Assassinato de João Alberto tem mais responsáveis
20 de novembro de 2020
PM-CE agrediu mulheres no Dia da Consciência Negra
23 de novembro de 2020

Carlos Franco (*)

Porque aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a quem não vê.  (João 4:20)

Sites e serviços de informação em tempo real, que da especulação se alimentam e por ela são alimentados, destacaram nesta última sexta-feira, 20 de novembro de 2020, o fato de as ações do Carrefour (CRFB3) terem fechado com alta de 0,49% enquanto o Ibovespa (o índice da Bolsa de Valores de São Paulo) fechou em baixa 0,59%.

Os indicadores no Dia da Consciência Negra, lamentavelmente quando o Brasil, estarrecido, assistiu na véspera ao assassinato de um brasileiro negro – João Alberto Silveira Freitas, o Beto, de 40 anos -, nas dependências de uma loja do Carrefour, em Porto Alegre (RS), levaram a uma conclusão para serviços especializados como o Infomoney de que investidores estão de olho apenas em resultados. Isto é, não estão nem aí para as práticas e critérios de gestão ambientais, sociais e de governança corporativa, ou seja, ESG no linguajar do mercado financeiro e de seus analistas.

Faz sentido e não faz. O que faltou a estes especializados foi justamente aquilo que se chama reportagem, jornalismo sério o qual não se pode exigir dos que atuam em tempo real. Eu mesmo, durante o período em que fiquei pratica e exclusivamente trabalhando na Broadcast da Agência Estado, no Rio de Janeiro e em Brasília (quando a capital federal entrou para o escopo do serviço em 1995) sequer tinha tempo de respirar, muito menos de pensar nos vários ângulos que uma notícia envolve e impacta.

A falsa ideia: “estamos todos bem”

Isso deveria ser o dever do jornalista: destrinchar, buscar nas frestas a luz e nos subterrâneos as trevas, ainda que os veículos para os quais trabalhem tenha pacto hora com a luz, hora com as trevas.

E o que não faz sentido numa leitura ligeira da alta de uma ação de empresa exposta em seus esgotos ao público e a queda do conjunto de ações das demais empresas de capital aberto à espera do investimento do respeitável (pero nem tanto) público?

Elementar, diria o bretão Sherlock Holmes ao seu caro Watson: temendo a queda das ações, quando envolvidas em escândalos, as empresas correm para dar ordem de compra dos seus ativos.

Assim, com essa jogada, a empresa e seus gênios corporativos criam a falsa ideia de que “estamos todos bem”. Ainda que, como neste caso, com as mãos manchadas de sangue e expondo o conjunto de investidores ao ridículo. Daí o pero nem tanto que aqui usamos para classificar esse respeitável público que vive e pulula na especulação do mercado.

Por diversas vezes, em que as falcatruas ou as pequenas pontas de um imenso iceberg começavam a emergir, executivos da Enron davam ordens de compra de ações e estas subiam e seduziam analistas de plantão e investidores até que todos naufragaram num mar de perdas abissais.

Não que a especulação seja um pecado, ela é parte inata dos negócios com ações. É a especulação que movimenta as bolsas, para o bem ou para o mal, além do bem e do mal. Afinal, perdas e ganhos são o atrativo principal das bolsas e, algumas vezes, essas jogadas contemplem aqueles que seguem os critérios de respeito ao meio ambiente, ao ser humano em sua integridade física e mental, a transparência e responsabilidade de seus gestores.

É claro que isso deveria ser regra, mas como ainda é exceção a empresa acaba virando notícia, ganhando destaque e de quebra tem tremendo ganho de imagem e o seu valor de mercado sobe.

Bolsonaro é a própria personificação do ódio

Infomoney, porém, se redime da análise curta, ao destacar, diante desse resultado da bolsa no Dia da Consciência Negra, a irônica pergunta de Fábio Alperowitch, fundador da Fama Investimentos, em seu Twitter: “ESG no Brasil? Conta outra.”

O especializado Infomoney fez ainda melhor: endereçou seus leitores para o brilhante artigo publicado por Alperowitch no Brazil Journal, veículo também de mercado que tem no comando um profissional brilhante, Geraldo Samor, que durante anos apresentou o Brasil aos investidores nas páginas de The Wall Street Journal.

Neste artigo, Alperowitch traz à tona cena do excelente filme O ódio que você semeia (The Hate U Give) em que o personagem Cris, um adolescente branco, fala para sua namorada negra Starr: “Branco, negro, o que importa? Somos todos iguais (…) eu não vejo cor, eu vejo as pessoas como elas são” e ela responde: “Se você não enxerga a minha negritude, você não me enxerga”.

Se tivesse lido o artigo de Alperowitch ou mesmo visto o filme dirigido por George Tillman Jr., o presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro não teria dito que é daltônico e não vê diferença de cor sob o risco do ridículo ao qual, evidentemente, um presidente sem decoro nada tem a temer. Bolsonaro é a própria personificação do ódio.

Portanto, como bem pontua o apóstolo João no versículo 4:20 da Bíblia, “aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a quem não vê”.

O presidente eleito pelo ódio já demonstrou que não tem fé em Deus, menos ainda no Brasil e nos brasileiros. É a pátria abaixo de tudo e Deus abaixo de todos, nos subterrâneos por onde passa a boiada abrindo caminho para uma terra arrasada pelo ódio e a hipocrisia

(*) Carlos Franco é jornalista especializado na cobertura de economia

 

 

Aos leitores e seguidores do Blog – A manutenção e o sustento deste Blog, que se dispõe a reportagens maiores e exclusivas, dependem das contribuições de seus leitores/seguidores. Com essas contribuições é que enfrentamos despesas com processos que nos movem, bem como nossos investimentos em viagens na busca por informações exclusivas para nossos leitores. Nosso trabalho depende dessas contribuições, em qualquer valor, em qualquer periodicidade. Para apoiar o Blog e nosso trabalho, utilize a conta bancária exposta no quadro ao lado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *