana Maria Braga da cozinha gourmet disse:

      Amigo, tem gente da própria PF denunciando isso tudo é sendo perseguida. A PF é seria. Esses ai sao quadrilheiros msm escondidos atrás de um cargo. Mas fique tranquilo. A normalidade vai retornar no amor ou na dor.

      • João de Paiva disse:

        Ana,

        Observe que NUNCA afirmei algo como “Toda a PF é uma ORCRIM” ou “Todo PF é criminoso”, pois essas afirmações são falsas, e mesmo caluniosas com aqueles que trabalham de forma séria, legal, honesta e ética nessa instituição. O mesmo se diga em relação ao MP e ao PJ. Mas que existe uma perigosíssima ORCRIM composta por integrantes dessas instituições, ah, isso é fato. E a maioria dos que comentam aqui já chegaram a essa conclusão. As reportagens de Marcelo Auler não deixam quanto ao caráter de ORCRIM que a FT da Lava a Jato na SR/DPF/PR, juntamente com aqueles procuradores do MPF (dentre eles Carlos Lima e Deltam Dallagnol) e do juiz sérgio moro, que já cometeu vários crimes, conforme já mostrado por renomados juristas. Ao ser coniventes com práticas ilícitas de policiais federais e procuradores do MP, e agirem de forma político-partidária evidente, tanto o PGR como os ministros do STF também se mostram ‘simpáticos’ ou ‘aliados’ dessa ORCRIM. Nem preciso citar o papel de todas essas instituições na aplicação do golpe de Estado e contra os interesses nacionais, como provam os documentos publicados no wikileaks e o fornecimento de informações pelo MPF, ao Dep. Estado dos EUA, para que a Petrobrás fosse processada naquele país.

  8. Resposta disse:

    Leiam essa matéria dai explica o tal organograma http://www.marceloauler.com.br/lava-jato-o-polemico-organograma/

    • Marquinho Chulapa disse:

      O imbecil tirou toda essa merda de lixo que tem no tal organograma, de dentro da cabeça? Sozinho?
      Não teve nenhuma juda da Janete Cler? Do Quentin Tarantino? Woody Allen?
      Esse cara é criativo hein!
      Pena que o roteirozinho que ele criou, deu ruim hihihihihihiihih

  9. Amigo do Tira disse:

    Ele tb tá no teu organograma ne?! Vai dar ruim, hein.

  10. Amigo do Tira disse:

    Aí Igor quer dizer que o GNAZZO frequentava a cela da Nelma vestido de terno ? Ela disse isso na tua frente e vc nao falou pro Fantom que era impossivel pq o cara estava so 3 anos fora da PF e de licença e ainda por cima ele so era lotado… no seu gabinete !!! E ainda vc faz delacao com essa presa “louca”? Esquisito ne? Sera que foi ela mesmo que falou isso assim da cabeça dela? Foi vc também que mandou socar sem pe nem cabeca um ipl antigo que já tava RELATADO de um traficante contra o gise e fingir pro Fanton que era contra o GNAZZO pra dizer que ele era bandido? no 737? Foi Vc tb que mandou colocar a esposa do Gnazzo como ficha de alvo nessa sacanagem ai do 737 ? E vc que disse que ele procurou advogados pra vender dossie? Foi vc também? ihhh, Acho que ele nao ta muito satisfeito nao viu…

    Rapaz eu conheço bem ele.Conselho, se ve-lo, na rua …. atravessa correndo !!!

  11. Boi Malhado disse:

    É só manter contato com a senadora ou com Paulo Bernardo e mostrar que o arrombado que cumpriu busca na casa dela em Curitiba é o mesmo que protagonizou buscas falsas no livro da Meire Poza, que daí a senadora pede no STF a nulidade da busca.

  12. N.M. disse:

    Meu Deus. Chocada. Cadê isso tudo no Jornal Nacional?

  13. Boi Malhado disse:

    Pior de tudo é colocarem Márcio Anselmo para cumprir busca na casa de Paulo Bernardo e Gleise Hofman semana passada.
    Será que esse pessoal é louco?
    Ele foi lá esquentar mais uns documentos ou foi plantar provas.
    Depois do livro da Meire, esse vagabundo deveria ser preso sumariamente.

  14. Deputado Investigado disse:

    Pera ai??? O doto marcio n falou na cara dura e EM JUIZO q o nickname que estava no Blackberry do Youssef (L.A) ele ñ sabia de quem era???? só dar uma lida na pag. 102 p comprovar que o dotô mentiu mais uma vez!!!! Pois ele perguntou p Meire quem era LA e ela respondeu, é o Luiz Argolo!!! Mas se o alvo é deputado federal com prerrogativa de foro ele poderia ser investigado pelo mc marcinho??

  15. DUVIDA Q A PF PODE RESPONDER disse:

    Maecelo, pesquisando na internet cheguei ao site da proponente advogada censuradora que lhe processa , a irmã da “favorita da PF” : DELEGADA ERIKA, da Lava Jato.

    O site , http://www.m2jur.com/attorneys-1.html, diz pomposamente que a “novata” advogada, explana ao quatro ventos, contextualmente o seguinte :

    A M2 Assessoria e Consultoria Jurídica tem como sócia fundadora a advogada Márcia Eveline Mialik Marena

    FORMAÇÃO: * Graduação em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná; *Especialização em Direito Civil Empresarial pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná; Curso de Formação Certificação e Aplicabilidade da Convenção das Nações Unidas sobre a Compra e Venda Internacional de Mercadorias (CISG);

    ATUAÇÃO: Advogada atuante e aplicada nas Áreas Cível e Empresarial, nos âmbitos consultivo e contencioso, especificamente nas áreas de Direito Societário, Direito Contratual, Direito Internacional Privado, Direito Administrativo com ênfase em regulatório e Responsabilidade Civil .

    “Possui extensa experiência no segmento industrial, principalmente na área de infraestrutura energética através de empresas multinacionais.” – grifo nosso !

    Eu acho que está meio esquisito isso, ne ? a irmã fudendo a Petrobras e o projeto nuclear brasileiro e ela trabalhando “na área de infraestrutura energética através de empresas multinacionais.” ( ???????????????????????????????????????????????????????)

    E AÍ, PODE ISSO, ARNALDO ?!? que coinscidencia hein ? kkkkkkk, me chama de imbecil, vai…

    • artigo disse:

      Contextualizando :

      O governo interino de Michel Temer está determinado a agilizar a aprovação, pela Câmara dos Deputados, da flexibilização do marco regulatório para a exploração do pré-sal, negociada entre o governo Dilma e o senador José Serra.

      Mas, o que talvez no entendimento do governo Dilma devesse ser somente um ajuste sem alteração da essência da política, na lógica do governo interino representará o início de uma mudança de concepção, na qual estão envolvidas a diminuição do protagonismo da Petrobras e revisão drástica da política de conteúdo local.

      Em outras palavras, abertura para interesses privados e, sobretudo, internacionais, que não necessariamente estão em sintonia com uma política que visa colocar as riquezas do pré-sal a serviço do desenvolvimento do país.

      Desde 2010, a Agência Internacional de Energia (AIE) e o Ministério de Energia dos EUA começaram a destacar o Brasil como potencial grande produtor e detentor das maiores reservas descobertas desde a década de 1980.

      Houve uma ofensiva explícita no início do governo Dilma de abrir a exploração para os interesses americanos, com visitas de altas autoridades à Petrobras, entre as quais a própria Hilary Clinton e Daniel Poneman, na época vice-ministro de Energia.

      Ao mesmo tempo, o secretário de Comércio Internacional da época, Francisco Sanchez, criticou publicamente a política de conteúdo local, com o argumento de que isso implicaria restringir o acesso às melhores tecnologias disponíveis.

      Mas este interesse no pré-sal não se limitou a canais de comunicação legais. O Brasil tomou, em 2012, conhecimento de que não só a presidente Dilma, mas também, ou talvez sobretudo, a Petrobras tinham sido alvos de espionagem por parte de agências norte-americanas.

      Ao mesmo tempo, a Shell, que depois da compra da BG se tornou no Brasil a maior produtora de petróleo e gás, depois da Petrobras, começou uma retirada de projetos no Ártico e na Alaska, entre outros, diante da queda acentuada dos preços, mas enfatizou publicamente que o pré-sal é prioridade.

      De outro lado, de forma sistemática, tenta-se convencer a opinião pública brasileira de que o pré-sal não seria aquela riqueza espetacular que o Lula tinha sugerido, e que há muitas incertezas que não justificariam ter repensado uma estratégia para a sua exploração, dando ao Estado brasileiro, por meio da Petrobras e da nova estatal Pré-Sal Petróleo AS (PPSA), o controle sobre essas riquezas.

      Teria havido o que vem sendo chamado de “triunfalismo do petróleo”, um tipo de delírio do Lula, que, além do mais, iria na contramão da história. Afinal, o mundo estaria saindo do petróleo diante da preocupação com a mudança climática, e isso se confirmaria com o novo patamar baixo dos preços de petróleo.

      O roubo da Petrobras foi e está sendo utilizado para gerar mais confusão. Não há nenhuma relação direta entre o novo marco regulatório para a exploração e produção do pré-sal sancionando pelo Lula no final de dezembro de 2010 somado à política industrial e tecnológica que se tentou montar em torno desta oportunidade e o esquema de corrupção.

      O debate sobre o controle da exploração e produção de petróleo e gás é antigo e muitos argumentos se repetem: na década de 1950, argumentou-se que não haveria reservas suficientes para justificar a montagem da estatal Petrobras.

      E mesmo se houvesse riqueza no subsolo, o Brasil não teria tecnologia ou capacidade financeira para explorá-la. Argumentos que se repetiram na década de 1990 para justificar o fim do monopólio da Petrobras e a introdução da um marco regulatório de concessão simpático aos interesses das multinacionais.

      Mas a realidade é outra. Embora o fato não tenha ocupado as manchetes de jornais, como seria esperado, o Brasil, já no final de 2014, conseguiu ultrapassar a barreira de produção de três milhões de barris de óleo equivalente (petróleo e gás) por dia.

      E hoje a produção do pré-sal sozinha supera um milhão de barris por dia, menos de 10 anos depois do início da produção e com somente 52 poços. Lembrando que o Brasil precisou de 45 anos para superar, em 1998, a marca de um milhão de barris por dia e colocar cerca de oito mil poços em produção.

      Isso mostra duas coisas: a viabilidade técnica e econômica do pré-sal. E também a capacidade tecnológica endógena desenvolvida ao longo de décadas pela Petrobras.

      De fato, a exploração de petróleo e gás em alto-mar (a mais de 200 quilômetros da costa, sete mil metros abaixo do espelho do mar), é uma atividade intensiva em tecnologia, uma das poucas áreas nas quais o Brasil está entre os líderes globais.

      Sem dúvida o mundo precisa e está em uma transição rumo a uma matriz energética de baixo carbono, mas esse é um processo de longo prazo. Aliás, o mesmo governo que apostou no pré-sal também mais que triplicou a capacidade eólica, entre outras políticas para manter a matriz energética brasileira mais limpa.

      O mundo está nesse período passando também de sete para nove bilhões de habitantes, de modo que a queda da participação de petróleo (em porcentagem do total de consumo de energia) se dá junto com um ligeiro aumento do consumo em termos de barris.

      E isso no contexto de uma queda natural da produção de poços existentes.Logo, as premissas para desmontar a aposta na contribuição que o pré-sal poderia dar para o desenvolvimento do Brasil estão erradas, ou melhor, a serviço de outros interesses.

      O que está em jogo, portanto são duas concepções muito diferentes. De um lado, a Petrobras operando dentro de um marco regulatório que aproveita a combinação da riqueza do pré-sal e a capacidade tecnologia da Petrobras para colocar a empresa a serviço de uma política de desenvolvimento industrial e tecnológica. Lembrando que, ainda em 2014, a Petrobras sozinha era responsável por 36% do total dos investimentos industriais do Brasil.

      E, de outro lado, uma concepção de que a Petrobras deveria funcionar como se fosse uma empresa privada, preocupada principalmente com os interesses de seus acionistas.

      Se é verdade que não há espaço para argumentos que questionam a existência de riquezas exploráveis e a capacidade tecnológica endógena, também é verdade que existe um problema financeiro sério.

      Este problema foi agravado pela forma com a qual a Operação Lava Jato opera, focada na justa luta contra a corrupção, mas desvinculada de uma noção de país e agravada também pela determinação de alguns setores em desestabilizar a Petrobras e, com isso, o próprio governo Dilma.

      Mas, um problema real e existente devido ao grande volume de dólares em curto prazo necessários para fazer os investimentos em longo prazo com receitas correntes em real.

      Na visão privatista, a solução para este problema é diminuir as atividades da empresa e partir para um processo de desinvestimento generalizado.

      Na visão desenvolvimentista, significa entender que o problema não é somente da empresa, mas da nação brasileira e procurar soluções que permitam à Petrobras continuar explorando e aumentando a produção do pré-sal num ritmo compatível com os interesses do Brasil.

      Em particular, pode-se pensar em usar uma parte (pequena) das reservas internacionais em dólar para alongar a dívida da Petrobras em dólar, o que permitiria, inclusive, baixar os juros que a empresa tem de pagar para suas captações.

      * Giorgio Romano Schutte é professor de Relações Internacionais e Economia da Universidade Federal do ABC (UFABC) e integrante do Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais (GR-RI).

  16. Boi branco disse:

    Essa Tânia Fogaça é o delegado Moscardi na Coain.
    É só jogar na mão dela que a investigação sem pé nem cabeça para punir inocentes saí bem redondinha. VERGONHA NACIONAL! LIXO.

  17. Curioso disse:

    Prezado, Marcelo Auler,
    Acho bem interessante vc tentar fazer uma
    Matéria dos absurdos que a dra. Tania incluiu no 737, tem até reunaio em motel entre os dissidentes e os advogados! Tudo isso de madrugada. Reuniao que durou mais se 4 horas! Isso n foi reuniao então! Foi um bacanal! Kkkkk

  18. BISCOITO RECHEADO disse:

    abre a boca ! delação ! tá la filho, todos empurrando no seu. amigão “bodado”, ne ? vc é o bode expiatório, cara ! se liga ! le o 737 ! so tem traíra nessa turma. esperar o que de vagabundo ? sobro pra vc sozinho agazalhar o croquete. otário.

  19. DILMARI disse:

    Entre uma audiência e outra mediando briga de casais eu assassin0 um Alvará cambão pra eles. Nem eu sei. sabe lá o que eu assinei. MP ? MPF ? nao le pq nao sabe nem que existiu 1 quanto mais uns 1000. Mas eu sei quem fez o chunxo. ah se sei. aqui tem um camalhão de copias comigo com o polegar esquerdo de um degolado lá. O Chefão. eu, hein, so tem aloprado msm, viu. Hj vou ler esse livro ai do mano brown MC Marcinho…

  20. Joao Vicente disse:

    Infelizmente, com as declarações de Meire Poza mais as irregularidades denunciadas por esse blog, fica claro que a operação lava jato está eivada de nulidades insanáveis e será anulada.
    São provas obtidas por meio ilícito em escutas clandestinas, apreensões de documentos forjadas, provas plantadas para incriminar, falsos testemunhos em Juízo dos delegados de Curitiba sem número e por aí vai.
    Infelizmente Dr. Moro o senhor não corrigiu esses delinquentes a tempo e a nulidade vai ser cruel. É a regra do CPP. A lei é para todos e o trabalho vai para o lixo.

    • BOI MALHADO disse:

      O ridículo disso tudo que esses ai chegaram a batizar uma operação com o nome ” A Lei é para todos” !

    • C.Pimenta disse:

      O que acho pior na lava jato é a obtenção de delações por meio de tortura psicológica. Ou alguém acha que ficar na prisão sem data para sair, sem direito a habeas-corpus (esse recurso só vale para banqueiro Dantas que ganhou 2 HC em 48 horas no stf), não é tortura. Pior, o delator tem que encaixar sua “delação” na historinha previamente inventada pelo mp. “Provas” (delação não é prova) obtidas desta maneira são nulas e o “delator” poderá negá-las na 2ª instância alegando que foram obtidas sob tortura, e é a pura verdade.

  21. Picachu disse:

    Com esses advogados dos alvos do 737, que são muito bons, juntando-se a meia duzia de procedimentos que a delegada Tânia Fogaça fez contra o delegado Fantom, todos vão ver a atuação clara e nítida da nobre “doutora” em querer ajudar uma quadrilha de criminosos patrocinados pela associação de delegados federais.
    Tânia Fogaça você é igual a eles. O que Moscardi fez com a sindicância falsa, você fez com o 737/15. Você não é digna do cargo que ocupa. Você será promovida para a adidância de Piraquara. Aguarde!

  22. […] O delegado Mauricio Moscardi, da Polícia Federal, recorreu da decisão da juíza Vanessa Bassoni, do 12 Juizado Especial Cível de extinguir o processo onde havia pedido, além do pagamento de danos morais, também a censura ao blog do jornalista Marcelo Auler. […]

  23. IPl disse:

    Agora q o sigilo foi baixado, Li todo o inquérito 737!!!! É ridiculo! De dar
    Risada! Mas uma coisa me chamou a atenção!!! Vcs viram quem são os advogados dos advogados que foram indiciados???? E com toda essa lambança, vcs ainda acham q esses advogados top das galaxias vão deixar quieto toda essa falcatrua q ocorreu?

  24. Anonimo disse:

    Cada dia mais fica claro que quem esta no comando da PF Curitiba é uma quadrilha capaz de qualquer coisa. Esse Moscardi é ardiloso até onde pode. Ajuiza diversas ações na justiça para ver qual delas vai lhe dar o retorno pretendido. Acha que está presidindo uma sindicância falsa ainda.
    Pior de tudo é a Corregedoria Geral ver a institucionalização do crime na PF Curitiba e querer punir quem se opos a isso. É uma vergonha! Ela mesma deu prova de que os tais dissidentes nao poderiam correr nem nesmo até ela. Sra Tânia Fogaça misturou corporativismo numa situação criminosa institucionalizada.
    A situação é tão crítica que perguntem ao delegado Fantom quantos procedimentos investigativos teve que responder. Respondeu até um inquérito instaurado a mando da sra. Tânia Fogaça porque depôs perante o Juiz Sérgio Moro e citou uma conduta da sra Rosicleya Baron, aquela corregedora do Paraná fanfarrona do facebook. Mas esse inquérito, apesar da insistência da sra Tânia Fogaça, a simpática com o crime institucionalizado apoiado pela ADPF, foi relatado por atipicidade e arquivado.
    Quem vai procurar uma Corregedoria Geral como essa? O delegado Fanton sra Tânia é a prova de que os dissidentes do 737 não poderiam procurar a Corregedoria Geral e ele vai ser arrolado como testemunha de tudo que sofreu por sua autoria. Seu relatório do 737 é seu suicídio institucional, porque o dever ser que vc prega ali é provado pelo delegado Fanton e tudo que vc lhe fez que era uma atitude suicida. A única saída para os dissidentes era a ajuda externa.
    A sra vai responder tanta demanda na esfera cível sra Tânia que já vai preparando o bolso. Ainda bem que seu marido é perito e pode pagar o dano caso a sra. perca o emprego.

  25. Promoção Bolsas Paris disse:

    Gentem!!!! Vale a leitura estou “estarrecida” o delegado liga p o alvo p agendar hora p realizar a busca p esquentar os ducumentos. (Pag 104) !!!! Diz o dr. bolsa luiz vintão “Meire, precisamos esquentar os documentos que você me entregou. Não posso simplesmente utilizar esses documentos sem uma justificativa. Tenho que fazer uma busca no seu escritorio”. Como assim
    O doto liga e agenda hora com o alvo p ir buscar e esquentar os
    Documentos????!!!! Pode isso Arnaldo, ou melhor pode isso Dr. Alfredo???

  26. Rogério Maestri disse:

    Quando associações profissionais lutam pelo direito de que seu trabalho seja feito dentro da tecnicidade e da verdade da profissão, estão sendo na realidade corporativistas, porém este corporativismo é em nome de algo bem maior do que a ação de um único profissional.
    Para exemplificar melhor saindo da seara que pouco conheço e entrando na engenharia, podemos dizer que se associações profissionais defenderem profissionais que agiram com ética e com a boa prática profissional contra tentativa de imposição de padrões desejados de segurança a quem vai utilizar o produto final do trabalho do profissional, elas estão sendo corporativistas, porém corporativistas dentro da visão mais perfeita que o seu treinamento impõe a visão do seu trabalho.
    A diversidade da orientação ideológica das defesas ao jornalismo, não ao jornalista, isentam estes textos “corporativistas” de preocupações menores. A própria noção de ética dos profissionais que defendem a ação jornalistica, mostram claramente que estas não estão defendendo uma pessoa, mas sim um princípio.
    Quando uma associação de engenheiros, ou de médicos ou ainda de qualquer profissão, defendem os princípios básicos de cada profissão não estão defendendo a pessoa, mas sim toda uma ciência que está por trás da ação de um profissional, uma ação que não for defendida será uma verdadeira afronta a profissão, e pior, deixará toda uma população a mercê de más práticas tanto dos profissionais como de seus detratores.
    Na engenharia se produzem normas que procuram resguardar não o profissional, mas sim que este tenha força de dizer não a práticas indevidas, que apesar do lucro que possam trazer a quem o contrata, poderão trazer malefícios bem mais graves a todos do que benefícios a poucos.
    O jornalismo tem suas normas, normas que não são tão claras como as dos cálculos dos engenheiros ou dos procedimentos recomendados aos médicos, pois o tipo de ação que fazem os primeiros é bem mais diversificadas e com nuances que impedem a criação de normas tão detalhadas, porém a norma principal que um jornalista deve seguir é a verdade, a verdade dos fatos sem distorções ou sem manipulações, tudo que tiver origem nesta verdade cabe este profissional fazer comentários, comparações e contextualizações, se estas não extrapolarem os limites dos fatos levantados elas são válidas e servem para a proteção do mesmo grupo que utiliza o produto do trabalho de engenheiros e médicos, ou seja, a população em geral.
    Claro que as defesas dos profissionais devem ser feitas por corporações, pois são estas que sabem quais são os problemas quando se nega ao profissional o direito básico de exercer a sua profissão.
    Associações, profissionais mais experientes, órgãos de imprensa que passaram por épocas em que sua ação era tolhida resultando em sérios problemas a sociedade, tem não só o direito de defender a profissão, mas tem a obrigação de defender a boa prática profissional, não é o caso de defender um ou outro ponto de vista do profissional que se atém a verdade dos fatos para fazer seus comentários ou ilações, mas sim ao verificar que estes tendo origem no real e não no imaginário, a opinião deve ser aceita como tal.
    Viva o corporativismo quando este objetiva não resguardar a ação individual de alguém, mas sim resguardar a ação de uma profissão que tem seu carácter de resguardar bens maiores do que interesses individuais, o interesse de quem no Estado Democrático é o real detentor do poder, o povo.

  27. Meire youssef disse:

    Um pombinho me contou que essa semana vai ocorrer um almoço lá
    Em BSB com alguem lá do alto comando do MJ e um
    Advogado de CWB que esses delinquentes quiseram ferrar.

  28. Meire youssef disse:

    Essa nova edição do livro e em capa azul que a Meire conta tudo ja esta bem adiantada!!! E as figuras principais, dr. adorador de bolsas que agenda busca com o alvo , o apf deus gredo ator global namorador, dra. Irma da causídica especialista na área energética kkkk, dr. cabeça de melancia que ficou roxo na frete do moro quando na cara dura mentiu falando q n sabia que o grampo na cela do youssef estava ativo, (a sindicância já esta pronta e já foi enviada p Curitiba com o resultado…….., ganha uma bolsa luiz vintão quem
    Acertar qual foi o resultado!!. O livro dedica e narra da pag 88 até 175 de tudo q é tipo de cretinice, falcatruas abjetas praticadas por estes policiais e delegados que por enquanto ainda se mantém no cargo, n é demais lembrar que o Protogenes n fez um terço disso é foi Rua e depois Jaula!!!!

  29. MEIRE POZA DE LAMA disse:

    O UNICO CORPORATIVISMO QUE EXISTE ATÉ AGORA É DA CORREGEDORIA ( PELO MENOS AO QUE PARECE) AO PROTEGER UMA QUADRILHA DE MILICIANOS FRAUDADORES PROCESSUAIS INSTALADA NA SR DO PARANA. É ISSO QUE QUEREM QUE A PF SE TRANSFORME ? ESSES CARAS TENTARAM ACABAR COM A VIDA DE DIVERSOS SERVIDORES QUE NÃO COMPACTUARAM COM ISSO E FORAM OPOSIÇÃO A ESSAS PRÁTICAS NEFASTAS, AINDA USANDO A IMPRENSA MARROM NO QUAL COMPRARAM COM OUTROS CRIMES DE VAZAMENTOS DE INVESTIGAÇÕES PARA DENEGRIR A IMAGEM DESSES SERVIDORES COM ESSA HISTORINHA RIDICULA DE “DISSIDENTES”. E SE FOSSE A SUA VIDA, VOCE ESTARIA LENIENTE ?PRA QUEM DUVIDA COMPRE O LIVRO ASSASSINATO DE REPUTAÇÕES 2, TÁ TUDO LÁ. NÃO DOUTORA, EU ESTAVA MESMO ERRADO. NÃO INSERIRAM DOCUMENTOS EM BUSCAS, NAO… INSERIRAM FOI BUSCAS EM DOCUMENTOS !!! UM ESCULACHO. LEMBRA… A PF, FAZER ISSO ?? CLARO QUE ISSO NÃO EXISTE. POIS É… E AGORA ? SÃO OS MESMOS DE SEMPRE, DESDE O INICIO… SE O DELEGADO PROTOGENES FOI DEMITIDO, POR VOCES !!! QUE FOI UM MENINO AMADOR PERTO DESSA CORJA, O QUE SERÁ QUE VOCÊS VÃO FAZER AGORA COM ESSES ALOPRADOS ? O PIOR… ESQUECERAM DE COMBINAR COM A 14 VARA FEDERAL… ALI NAO. ALI O NEGOCIO É SERIO, NÃO TEM CONVERSINHA NO PE´DO OUVIDO NÃO…

    VOCES QUEREM QUE ESSE SEJA O NOVO PADRAO DA PF ? POIS É, HOJE EU ENTENDO PELO QUE ESSAS PESSOAS LUTAVAM CONTRA. FAÇAM O QUE TEM QUE FAZER, SO ISSO.

    ONTEM SAIU NO JN QUE 2 DESSES “DIARISTAS” VÃO VOLTAR PARA SUAS CASAS… ALIAS UM DELES MORAVA É EM CURITIBA MESMO… E 2 ANOS NA DIÁRIA DIRETO… MAIS UM CAÇADOR DA CORRUPÇÃO… DOS OUTROS ! ESTÃO DE CABEÇA ENFIADOS NESSAS FRAUDES. TÁ LÁ NO LIVRO, COM PROVAS TESTEMUNHAIS INDISCUTÍVEIS, POIS RELATA UMA ROTINA INTERNA DA PF QUE SÓ QUEM VIVEU ISSO CONHECE, E AINDA COM PROVAS MATERIAS, EMAILS, WHATTSUPS, REGISTRO DE REUNIÕES, DILIGÊNCIAS FRAUDADAS, ETC, ETC…UM ESCULACHO.

    AGORA ESSE GRUPINHO CRIMINOSO TENTA FORÇAR UM GOLPE DENTRO DO DPF, NAO BASTASSE O GOLPE EXTERNO, TENTANDO EMPLACAR UM DELES NA DIREÇÃO GERAL DA PF, PORQUE ACHAM AINDA QUE PODEM SE SAFAR TOMANDO O PODER. LEDO ENGANO. MAS NÃO ERA UM GRUPO “APOLITICO” ? E AGORA ?

    CADE O DISCURSO QUE MANDAM MAIS QUE O DG ? CADE O DISCURSO QUE A CORREGEDORIA É PÍFIA, O DEBOCHE QUE CHEGOU AO CÚMULO DE ABRIREM UMA INVESTIGAÇÃO PARA INVESTIGAR A INVESTIGAÇÃO DA COGER !!! SURREAL.

    NÃO VAI TER ALIVIO NÃO, AGORA É ATÉ O FIM DESSA SACANAGEM DE CORRUPÇÃO ABSTRATA, NÃO TEM AMIGUINHOS PARA SALVAR, NA VERDADE, VÃO FAZER O CERTO, ABANDONAR O BARCO, E AI VÃO VER A MERDA QUE FIZERAM.

    NÃO CONDENEM A REVOLTA DESSES SERVIDORES, QUE HONESTAMENTE, NUMA LOUCA INVERSÃO DE VALORES, TEM QUE SE DEFENDER POR SEREM CORRETOS, APENAS SE COLOQUEM NO LUGAR DE QUEM FOI VITIMA DE TANTA SACANAGEM, AO PONTO DE ABRIREM UM INQUERITO QUE TRAMITOU DE TRAS PRA FRENTE. ESCOLHE-SE OS CULPADOS, ESCOLHE-SE ATÉ OS CRIMES, E DEPOIS RECHEIA-SE DE FOFOCAS, INFORMAÇÕES ANÔNIMAS, DEPOIMENTOS FRAUDADOS DE PRESOS, BOATOS, ATÉ AO CUMULO DE SE QUEBRAR UM CAMINHAO DE SIGILOS DAS PESSOAS SEM BASE LEGAL ALGUMA. AI NO FINAL, CHEGA-SE A CONCLUSAO DA VERDADE. MAS MESMO ASSIM, SOCA-SE O CRIME QUE TODOS QUERIAM QUE EXISTISSE DESDE O INICIO, JUSTIFICADO NUMA CAMBALHOTA JURÍDICA. AI A IMPRENSA MARROM FELIZ, NOTICIA, A QUADRILHA VIBRA… TÁ LÁ… CORRUPTOS INDICIADOS…TRISTE. VERGONHOSO. VAMOS VER O QUE VAI DAR NO FINAL….

    OBS : LAVA JATO É OUTRA COISA… NÃO TENTEM MISTURAR AS COISAS PRA SE PROTEGER… ISSO TUDO VAI FICAR MAIS CLARO QUE A PRÓPRIA MEIRE POZA NO LIVRO. SO AGUARDAR…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *