“O intruso”
11 de fevereiro de 2017
Dissidentes na PF: nova derrota da Força Tarefa
15 de fevereiro de 2017

Marcelo Auler

O Blog cometeu um erro e uma injustiça e por isso pede publicamente desculpas aos Agentes de Polícia Federal Dalmey Fernando Werlang e André Zanotto, aos quais referimos na primeira na primeira versão da matéria como tendo cometido falso testemunho. Como eles jamais foram ouvidos pelo delegado Mauricio Moscardi Grillo – apesar de Dalmey ser o técnico que atestou que o aparelho que deram a ele não tinha condições de gravar e Zanotto respondia pela chefia do NIP- eles jamais poderiam ter faltado com a verdade.No entanto, deixaram de comunicar que o grampo existia. De qualquer forma fica o meu pedido de desculpas aos dois, aos seus familiares e aos leitores em geral.

Mosaico dos envolvidosNa sexta-feira (10/02), com bastante atraso, o delegado da Polícia Federal Marcio Magno Xavier, da Coordenadoria de Assuntos Internos (Coain) da Corregedoria Geral do Departamento de Polícia Federal (COGER/DPF), desembarcou em Curitiba. Levou na bagagem o Inquérito Policial (IPL) 01/2017 que, como o número demonstra, foi instaurado no início deste ano. Magno, na única vez que atendeu ao Blog, por telefone, se recusou a falar qualquer coisa sobre os trabalhos que vem realizando. Apesar disso, sabe-se que, a depender dele, a ingrata missão que cumprirá nos próximos dias teria acontecido no ano passado. Pelo que o Blog apurou, foi barrado por seus superiores.

A partir desta segunda-feira (13/02), Magno ouvirá e indiciará criminalmente agentes e delegados da Operação Lava Jato envolvidos na instalação de um grampo, sem autorização judicial, na cela de Alberto Youssef. O fato ocorreu na custódia da Superintendência Regional do DPF no Paraná (SR/DPF/PR), no dia em que o doleiro foi preso, 17 de março de 2014, início da primeira fase da Operação. A escuta foi descoberta por Youssef no dia 30 do mesmo mês e levada ao conhecimento do juiz Sérgio Moro – que garantiu não tê-la autorizado – no início de abril. Uma primeira sindicância (04/2014) concluiu que o grampo não estava ativo. Mas, em 4 de maio de 2015, em depoimento ao delegado Mario Renato Castanheira Fanton, o agente de polícia federal Dalmey Fernando Werlang confessou ter instalado, a mando dos seus superiores, não apenas a escuta na cela, como outra no fumódromo da Superintendência. Apesar disso e decorridos quase três anos da instalação do grampo ilegal na custódia d quase dois da confissão de um dos autores, até hoje ninguém foi punido. Antes pelo contrário, sempre que cobrados, polícia, ministério público e juízo evitaram falar do assunto.

A presença de Magno em Curitiba, segundo apurou o Blog, atemoriza muita gente. Curiosamente, ele não encontrará por lá a delegada Erika Mialink Marena, atualmente em Florianópolis (SC), e seu colega Marcio Anselmo Adriano, em missão em Vitória (ES). Os dois faziam parte da cúpula da Força Tarefa da Lava Jato no DPF que está diretamente envolvida ao episódio criminoso. Não à toa que, em março de 2016, Erika, Márcio Anselmo e o também DPF Igor Romário de Paulo recorreram à Justiça Federal de Curitiba para terem acesso à Sindicância 04/2015, presidida pelo delegado Alfredo Junqueira, da Coain. Nesta ação, os três principais delegados da Força Tarefa reclamaram daquilo que costumam fazer com os alvos da chamada maior investigação contra a corrupção no  país: o sigilo nos inquéritos, sem que as defesas dos suspeitos tenham acesso ao que está sendo levantado. Consta da inicial da ação por eles ajuizada:

(Os autores) “foram ouvidos na condição de investigados em termo de declarações ao longo do ano de 2015 pelo Delegado ALFREDO JUNQUEIRA. Assim sendo, resta evidente que a natureza singular do procedimento instaurado versa, exatamente, sobre a responsabilidade dos autores quanto à instalação da escuta sem ordem judicial, podendo, inclusive, recair penas administrativas aos mesmos. Contudo, após suas oitivas, o presidente da Sindicância em curso negou aos autores o devido acesso aos autos, argumentando, oralmente, que, devido à visibilidade da causa e a pressão que comumente sofre em casos tais, iria fornecer as cópias somente após a prolação de relatório final. Ou seja, sequer deferiu aos então investigados o direito de apresentarem as defesas necessárias de sorte a colaborar ao entendimento do sindicante.

Das intenções profissionais do DPF Magno, quem o conhece e à sua trajetória, não levanta qualquer suspeita. Mas, a dúvida surge quando se sabe que ao longo destes quase três anos de Força Tarefa da Lava Jato a cúpula do DPF, com o diretor-geral Leandro Daiello Coimbra  e o corregedor-geral, Roberto Mário da Cunha Cordeiro, à frente, jamais tomou providências concretas a partir da sindicância feita por Junqueira, que é tido entre os colegas  como “O Ético”.

Em 12 de novembro de 2015 o corregedor do DPF anunciou que a finalização da sindicância seria remetida ao juízo até o final daquele mês..Nada aconteceu e , ao que se saiba, nada foi cobrado.

Em 12 de novembro de 2015 o corregedor do DPF anunciou que a finalização da sindicância seria remetida ao juízo até o final daquele mês..Nada aconteceu e , ao que se saiba, nada foi cobrado.

Antes pelo contrário. Além da confissão de Dalmey, em outubro de 2015 soube-se, como noticiamos em Surgem os áudios da cela do Youssef: são mais de 100 horas, que a perícia do DPF recuperou as conversas captadas entre Youssef e seus companheiros de cela. A informação foi dada, à época, pelo deputado federal Aluísio Mendes Guimarães (PSDC-MA), agente de polícia federal licenciado e um dos parlamentares mais ativos na CPI da Petrobras.

Estranhamente, porém, nem o juiz Sérgio Moro, tampouco os procuradores da República – os quais se orgulham de constitucionalmente serem os fiscais da lei – da Força Tarefa da Lava Jato se empenharam em saber o que continham as gravações. Ou, se o fizeram, jamais tornaram esse conteúdo público. Sabem que a confirmação do grampo levantaria suspeita sobre a regularidade do início das investigações da Lava Jato.

Moro, inclusive, relutou em atender a defesa de um dos diretores da Odebrecht que pediu sua cobrança de explicações à Corregedoria do DPF. Enviado o pedido, na resposta do delegado Cordeiro surgiu a promessa jamais cumprida – assim como, jamais, oficialmente, cobrada pelo juízo – de apresentar o resultado da investigação até o final daquele mês de novembro. Como mostra o ofício ao lado, por nós divulgado em 21 de novembro de 2015: Grampo da Lava Jato: aproxima-se a hora da verdade.

Sérgio Moro relutou em cobrar da Corregedoria do DPF o resultado da sindicância., Foto Ajufe

Sérgio Moro relutou em cobrar da Corregedoria do DPF o resultado da sindicância., Foto Ajufe

Por que do IPL? – Apesar da promessa do corregedor, jamais se soube publicamente – o que não o impede de ter se explicado ao juízo – o motivo da demora. No entanto, o que se conseguiu saber é que mesmo com a sindicância finalizada e encaminhada ao MPF e ao juízo, nenhuma providência foi tomada oficialmente. Por isso, a decisão de se instaurar um inquérito, no início de 2017, causa estranheza.

Mais ainda quando se recorda que o segundo grampo instalado ilegalmente no chamado fumódromo da SR/DPF/PR, que o agente Werlang disse ter colocado por ordem da chefe do Núcleo de Inteligência Policial (NIP), a delegada Daniele Gossenheimer Rodrigues – esposa do DPF Igor – ainda que possa ser considerado crime, jamais resultou em inquérito. Gerou apenas um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD), com a suspensão temporária dos dois.

Mas, levando-se em conta que o governo que assumiu com o golpe do impeachment e vem dando cargos e foro privilegiado aos “deletados” e investigados pelos muitos “filhotes” que a Lava Jato gerou, as peças podem se encaixar. Demonstram que dentro do DPF também  jogam no sentido de esvaziar a Operação depois dela ter impulsionado a derrubada de um governo legitimamente eleito, provocado a derrocada de um partido político (PT) e até mesmo contribuído, ainda que indiretamente, com o AVC que vitimou Marisa Letícia Lula da Silva.

Essa movimentação, frise-se, acontece justamente quando surgem nas delações os nomes dos peemedebistas que se aboletaram no Palácio do Planalto com o golpe do impeachment, e também os de diversos tucanos, em uma demonstração de que a corrupção que todos atribuíam exclusivamente aos petistas não se iniciou com eles. Afinal, o próprio ex-presidente Fernando Henrique Cardoso deixou isso claro, como expusemos em FHC diz a Moro, tal como Lula tem dito, que “não sabia”, ao depor, na quinta-feira (09/02) perante o juiz Moro e falar sobre delações que indicam corrupção na Petrobras  na sua gestão:

“Pode ter havido. O presidente da República não sabe tudo o que acontece”.

No entendimento de uma das boas fontes do Blog, a mudança de posição do DPF autorizando a instauração do IPL 01/2017, mostra apenas que no atual governo o jogo é praticado por quem conhece bem o terreno onde pisa, ao contrário do governo de Dilma Rousseff, cujos ministros da Justiça – tanto José Eduardo Cardoso, como Eugênio Aragão, ainda que por motivos diversos e talvez justificáveis – jamais cobraram para valer um posicionamento do mesmo Daiello;

“Eles estão esvaziando a Lava Jato por dentro e pegando os delegados que a tocaram e agindo com terror contra eles, para não ousarem abrir o bico. Esses policiais deram uma de espertalhões só que se meteram com espertalhões mais ousados do que eles”.

O diretor-gerasl do DPF, Leandro Daiello, acabou ganhando o manto protetor costurado pela Força Tarefa da Lava Jato - Foto: reprodução

O diretor-gerasl do DPF, Leandro Daiello, acabou ganhando o manto protetor costurado pela Força Tarefa da Lava Jato – Foto: reprodução

Envolvimento de muitos – Daiello, como já alertamos anteriormente, beneficiou-se da Operação Lava Jato para permanecer no cargo durante o governo petista. Ninguém ouso mexer com ele para não provocar a ira de parte da população que, bem manipulada pela mídia tradicional – ou familiar, como preferem alguns – endeusou rapidamente Moro e a Força Tarefa da Lava Jato. Atualmente, ele pode estar se beneficiando do trabalho profissional dos delegados Junqueira e Magno com outros objetivos. Dentro do DPF cresce o movimento pela sua substituição. Da mesma forma, ali muitos sabem que seu sonho dourado é se tornar adido policial no exterior, preferencialmente em um dos países da União Europeia. Com Aragão, ele quase foi mandado para a embaixada brasileira em Lisboa.

Apesar de apenas três delegados terem impetrado a Ação de Conhecimento para acesso à Sindicância 04/2015, o número de possíveis envolvidos no IPL 01/2017 é maior. Uma primeira sindicância  – 04/2014 -, presidida pelo delegado Mauricio Moscardi Grillo, também de Curitiba, concluiu que o grampo estava inativo, como dissemos acima. Mas o trabalho de Moscardi jamais mereceu crédito por muitos policiais, como o Blog informa desde a primeira matéria a respeito, em agosto de 2015: Lava Jato revolve lamaçal na PF-PR.

Na Ação de Conhecimento (lei a íntegra abaixo) os três delegados admitem terem sido ouvidos como suspeitos. Da mesma forma como ocorreu com Werlang – o primeiro que Magno ouvirá nessa segunda-feira. Mas, há mais delegados envolvidos. A começar pelo superintendente regional, Rosalvo Ferreira Franco que, como consta da confissão de Werlang (cuja íntegra está na matéria Lava Jato revolve lamaçal na PF-PR) acompanhava Igor de Paulo e Márcio Adriano, quando estes lhes deram a ordem de instalação do grampo.

Como a reportagem mostrou, o aparelho instalado na cela de Alberto Youssef gravou mais de 100 horas de conversas desmentindo a sindicância presidida por Moscardi

Como a reportagem – “Surgem os áudios da cela do Youssef:…” – mostrou, o aparelho instalado na cela de Youssef gravou mais de 100 horas de conversas desmentindo a sindicância presidida por Moscardi

Esta conversa também foi assistida pelo agente de Polícia Federal André Luiz Zanotto, na época respondendo pelo NIP, por conta de uma licença de saúde da delegada Daniele. Ele também não se opôs à ilegalidade. Verdade que tanto Werlang como Zanotto podem alegar que não era hábito questionarem a autorização judicial ao receberem ordens de instalação de escuta. Confiavam na chefia. Damey só foi saber que aquele grampo era ilegal quando Youssef o descobriu. Mas os dois, omitiram-se sabendo que o grampo existia, quando da Sindicância comandada por Moscardi. Mas todos os policiais que Moscardi ouviu, faltaram com a verdade ai Inclui-se entre eles, o agente Paulo Romildo, o “Bolacha” que na função de carcereiro retirou os presos das celas para que não testemunhassem a instalação indevida.

Werlang ainda preparou um laudo alegando que o aparelho que Youssef retirou do foro da cela e lhe foi repassado para uma análise técnica, não estava em condições de uso. Uma meia verdade. Não estava em condições do jeito em que recebeu (sem fonte de energia, e com outros pequenos defeitos), mas enquanto instalado, captava todas as conversas. O laudo lhe foi solicitado por Moscardi, através de Zanotto, que ao encaminhá-lo, sabia – por ter ouvido a ordem – que o grampo funcionou.

O próprio Moscardi, provavelmente, sabia que o grampo existiu e era ilegal. Afinal, ao alegar que aquela escuta deveria ser da época em que o traficante Fernandinho Beira-Mar esteve na custódia, esbarrou em uma questão técnica: o aparelho instalado na cela do doleiro só chegou a Curitiba, como mostram documentos da Diretoria de Inteligência Policial (DIP) do DPF, em Brasília, após o retorno do traficante para o presídio de Campo Grande (MS).

Já a delegada Érika, se o presidente do inquérito seguir a lei ao pé da letra, responderá como coautora do crime pois, segundo o que disse Werlang, era quem, juntamente com Márcio Anselmo, recebia os áudios da escuta ilegal para usar, ainda que informalmente, as conversas gravadas nas apurações da Operação Lava Jato. Lembre-se aqui o que Antônio Augusto Lopes Figueiredo Bastos, advogado do doleiro admitiu. Youssef teve fortes indícios de que suas conversas na custódia com os outros presos chegavam ao conhecimento dos delegados:

Tivemos alguns indícios disso sim, Houve indícios, isso não tem dúvida. Mas, não em interrogatórios. Em conversas assim…  que não tem como serem recuperadas. Eles nunca interrogaram diretamente sobre isso, mas os assuntos acabavam sendo abordados pelos delegados”, explicou, ao ser ouvido, em junho de 2015, como conta da reportagem Lava Jato revolve lamaçal na PF-PR.

Curioso é que diante de todas estas evidências que devem levar ao indiciamento dos delegados da Lava Jato, Márcio Anselmo esteja cogitando de ser corregedor da Superintendência do DPF no Espírito Santo, hoje comandada pelo delegado Luciano Flores de Lima.

O DPF Luciano Flores ouviu a recusa de Lula em acompanha-lo  e falou que o levaria coercitivamente, Foto - Reprodução TV Globo

O DPF Luciano Flores que levou coercitivamente Lula para depor e manteve a gravação ilegal da conversa do ex-presidente com a presidente Dilma Rousseff, hoje é superintendente do DPF no Espírito Santo e quer levar Márcio Anselmo como Corregedor. Foto – Reprodução TV Globo

Para quem não se recorda, ele, embora lotado no Rio Grande do Sul, atuou na Lava Jato em Curitiba – fazendo jus a diárias – e foi o responsável  pela gravação ilegal da conversa telefônica entre Lula e a presidente Dilma Rousseff, em março do ano passado, conforme noticiamos em Explicações para grampo de Lula e Dilma são sofismas, como também pela condução coercitiva de Lula para depor. Na citada reportagem afirmamos:

Ele (o grampo) foi feito 1 hora e 48 minutos após o delegado da PF Luciano Flores de Lima ter sido comunicado, pela secretária da 13ª Vara Federal, às 11h44min, da decisão do juiz suspendendo o grampo. A conversa telefônica de Dilma e Lula ocorreu às 13h32min. O delegado poderia ter evitado a gravação. mas não o fez”.
A nomeação de Marcio Anselmo para corregedor, caso realmente ocorra como anda falando jornalistas próximos aos delegados da Lava Jato, poderá criar u grande constrangimento para o DPF. Afinal, ele ficará responsável por fiscalizar e avalizar o cumprimento das leis e das normas dos policiais federais no Espírito Santo, apesar de investigado em, pelo menos, dois Inquéritos. Além do caso do grampo na cela do Youssef, o mesmo delegado Magno preside outra investigação que esbarrará no mesmo Marcio Anselmo. Trata-se de um inquérito, ajuizado em São Paulo, que investiga as denúncias que a ex-contadora de Youssef , Meire Poza, fez ao procurador regional da República, Osório Barbosa, em junho de 2016, como noticiamos em Enfim, a contadora e informante infiltrada da Lava Jato foi ouvida oficialmente. Se levado a sério, como é o costume do delegado Magno segundo tudo o que ouvimos a respeito do seu trabalho, será mais uma dor de cabeça não apenas para o delegado Márcio Anselmo, mas para muitos da Força Tarefa, inclusive procuradores da República. Mas isso, só o tempo dirá, pois dependerá muito dos rumos que a direção do DPF e do governo de Michel Temer tomarão.

Ação de Conhecimento dos Delegados da Lava Jato contra a União

 

37 Comentários

  1. Jessy Pinkman disse:

    Essa é pra Um delegado conhecido como Etico.
    Vc ja presidiu inqueritos policiais de trafico de drogas?
    Ja prendeu traficante, mulinha de aeroporto, em flagrante? Daqueles que nao tem audio e é só a droga e a cara do autor. Pior, aqueles casos que a mula viaja no onibus e a droga segue no bagageiro do onibus. Ja trabalhou nisso? Tem centenas de casos desses por dia na PF e todos ocorrem a prisao em flagrante, que é ratificada pelo MP e Judiciario e acaba gerando condenacao e execucao da pena.
    Em todos estes casos citados, a mulinha coitadinha nega a propriedade da droga, nega ate a morte, mas mesmo assim é presa, com base nos antecedentes dela, na conduta social dela, que alvez possa ser narrada no livro de uma certa contadora ai, ou com base num testemunho indireto de pessoas que sabiam de comportamentos estranhos e suspeitos da mulinha e, ao final, por exclusao, qdo todas as bagagens ja foram tiradas do bagageiro e entregues aos respectivos donos, só restando a mulinha e talvez mais umas 3 pessoas de mao abanando que viajam sem nada e a droga no bagageiro, mas mesmo assim a mulinha é presa.
    Note-se que a mulinha nao confessou!!!! Ela nao confessou e ninguem testemunhou diretamente seu ato!!! É obvio que nao confessaria, afinal a esperanca é a ultima que morre. Quem sabe o delegado nao é bonzinho?!
    Pois bem, vc notou alguma semelhanca nessa historinha e algo que voce ja viu?
    Nao prender mulinhas é crime de prevaricacao, pois o MPF e o Juiz do feito representam instantaneamente aos delegados que tentam fazer isso diariamente nas unidades da PF que talvez vc nunca trabalhou. Essas representacoes contra delegados q nao prendem mulinhas devem ter ate no google..
    Saiba que fatos isolados serao aglutinados e analisados, e ate cego vai voltar a enxergar quando isso acontecer.
    Existem servos fieis aos donos ainda hoje. Parabens!

  2. Advogado disse:

    Sou um criminalista e acompanho de perto essa historia desde o inicio. Diante de tudo que foi noticiado, vou tipificar a conduta das pessoas envolvidas nesses fatos e ao final vou dizer qual foi a conclusao que a PF chegou oficialmente dos fatos.

    NO MUNDO NORMAL DA LEGALIDADE E DO RIGOR COM QUE DEFINEM OS CRIMES DOS ALVOS DA LAVA JATO:

    Deveria ser Igor, Rosalvo e Marcio como autores, na qualidade de mandantes e receptores das provas da escuta ilegal, autores de fraude processual, falsificacao de documento publico, organizacao criminosa e falso testemunho em cpi e processos da lava jato, exceto Igor na cpi.
    Erika como co-autora do crime dos primeiros, pois recebia os audios da escuta ilegal para colocar ou nao na operacao lava jato que conduzia e falso testemunho que prestou em sindicancias e processos da lava jato.
    Dalmey, Zanoto e Bolacha como mero executores da escuta ilegal ordenada por Rosalvo, Marcio e Igor e autores de associacao criminosa e co-autores de falsificacao em documento publico, fraude processual e falso testemunho.
    Moscardi como autor de falsificacao de documento publico, fraude processual, falso testemunho, co-autor em associacao criminosa.
    Rosalvo, Igor e Moscardi por peculato.
    Rosalvo por condescendencia criminosa.

    AGORA NA VISAO DA PF CONTRA SEUS SUBORDINADOS QUE PRATICARAM TAIS CRIMES NA CONDUCAO DA LAVA JATO

    So serao punidos DELEGADO MOSCARDI, AGENTES ZANOTO, BOLACHA e DALMEY com infimas infracoes disciplinares puniveis com suapensao.
    DALMEY, por ser dedo duro, vai responder tambem por um inquerito policial.

    Esse foi o desfecho Marcelo Auler de dois anos de investigacoes e de dezenas de materias que vc publicou.

    Ao menos, parabens por seu trabalho, coragem e esforco.

  3. Ivete disse:

    Esses maus funcionários públicos, são pagos para trabalhar corretamente, não para fazer armadilhas. O que fizeram é muito grave, são responsáveis por falsas investigações e com as injustificadas conversas dá presidenta Dilma, espalharam o ódio e contribuíram com o golpe que nos colocou nas mãos dá pior quadrilha. Todo rigor com esses irresponsáveis.

  4. Josias disse:

    Auler,
    Esquece esse assunto pq ja deu.
    Só dedo duro se fode na mafia!
    Continua la Moscardi, pega a bmw m5 apreendida para usar e mete bronca nas reformas com vs, afinal vc tem carta branca.
    Parabens, vcs sao fodas!

  5. C.Poivre disse:

    PF se apoderou de pertences da falecida Marisa Letícia, companheira do ex-Presidente Lula:

    https://www.conversaafiada.com.br/brasil/pf-aecista-devolva-o-que-levaram-da-d-marisa

  6. Sincero e verdadeiro disse:

    Auler, sinceramente, pára com essas suas matérias. São vazias, só existe esperança nelas. Mas é falsa eaperança. Ninguém está com medo do Delegado Magno da Coain. Não sei de onde tu tiras tanta bobagem. Ninguém da lava jato, da administração, ou seja lá de onde for está com receio do Magno. Ele está com o Alfredo, com a Tânia, com Cordeiro, com o Valeixo, com o DIretor Geral, com a imprensa, com o Moro, com MPF. Não vai dar nada para ninguém. Esquece. Não é mesmo Magno? Meu camarada. Vamos tomar um chopinho amanhã? Senta o pau em quem denunciar qualquer irregularidade. Abraço.

  7. Renata disse:

    Muito bom!

    Escuta, essa camarilha atua como máfia, né?

    Não dá ponto sem nó, credo!!

  8. Márcia disse:

    Parabéns pelo texto, Marcelo!

  9. Parabéns ! disse:

    Quer dizer que então que o Delegado Flowers depois de conduzir o LULA sob Vara ganhou um prêmio de ser chefe da PF em Vitória ES. E agora vai retribuir a ORCRIM de Curitiba botando um delgado que responderá diversos inquéritos e procedimentos disciplinares para ser o exemplo de ética no estado que comanda ? Legal. A ORCRIM trabalhando em pleno vapor ….

    Delgado Marcio o senhor FRAUDOU uma busca e apreensão , enganou ( ou não ?!) a justiça . Inseriu provas na busca. COMBINOU COM O PRÓPRIO ALVO o dia e a hora da ação judicial . Você é um CRIMINOSO . Está provado e comprovado . Ainda forjou depoimentos . A MEIRE POZA tem provas . VOCÊ VAI PRA RUA. E ainda querer colocarem ele Corregedor. Boves perderam a noção. Se consideram outra PF dentro da PF . Fraudaram o Inquérito 737 com essa palhaçada de venda de DOSSIE. Sai covardes. Outro crime. Usaram da máquina pública de expedientes e de procedimentos policiais e judiciais para forjarem uma defesa de seus atos e ainda plantaram isso na imprensa . CANALHAS.

    • Trovão disse:

      Por falar Meire … Quem será que tacou fogo no escritório dela ??? Ganha um vazamento quem acertar … Se liga COAIN, milhares de páginas de e-mail Facebook e de whattsup , era melhor virar fumaça …

  10. JUSTICA disse:

    Delegado Igor, Moscardi, Rosalvo, Daniele, Marcio, Erika, Tania Fogaca, vcs estao atualizados das noticias ne?!
    Ja devem saber quantos processos de denunciacao caluniosa e de indenizacao vao responder ne?!
    Tania Fogaca pede ajuda pra adpf cujos sentimentos e interesses te conduzem pq vc nao vai ter pra onde correr. Tua conta ja chegou junto com seus amigos do Parana.

  11. Carla Salignac disse:

    Parabéns, Marcelo Auler, por enfrentar a ala podre e mafiosa da PF com coragem, determinação e ética.

  12. Peida não disse:

    Moscardi chorou no interrogatório dele hoje. Parabens pela firmeza e seriedade na condução da investigação Delegado Magno. Parabéns.

  13. Dissidente disse:

    Espero que finalmente a verdade venha à tona.

    A palavra dissidente ainda será motivo de orgulho àqueles que há quase dois anos sofrem com esta pecha. Se tornará sinônimo de bravura e resistência.

    A verdade está aparecendo.

    A banda podre da PF será revelada. E para a surpresa da manada de miquinho amestrados deste país serão seus falsos ídolos.

    Adeus Melancia, Trovão e GatinhadoLeal.

  14. Cipião Africano disse:

    É inevitável que no final de tudo isso, seja exposto o responsável por todas essas barbaridades, abusos e crimes cometidos no Paraná.
    Ele está de olho, acompanha de longe, sabe o que fez e o que fizeram em nome e com o conhecimento dele, sabe de tudo, mas finge que não sabe de nada, finge que não é com ele…..
    COVARDE!

  15. João de Paiva disse:

    Parabéns, aplausos de pé a este brilhante e corajoso repórter, Marcelo Auler. Ameaças e censura não intimidaram o jornalista, que continuou seu trabalho investigativo e de denúncia. A ORCRIM da Fraude Jato foi completamente desnudada; Marcelo Auler reduziu a pó a SR/DPF/PR, o baixo clero dessa perigosíssima ORCRIM. Esta reportagem histórica e a 1ª foto que a ilustra, identificando por número os delegados criminosos, têm valor documental inestimável. Nas outras fotos aparecem dois outros delegados criminosos e o juiz criminoso sérgio moro. Embora não mostrados em fotos, TODOS os procuradores da força-tarefa da Fraude a Jato, liderados por Deltan Dallagnol, são também criminosos, por omissão, cumplicidade ou conivência com práticas sabidamente ilegais e criminosas. Mesmo que de forma indireta, o PGR e a PGR também cometeram crimes, seja por omissão, cumplicidade ou conivência. Não escapam das práticas criminosas os desembargadores do TRF4 – que coonestaram os crimes reiterados de sérgio moro e de toda a FT da Fraude a Jato – assim como os ministros do STF.

    Agora está claro para todos aquilo que afirmo há mais de dois anos: a chamada operação “Lava a Jato” JAMAIS teve ou tem o propósito de combater a corrupção, mas sim o de aniquilar o PT e a Esquerda, derrubar um governo legítimo e no lugar dele colocar as quadrilhas da velha política (as oligarquias plutocráticas, escravocratas, cleptocratas, privatistas e entreguistas); a quadrilha preferencial para se entregar o poder é a do PSDB; a do PMDB foi e continua sendo usada como meio. Os mafiosos do PMDB deram um nó na trama engendrada pela burocracia estatal e pelo alto comando, no sentido de se safar, oferecendo como contrapartida o desmonte do Estado Social Brasileiro.

    Sabemos que a intenção de só agora, quando a lama atinge os narizes dos chefes de bando do PSDB e do PMDB, instaurar o IPL 01/2017 tendo como investigados os delegados da PF que cometeram crimes como o da instalação de grampos ilegais é mais uma etapa do ‘Plano Jucá’, ou seja, o de ‘estancar a sangria’, e esvaziar a Fraude a Jato, depois que presidenta Dilma foi destituída e o PT reduzido a farrapos. Eduardo Cunha (que deve ser liberado ainda este ano), assim como Sérgio Cabral, são os ‘bois de piranha’ aos quais se referiu Romero Jucá naquele edificante diálogo que teve com o ex-senador tucano e ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Todas as ‘profecias’ desse malandro-agulha, Romero Jucá, estão sendo cumpridas à risca. O único ministro do STF que não estava plenamente cooptado pela trama golpista foi providencialmente ‘acidentado’ num vôo entre São Paulo e Paraty. As causas da queda do avião em que viajava Teori Zavascki, o empresário Carlos Filgueiras (proprietário da aeronave, ‘amigo’ de Teori e réu em ações penais no STF), o piloto e mais duas mulheres NÃO FORAM e NÃO SERÃO esclarecidas. Todos os ocupantes morreram; 70 minutos após queda, uma mulher pedia socorro, mas as autoridades da Marinha e da Aeronáutica não a resgataram nem autorizaram que barcos de pescadores o fizessem. Menos de uma mês após a queda do avião, NENHUMA palavra é lida ou ouvida acerca das reais causas do ‘acidente’ que matou Teori Zavascki.

    Menos de um mês depois da morte de Teori, o nazifascista Alexandre de Moraes é indicado para a vaga no STF. Desde o início do ano cerca de 150 presos foram mortos em chacinas ocorridas no Amazonas, em Roraima e no Rio Grande do Norte. No Espírito Santo, uma greve de PMs fez com que ocorressem arrastões e saques, além da matança indiscriminada de pessoas, sobretudo jovens negros; em menos de duas semanas mais de 120 pessoas morreram de forma violenta na grande Vitória, contra apenas 4 no mês anterior. Enquanto isso, Alexandre de Moraes se licenciou do ministério de justiça e participou de convescote com senadores que vão sabatiná-lo no dia 22; a festança ocorreu no barco-motel de propriedade do senador goiano Wilder Morais, afilhado político e testa de ferro de Carlinhos Cachoeira; Wilder Morais era suplente do ‘ínclito’ Demóstenes Torres, que teve o mandato cassado por envolvimento em esquemas de corrupção e com a máfia dos jogos de azar.

    Em Brasília, Gilmar Mendes, Rodrigo Janot e outros procuradores da Fraude a Jato procuram se livrar do ‘mico’, tentando acordar uma forma seletiva de apenas vazarem as delações que possam comprometer o Ex-Presidente Lula, a Presidenta Dilma Rousseff e políticos do PT, preservando os que integram o bando de michel temer e seu ‘impoluto’ PMDB, assim como a quadrilha do PSDB. Os veículos da família Marinho estão empenhadíssimos divulgar, ao vivo, qualquer menção a Lula Dilma, mas mantendo silêncio em relação aos tucanos delatados, assim como aos integrantes da camarilha de Temer.

    Por mais que o aparato midiático e a burocracia estatal estejam nas mãos dos golpistas, por mais que as FFAA tenham se acumpliciado do golpe de Estado, sendo com ele coniventes, por mais que os golpistas controlem a máquina repressora e de matar (as PMs), o barco deles fez água e eles perderam completamente o controle da narrativa. O mundo sabe o que ocorre no Brasil. Embora poucos tenham a coragem de dizê-lo de forma explícita, a grande maioria das pessoas pensantes e bem informadas sabe onde fica a sede do alto comando internacional do golpe e sabe que o ataque à Petrobrás e às grandes empresas de engenharia brasileiras, assim como controle de setores estratégicos (de petróleo e gás, eletro-nuclear, da defesa, aeroespacial) eram as principais prioridades, ao lado do desmonte do Estado Social Brasileiro.

    O golpe e os golpistas estão desmascarados, desnudados. Perante a História eles já estão sendo julgados e condenados.

    • João Jorge disse:

      Eu não conseguiria fazer um resumo melhor.
      Você apenas esqueceu várias outras bandalheiras relevantes como a entrega de território brasileiro para construir uma base militar em Alcântara – RN, a permissão para a venda de terras brasileiras a estrangeiros, o desmonte da Petrobrás, a entrega do pré-sal, o abandono da Política de Conteúdo Nacional, etc, etc, etc.
      De qualquer forma parabéns pelo texto objetivo e aderente à verdade factual.

  16. Ali baba disse:

    Moscardi!!! Ñ perca o timing!! Kkkkkk

  17. Mario disse:

    Caro Moscardi e Zanoto,

    Voces dois serao puvidos hoje a tarde pelo dpf Magno.
    Moscardi, vc chegou na SRPR com o bonde andando da operacao e foi coagido ou pressionado a fazer p que os delegados da cupula queriam. Portanto, vc nao é o aitor intelectual dos crimes das escutas. Alias o dpf entende que escuta é mera infracao punivel com suspensao. O seu caso é diferente, vc forjou uma incestigacao falsa, vc falsificou documentos publicos em associacao criminosa.
    Se vc nao delatar essa quadrilha vc sera o unico delegado a se foder com prisao em regime fechado. DELATE E EXPRESSE O BIENTE DE COACAO MORAL QUE EXISTE NA SRPR.

    Zanoto, vc é um apf que nao faz controle de legalidade. Quem faz esse controle é o delegado. Se vc recebeu ordem pra instalar uma escuta na cela e vc obedeceu, vc agiu por coacao moral irresistivel se sabia que era ilegal, ou agiu no estrito cumprimento do dever legal se nao sabia que era ilegal.
    PORTANTO, ESCLARECA QUEM TE DEU A ORDEM PQ A ESCUTA ILEGAL EXISTIU E ELA NAO FOI COLOCADA POR MAGICA LA. Seja digno e honesto em dizer a verdade pq senao era vc o detentor final do dominio do fato de sua existencia e sua ordem de colocacao partiu de vc. DELATE PQ IGOR E DANIELE NAO PODEM CUMPRIR O QUE TE PROMETEM, NEM MESMO ROSALVO, SERGIO MORO OU O DELTAN.

  18. airton disse:

    ia me isquecendu o Devogado peruano ta rindo a toa!!!, afinal de contas esta se intitulado embaixador da lava jato agora no STF!!!!!! Dizem os mais próximos que agora vai ser tudo do jeito deli!!! POIS como já sai na imprensa é cumpadi, amigo e ex sócio em um terreno e vizinho de casa de praia de uma certa altíssima otoridade de bsb!!! MAS CERTEZA ABSOLUTA QUE TA VENDENDO FACILIDADE!! ESSA OTORIDADE NÃO VAI ATENDER O PERUANO!!! descobriram que ele é uma fonte anônima ambulante!! NÃO É CONFIAVEL!

  19. airton disse:

    Moscardi faça delação premiada….vc também é vítima desse grupo!!!! Faça delação….o tempo está acabando…. CHAMA O DEVOGADO PERUANO P ELABORAR OS TERMOS DA DELAÇÃO, ESSE DEVOGADO PERUANO É CUMPADI DOS DELEGADOS FRAUDADORES! Ele sabe como funciona, só perguntar p ele como o cabeça de melancia fez!!! É SÓ VC FALAR QUE É UMA FONTE HUMANA E TEM MEDO!!! Dai eles arredondam!!!

  20. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    Adeus lava a jato. Está implodindo sózinha, mas recebe um “empurrão” do Temer e sua turma com o Moraes no STF, o Maia na Câmara e o Eunicio no Senado. Roubar doces de criancinhas é muito mais difícil do que saquear o pais. Se os coxinhas não tivessem enfiado as panelas “naquele lugar” estariam nas sacadas fazendo o maior panelaço. Confirma-se o “panela + palhaço = panelaço”.

  21. Beth Carvalho disse:

    Chora!
    Não vou ligar
    Não vou ligar
    Chegou a hora
    Vais me pagar
    Pode chorar
    Pode chorar

    É, o teu castigo
    Brigou comigo
    Sem ter porquê
    Eu vou festejar
    Vou festejar
    O teu sofrer
    O teu penar

    Você pagou com traição
    A quem sempre
    Lhe deu a mão

  22. carlos disse:

    Vale Lembrar as belíssimas postagens da Delegada Especialista em Crimes Financeiros, Exclentissima Dr. ERICA fazia questão em postar em suas redes sociais um dia antes de deflagrarem alguma fase da operação!! ‘VAI AUMENTAR A VENDA DE FRALDAS GERIÁTRICAS!!!! kkkkk

  23. Bezerra da Silva disse:

    Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão
    Se gritar pega ladrão, não fica um
    Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão
    Se gritar pega ladrão, não fica um

  24. Peida não!!!!!! disse:

    Fatura está apenas começando a chegar!!!! Peida não!!! Foge não!!!! Ciente? Moscardi faça delação premiada….vc também é vítima desse grupo!!!! Faça delação….o tempo está acabando….

  25. Parabéns ! disse:

    Marcelo Auler está cansado de desnudar um bando de psicopatas da PF do Paraná. Vamos até quando continuar fingindo que suas reportagens não são aterrorizantes ? Parabéns por não se esconder atrás de uma Operação Policial no qual a grande mídia – a podre- usou e abusou para destruir o país. A Operação Lava Jato diferente como pregam não é nada apenas que mais uma operação policial. Não vai salvar o Brasil de nada, pelo contrário, enfiounos em um buraco sem fundo com seus capítulos de novela mexicana. Prender corruptos é uma função constitucional da PF e do MPF entre muitas. Como também prender funcionários públicos que cometem crimes em investigações ou que fazem tortura psicologica através de entrevistas vazamentos levando até a morte de uma ex primeira dama.

    • Fábio Lúcio disse:

      Sim, concordo, a panacéia da Lava-jato, totalmente criada pela mídia, está sendo dissecada e exposta pelo belo trabalho de Marcelo Auler. As reportagens de Auler são dolorosas, terríveis, porque mostram o que ninguém gostaria de saber: que estamos à mercê de sociopatas militantes. Mas são peças de jornalismo imprescindíveis.

  26. […] Fonte: Coain/GOGER/DPF em Curitiba: o temor da Lava Jato | Marcelo Auler […]

  27. […] seu blog, Marcelo Auler informa que o delegado da Polícia Federal Marcio Magno Xavier, da Coordenadoria de Assuntos […]

  28. Fecha a conta e passa a régua disse:

    Não adianta ir pro Rio Grande, Florida ou ES. Não adianta tirar férias , nem pedir pra Aposentar. A conta chegou.

  29. Baby Face disse:

    Alô Alô ORCRIM ! Quem chegar primeiro pode fazer delação ! Lá vem o bonde sem freio da COAIN !

  30. Marcinho Corre Corre disse:

    Querem agora derrubar o Diretor Geral da PF para botar a Delegada Érika do Facebook Aecista. São realmente uns CANALHAS.

    Lava Jato, delegados querem derrubar o diretor-geral da PF

    Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) vê risco à continuidade da operação com a manutenção de Leandro Daiello no cargo. Pedido de substituição será feito ao presidente Michel Temer

    Brasília 

    Estadão Conteúdo [12/02/2017] [23h09]

    A Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) vai encaminhar nesta segunda-feira (13) ao presidente Michel Temer um pedido de substituição do diretor-geral da corporação Leandro Daiello. A entidade atribui à gestão de Daiello a saída de delegados que integravam a força-tarefa da Lava Jato e vê risco de prejuízo às investigações com a permanência do atual diretor-geral da PF.

    A decisão de abrir uma campanha explícita para derrubar o diretor-geral – inédita na história – foi aprovada em assembleia na sexta-feira (10) por 72% dos participantes. O movimento busca aproveitar a provável mudança no comando do Ministério da Justiça para trocar também a direção da PF.

    Falta de apoio

    Em nota, a associação afirma que, por falta de apoio da direção, “delegados que coordenavam operações policiais foram deslocados para outras áreas e locais, devido ao esgotamento físico, mental e operacional a que são submetidos”.

    O comunicado coincide com a saída do delegado Márcio Adriano Anselmo (foto) da Lava Jato. Considerado um dos cabeças da operação, ele foi transferido para a Corregedoria da PF no Espírito Santo alegando justamente “esgotamento físico e mental” depois de mais de três anos de investigações.

    Anselmo é o quinto delegado da PF a deixar a Lava Jato desde o início da operação. Ele havia pedido para deixar a equipe em meados de 2016 e, em janeiro, recebeu convite para assumir a Corregedoria da PF no Espírito Santo. Antes dele, foram deslocados os delegados Eduardo Mauat, Luciano Flores, Duilio Mocelin e Erika Mialik Marena – especialista em crimes financeiros e lavagem de dinheiro.

    A investigação da própria Lava Jato em Brasília também estaria perdendo quadros, sendo que, cada vez mais, mira políticos com foro privilegiado. “Há um sentimento na corporação de que a Lava Jato está chegando ao fim”, diz o presidente da associação, Carlos Eduardo Sobral.
    Querem agora derrubar o Diretor Geral da PF para botar a Delegada Érika do Facebook Aecista. São realmente uns CANALHAS.
    Outras insatisfações

    A associação dos delegados também se diz insatisfeita com suposta falta de suporte às operações Acrônimo e Zelotes – ao lado da Lava Jato, as principais investigações de corrupção atualmente em curso. Embora não apresente números, a entidade sustenta que, nos dois casos, houve redução das equipes de investigação, o que prejudica o andamento de inquéritos com foco em políticos e executivos de grandes grupos econômicos.

    A ADPF alega que a Zelotes, que investiga empresários por “comprar” medidas provisórias e decisões de impacto bilionário do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), deixou de ser conduzida pela Diretoria-Geral e foi transferida à Superintendência da PF em Brasília – o que seria um sinal de que perdeu importância.

    Sugestão de nomes

    Uma das delegadas que deixou a Lava Jato, Erika Marena (foto) encabeça a lista tríplicede nomes sugeridos pelos delegados da PF, em maio do ano passado, para ocupar o cargo de novo diretor-geral da Polícia Federal. Ela foi eleita por 1.330 dos 1.700 delegados em atividade. A “eleição” foi promovida pela ADFP logo depois do afastamento da presidente Dilma Rousseff da Presidência da República. À época, havia o temor de que o então presidente interino Michel Temer nomeasse um diretor-geral que pudesse interferir na Lava Jato. Temer manteve Daiello, que já comandava a Polícia Federal com Dilma.

    Na carta que será apresentada a Temer, a associação voltará a defender que um dos nomes da lista substitua o atual diretor-geral. A primeira foi quando Temer tomou posse interinamente e nomeou Alexandre de Moraes para o Ministério da Justiça. Agora a ADPF quer se valer da saída de Moraes, indicado para o Supremo Tribunal Federal (STF), para emplacar um dos nomes da lista tríplice.

    “Levando em conta que a atual direção da PF está à frente da instituição há mais de seis anos, sem mudanças significativas nos cargos de comando, sem modernização e avanços na gestão; considerando a vontade manifesta da ampla maioria dos Delegados de Polícia Federal que, reunidos em assembleia, decidiram apoiar a mudança da direção geral e a indicação de um dos representados em lista tríplice já votada e aprovada”, diz trecho da carta.

    Além de Erika, integram a lista os delegados Rodrigo Teixeira e Marcelo Freitas, ambos de Minas Gerais.

    Sem receios

    Na carta a ser entregue a Temer a associação argumenta que a escolha de um dos nomes da lista tríplice não alimentaria o “eventual receio da sociedade que tais mudanças possam comprometer o destino de grandes operações em curso”.

    Os delegados avaliam que o temor no governo de que a substituição de Daiello possa ser interpretada como uma tentativa de estancar a Lava Jato é o principal trunfo do diretor-geral para se manter no cargo.

    Para o diretor regional da ADPF em Minas Gerais, Luiz Augusto Pessoa Nogueira, a corporação precisa de “oxigenação”. “É necessário alguém que fortaleça a instituição”, afirmou. O delegado disse ainda que um dos momentos em que Daiello foi mais criticado ocorreu quando a Procuradoria-Geral da República, segundo Luiz Augusto, anunciou que delações da Lava Jato seriam tratadas sem os delegados da PF para evitar vazamentos.

    A assessoria de imprensa da Polícia Federal foi procurada pela reportagem, mas disse que não iria se manifestar.

    Defesa de autonomia é tema sensível na PF

    A autonomia da Polícia Federal sempre foi um assunto sensível para a corporação. Em fevereiro de 2016, quando a então presidente Dilma Rousseff anunciou a troca de comando no Ministério da Justiça, com a saída de José Eduardo Cardozo e a nomeação de Wellington Cézar – às vésperas de a Lava Jato deflagrar sua ofensiva direta contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva –, delegados em Curitiba interpretaram a mudança como uma interferência direta nas investigações.

    Na ocasião, a troca do delegado-geral da PF, Leandro Daiello, era dada como certa pela equipe de investigadores da Lava Jato, em Curitiba. A mudança não aconteceu. O titular da Justiça acabou substituído por Eugênio Aragão, que em maio do ano passado deu lugar a Alexandre de Moraes após o afastamento de Dilma.

    Expectativas

    A chegada do novo ministro, sob o comando do governo Michel Temer, provocou nova expectativa de mudança no comando da Polícia Federal e preocupação com possíveis interferências nas investigações da Lava Jato. Daiello foi mantido, no entanto, e a equipe de investigação do cartel e desvios na Petrobras acabou reforçada.

  31. Bestas filhinhos de papai disse:

    Caro DPF Magno,

    A PF está sendo chantageada por essa quadrilha a muito tempo. Usaram de vazamentos seletivos, fraudes processuais, trangressões disciplinares, coordenadas e controladas para usar a Operacao Lava Jato para benefício próprio e de um grupo político nacional. Usaram da “cobertura” de um MPF ” midiático egocentrico e messiânico ” para se protegerem.
    Desça o porrete . Salve a PF de canalhas. Obrigado.

    • Rachel disse:

      Mas o fim da lava jato para este ano foi mais do q anunciado. Era só começar a chegar no PMBD e PSDB. Quem tinha dúvida? Só os delegados da PF….

      • Parabéns ! disse:

        Isso qua inpr NSA podre vai vender . Não é o fim de nada. Aliás é o fim de bandidos polícias comandando investigações sendo tão criminosos quanto seus investigados. Não se esqueça que os vazamentos e a seletivodade veio desses caras. Porque até hj não prenderam a mulher do Cunha !? Pq era da Globo ? Pq até hj não foram pra cima do Aecio., pq ele é o cara ? Pq ele é amigo do Rei ? Não inverta a ordem dos fatos . É exatamente isso que a imprensa marrom venderá .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *