Meio ambiente do governo Temer: “ação em família” do clã dos Sarneys
20 de junho de 2016
Nita Freire: “não podemos deixar desmoronar as nossas esperanças!”
22 de junho de 2016

“O golpe contra Dilma foi machista”, diz representante da Rede Feminista de Juristas

Marcelo Auler

Yasmin Cascone da Rede Feminista de Juristas - Foto: Marcelo Auler

Yasmin Cascone da Rede Feminista de Juristas – Foto: Marcelo Auler

” Lutar contra esse golpe liderado por homens brancos, conservadores, de elite e dissociados das pautas das minorias é obrigação para nós feministas de esquerda, para que possamos impedir os retrocessos que a sociedade machista quer impor aos nossos corpos“.

O recado acima foi dado segunda-feira (20/06) à noite, na Casa de Portugal, em São Paulo (SP), durante o ato de lançamento do livro “Resistência em tempos de golpe” que relata, em diversos artigos, a luta contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, eleita com 54 milhões de votos.

Na obra, com 450 páginas, 104 profissionais entre advogados, professores, jornalistas, cientistas políticos, artistas, escritores, arquitetos, lideranças partidárias e de movimentos sociais, brasileiros e também estrangeiros, reúnem argumentos em 103 artigos para denunciar a quebra da institucionalidade democrática que ocorre no Brasil.

A advogada e militante feminista Yasmin Cascone, representante da Rede Feminista de Juristas, que reúne cerca de 100 mulheres operadoras do Direito com posições políticas à esquerda, foi quem levou o recado transcrito acima. Segundo deixou claro, para a Rede Feminista de Juristas:

é impossível não analisar o caráter machista do golpe político institucional ocorrido no Brasil

Reproduzo abaixo o vídeo da fala de Yasmin que divulgo sem ter tido oportunidade de editá-lo. Adiante, vai a íntegra do que ela falou.

“Para nós da Rede Feminista de Juristas, é impossível não analisar o caráter machista do golpe político institucional ocorrido no Brasil.

A contínua violência contra a maior autoridade do país foi motivada essencialmente pelo fato dela ser mulher.

Não significa, para nós, claro, que toda critica ao seu governo seja machista. Porém, é nítido que o tratamento institucional e midiático de sua imagem e de sua atuação publica contribuiu para o enfraquecimento de sua condição como chefe de Estado – representando graves perdas à democracia e aos direitos das mulheres (especialmente com a extinção do ministério das mulheres, da igualdade racial e o rebaixamento do ministério dos Direitos Humanos).

A Casa de Portugal, no bairro da Liberdade, em São paulo ficou lotada na noite de segunda-feira, no lançamento do livro "A Resistência ao Golpe de 2016". Foto Marcelo Auler

A Casa de Portugal, no bairro da Liberdade, em São paulo ficou lotada na noite de segunda-feira, no lançamento do livro “A Resistência ao Golpe de 2016”. Foto Marcelo Auler

A presidenta Dilma, para nós, foi constantemente reduzida aos estereótipos que o patriarcado dissemina sobre as mulheres.

Para ilustrar, tivemos uma construção, inclusive encampada pela própria esquerda (e é necessário que essa crítica seja feita), de uma figura maternal (ao criar, o jargão “mãe do Pac/Dilmãe”), mais acessível ao estereótipo de gênero feminino difundido e esperado de nós mulheres, que é majoritariamente ocupar o ambiente privado, o ambiente do lar e a figura maternal tradicional.

A desconstrução de Dilma foi tão intensa que podemos separar sua atuação em dois momentos distintos: um, no ano de 2009, ao responder de forma enérgica e assertiva ao Senador Agripino Maia, defendendo sua atuação à época da ditadura cívico-militar.

E, outro, em seus discursos atuais, amplamente criticados por diversos setores, que demonstram a desconstrução de sua imagem para adaptá-la aos moldes da sociedade machista, retirando sua “potencia” e buscando aumentar sua aceitação social e eleitoral.

No entanto, como sabemos, a aceitação social foi momentânea.

A violência de gênero que sofremos tem raízes muito profundas e só iriam cessar a partir do momento que Dilma saísse do posto que historicamente não pertence às mulheres.

Essa violência simbólica não irá diminuir enquanto não ocorram mudanças estruturais na política e que permitam o acesso de mais mulheres aos cargos de decisão, inclusive com maior destinação dos fundos partidários às candidaturas femininas, que hoje são irrisórios.

É inconcebível que apenas 6% dos cargos do Senado, 5% da Câmara e apenas 10% das prefeituras sejam dirigidas por mulheres. Isso reflete nas políticas publicas e na falta de vontade legislativa, por exemplo, para ampliar os serviços prestados pelas delegacias da mulher, que hoje não abrem aos finais de semana – período em que já foi constatada maior incidência de violência doméstica.

Em um pais onde a cada 2 minutos, aproximadamente 5 mulheres são espancadas e que 13 mulheres são assassinadas por dia, as violências de gênero precisam ser atacadas. E é por isso que lutar contra esse golpe liderado por homens brancos, conservadores, de elite e dissociados das pautas das minorias é obrigação para nós feministas de esquerda, para que possamos impedir os retrocessos que a sociedade machista quer impor aos nossos corpos. Nenhuma mulher merece ser violentada, somos resilientes e por todas nós seguimos em luta“.

2 Comentários

  1. Sereno disse:

    A verdade é que estamos tendo o desprazer de assistir uma série de barbáries, e a questão do machismo reaflorando neste efeito manada que contaminou a Nação é uma das coisas mais evidenciadas, sendo o principal catalisador deste momento insano que passa o país. Basta assistir a um debate entre senadores pela TV Senado que em poucos instantes fica parente o quanto alguns subjugam aquelas senadoras que “ousam” contestar suas concepções retrógradas. Esta matriz parlamentar brasileira, que mal é renovada, mas, basicamente, substituída pelos filhos, netos, bisnetos, etc, que, a reboque, trazem consigo todos os vícios de uma elite escravagista e de práticas abomináveis.

  2. Edson disse:

    O teu mecanismo de Contato não está funcionando então posto aqui . . . .
    Marcelo, . . . .
    Assim que deu o Golpe, Temer pediu um tradutor para árabe, e agora com o Padilha trazendo às luzes a negociação da Oi, uma pulga atrás da minha orelha, um pulgão enorme, está a gritar que, se a gente ligar para a Oi, do outro lado quem atende o telefone já é o Temer. Na cara dura, mais uma patranha da Oi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *