Chico Alencar: Acusação que honra o acusado
7 de novembro de 2015
Juiz do caso Eike é aposentado com salário proporcional
12 de novembro de 2015

Boff: “Roma quer devolver o papa à Argentina”

Marcelo Auler

(nova atualização às 11:45 desta segunda, 09/11/2015 com novas informações)

Ele já foi pessoa maldita dentro da Igreja Católica Romana. Foi punido com um silêncio obsequioso, em 1985, cuja pena acabou suspensa, um ano depois, por conta da pressão popular. Diante de uma nova ameaça de punição em 1992 por perseguição de Roma, renunciou renunciou às suas atividades de padre e se auto-promoveu ao estado leigo. “Mudou de trincheira para continuar a mesma luta”, como ele mesmo define. Deixou a batina, mas continua até hoje a ser uma das principais vozes da Teologia da Libertação.

Francisco de Assis e Francisco de Roma

Justamente este cristão, que a Igreja em um passado recente perseguiu, puniu e o perdeu, é que hoje toma a iniciativa de sair em defesa do papa Francisco contra cardeais e a direita da Igreja que não escondem mais o incômodo que a simplicidade do cardeal Jorge Mario Bergoglio, no cargo de sumo pontífice, os provoca.

Em Roma, em conversa com o embaixador argentino junto à Santa Sé, Eduardo Valdès, Boff  soube que o pontífice se sente pressionado e até traído por Cardeais e por gente da direita católica do mundo inteiro. Da conversa surgiu a ideia do apoio mundial a Francisco que vem revolucionando a Igreja Católica Romana e tem se mostrado, em diversas situações, como um dos maiores líderes da Humanidade nos tempos atuais

Assim, nesse encontro, surgiu a ideia de um movimento mundial de apoio a Papa. É o próprio Boff quem explica:

Leonardo Boff foto ihu.unisinos.br

Leonardo Boff foto ihu.unisinos.br

Há uma campanha mundial e especialmente dentro da Cúria Romana de forte oposição ao Papa Francisco, especialmente ao seu modo carinhoso e informal que caracteriza seu estilo de ser Pastor da Igreja Universal e bispo de Roma. Grupos fortes dentro e fora dos quadros eclesiais que objetivam desestabilizar e até ridicularizar seu modo de ser Papa, despojado dos símbolos de poder, bem no estilo de São Francisco de Assis de quem tomou o nome”.

Por conta disso, por proposta de Boff, no II Congresso de Teologia Continental, realizado em Belo Horizonte entre os dias 26-30 de outubro sob o lema  A Igreja que caminha no Espírito a partir dos pobres foi tirada a  carta aberta em apoio ao Papa Francisco. Logo aderiram cerca de 300 pessoas do Brasil, de toda  América Latina, do Caribe e de representantes da Europa, do Canadá e dos Estados Unidos.

Nesta segunda-feira, pela manhã, Boff comentou:

“Vamos levar ao mundo inteiro esta nossa carta pois a tendência em Roma é devolver o Papa à sua Argentina, de qualquer forma”.

A adesão deve ser feita por e-mail, sendo que o embaixador da Argentina junto ao Vaticano criou um e-mail especialmente para isso:

Peço-lhe agora um favor: o embaixador argentino junto ao Vaticano, Eduardo Valdes, sugeriu que em vez de mandar as adesões à Valentina Carusi (e-mail [email protected]) deve ser mandado para outro e-mail pois, caso contrário poderia haver um problema diplomatico já que a Valentina é funcionária da embaixada.
Agora, reenvie as cartas, como estão agora no meu texto. O novo e-mail é [email protected]
 Grande abraço

A propósito, no Facebook do meu amigo, o professor da PUC-RJ João Ricardo Dornelles, surge o link para um artigo de Por Francesco Peloso, no Domtotal (via Outras-palavras.net) : Cresce o cerco ao “Papa herege”. Vale reproduzir apenas a abertura do artigo :

“Duas forças boicotam Francisco: conservadores do clero, que rejeitam abertura antidogmática; e poder econômico, insatisfeito com pregação social. A seu favor, pontífice tem força da palavra

Por Francesco Peloso, no Domtotal

As tropas ultratradicionalistas não aguentam: o papa que veio do fim do mundo não as agrada, nunca lhes agradou, para dizer a verdade, só que agora o ruído de fundo, o descontentamento que se sentia como um rumor à distância, explodiu.

O papa não é católico, acusam elas, é quase um herege, melhor; elas se aproximam, assim, das clássicas posições sedevacantistas dos lefebrvianos, a Fraternidade São Pio X, que continua sendo, para muitos deles, um ponto de referência.

O ponto de inflexão foi o Sínodo sobre a família ou, melhor, os dois Sínodos: por muito tempo, a ala conservadora mais intransigente cultivou o objetivo de frustrar o projeto reformista do papa que colocava fora de jogo a doutrina concebida como ideologia: quem está em regra está dentro; todos os outros estão fora. Nada de misericórdia, nada de amor de Deus, nada de acolhida: portas fechadas, e não se fala mais disso”

continua: http://outras-palavras.net/outrasmidias/?p=228398.

Abaixo, reproduzimos a íntegra da carta. No blog de Leonardo Boff, ela aparece em diversas línguas.

 

        Carta de apoio ao Papa Francisco

           

Ao ser eleito, o cardeal   Jorge Bergoglio ouviu do cardeal brasileiro Cláudio Hummes (à direita): "não se esqueça dos pobres".

Ao ser eleito, o cardeal Jorge Bergoglio ouviu do cardeal brasileiro Cláudio Hummes (à direita): “não se esqueça dos pobres”.

Querido Papa Francisco,

Somos muitos na América Latina, no Caribe e noutras partes do mundo que acompanhamos com preocupação a oposição e os ataques que lhe fazem minorias conservadoras, mas poderosas de dentro e de fora da Igreja. Perplexos, assistimos a algo inusitado nos últimos séculos: a tomada de posição de alguns cardeais contra o seu modo de conduzir o Sínodo e, mais que tudo, a Igreja Universal.

A carta estritamente pessoal, dirigida ao Sr. foi vazada para a imprensa, como já havia sucedido com sua encíclica Laudato Si’, em clara violação dos princípios de um jornalismo ético.

Tais grupos postulam uma volta ao modelo de Igreja do passado, concebida mais como uma fortaleza fechada do que como “um hospital de campanha sempre aberto para acolher quem lhe bata às portas”; Igreja que deverá “procurar e acompanhar a humanidade de hoje não com portas fechadas, o que trairia a si mesma e a sua missão e que, em vez de ser uma ponte, se tornaria uma barreira”. Estas foram suas corajosas palabras.

As atitudes pastorais do tipo de Igreja proposto em seus discursos e em seus gestos simbólicos se caracterizam pelo amor caloroso, pelo encontro vivo entre as pessoas e com o Cristo presente entre nós, pela misericórdia sem limites, pela “revolução da ternura” e pela conversão pastoral. Esta implica que o pastor tenha “cheiro de ovelha” porque convive com ela e a acompanha ao longo de todo o percurso.

Lamentamos que tais grupos, o mais que fazem é dizer não. Recordamos a esses nossos irmãos as coisas mais óbvias da mensagem de Jesus. Ele não veio dizer não. Ao contrário, ele veio dizer sim. São Paulo na segunda Epístola aos Coríntios nos recorda que “o Filho de Deus sempre foi sim, porque todas as promessas de Deus são sim em Jesus” (2 Cor 1,20).

No evangelho de São João, Jesus afirma explicitamente: ”Se alguém vem a mim eu não o mandarei embora” (Jo 6,37). Podia ser uma prostituta, um leproso, um teólogo medroso como Nicodemos: a todos acolhia com amor e misericórdia.

A característica fundamental do Deus de Jesus, “Abba”, é sua misericórdia ilimitada (Lc 6,36) e seu amor preferencial pelos pobres, doentes e pecadores (Luc 5,32; 6,21). Mais que fundar uma nova religião com fieis piedosos, Jesus nos veio ensinar a viver e a realizar a mensagem central do Reino de Deus, cujos bens são: o amor, a compaixão, o perdão, a solidariedade, a fome e sede de justiça e a alegria de todos sentirem-se filhos e filhas amados de Deus.

Os intentos de deslegitimar seu modo de ser bispo de Roma e Papa da Igreja universal, guiando-se mais pela caridade do que pelo direito canônico, mais pela colegialidade e pela cooperação do que pelo exercício solitário do poder serão vãos, porque nada resiste à bondade e à ternura das quais o Sr. nos dá um esplêndido exemplo. Da história aprendemos que, onde prevalece o poder, desaparece o amor e se extingue a misericórdia, valores centrais da sua pregação e da de Jesus.

Neste contexto, face à nova fase planetária da história e às ameaças que pesam sobre o sistema-vida e o sistema-Terra corajosamente apontadas em sua encíclica Laudato Si’sobre “o cuidado da Casa Comum” queremos cerrar fileiras ao seu redor e mostrar nosso inteiro apoio à sua pessoa e ministério, à sua visão pastoral e aberta de Igreja e à forma carismática pela qual nos faz sentir novamente a Igreja como um lar espiritual. E são tantos de outras igrejas e religiões e do mundo secular que o apoiam e o admiram pelo seu modo de falar e de agir.

Não é destituído de significação o fato de que a maioria dos católicos vive nas Américas, na África e na Ásia, onde se constata grande vitalidade e criatividade em diálogo com as diferentes culturas, mostrando vários rostos da mesma Igreja de Cristo.

A Igreja Católica é hoje uma Igreja do Terceiro Mundo, pois somente 25% dos católicos vivem na Europa. O futuro da Igreja se decide nessas regiões onde sopra fortemente o Espírito.

A Igreja Católica, não pode ficar refém da cultura ocidental que é uma cultura regional, por maiores méritos que tenha acumulado. É preciso que se des-ocidentalize, abrindo-se ao processo de mundialização que favorece o encontro das culturas e dos caminhos espirituais.

Querido Papa Francisco: o Sr. participa do mesmo destino do Mestre e dos Apóstolos que também foram incompreendidos, caluniados e perseguidos.

Mas estamos tranquilos porque sabemos que o Sr. assume tais tribulações no espírito das bem-aventuranças. Suporta-as com humildade. Pede perdão pelos pecados da Igreja e segue as pegadas do Nazareno.

Queremos estar ao seu lado, apoiá-lo em sua visão evangélica e libertadora de Igreja, conferir-lhe coragem e força interior para nos atualizar, por palavras e gestos, a Tradição de Jesus feita de amor, de misericórdia, de compaixão, de intimidade com Deus e de solidariedade para com a humanidade sofredora.

Enfim, querido Papa Francisco, continue a mostrar a todos que o evangelho é uma proposta boa para toda a humanidade, que a mensagem cristã é um força inspiradora no “cuidado da Casa Comum” e geradora de uma pequena antecipação de uma Terra reconciliada consigo mesma, com todos os seres humanos, com a natureza e principalmente com o Pai que mostrou ter características de Mãe de infinita bondade e ternura. Ao final, poderemos juntos dizer: “tudo é muito bom”(Gn 1,31).

O apoio deve ser enviado à [email protected]  da embaixada argentina junto à Santa Sé.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *