Registro 564/2018: do HC de Lula descumprido
11 de julho de 2018
Justiça do PR contraria STF e ainda manda indenizar delegada
16 de julho de 2018

Marcelo Auler

Na posse de Favreto, em 2011, Lamachia – que defendeu sua indicação – representou o presidente do Conselho Federal da OAB. Hoje se cala. (Foto: reprodução do site da OAB/RS)

Durante a “chanchada do solta-não-solta de domingo”, como definiu Tereza Cruvinel em sua coluna no Jornal do Brasil nesta sexta-feira 13 – Esperando alguma luz – a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) emitiu nota oficial em que choveu no molhado.

Falou o obvio, Conselho Federal e Colégio de Presidentes de Seccionais destacam a necessidade de um judiciário moderador. Não tomou partido na celeuma criada a partir da determinação de um desembargador desobedecida pelo empenho pessoal de um juiz de piso em férias e de dois outros desembargadores iguais, como noticiamos em Registro 564/2018: do HC de Lula descumprido.

O silêncio da OAB gerou estranheza a muitos de seus associados. Principalmente após uma provocação à categoria, por meio de nota oficial, da parte da não tão conhecida União Nacional dos Juízes Federais – UNAJUFE.

No próprio domingo, no seu site, ela divulgou a sua posição em  Repúdio à soltura de Lula, com um subtítulo – Politização Ilegal no Judiciário. Não ficou em cima do muro. Seu direito. Ao se posicionar, porém, avançou além da questão em tela – o desrespeito a uma decisão de desembargador no exercício do plantão do TRF-4 – batendo, de graça, no princípio do quinto constitucional:

A decisão proferida pelo Desembargador, oriundo do chamado quinto constitucional, apenas demonstra que é necessária uma profunda reformulação do Poder Judiciário em razão do aparelhamento político que este órgão sofreu nos últimos 15 anos, colocando a nu situações esdrúxulas de indicações políticas“.

Na crítica, portanto, à decisão do desembargador Rogério Favreto – que, no entendimento do ex-corregedor do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Gilson Dipp, expressado ao site Jota, foi “quem menos errou, em termos de competência” – a UNAJUFE bateu em um princípio caro aos advogados. Quis desmerecer o desembargador por ele ser oriundo da tribuna de defesa e não dos bancos da magistratura.

O curioso neste silêncio da OAB é que o seu presidente, Cláudio Lamachia, o primeiro gaúcho a ficar à frente do Conselho Nacional da Ordem, quando presidente da seccional do Rio Grande do Sul, em 2010, lutou pela indicação de Favreto.

Foi na discussão da indicação do nome dele quando da elaboração da lista tríplice de advogados a ser encaminhada ao TRF-4 que deveria remetê-la à então presidente Dilma Rousseff. Da lista sairia o substituto do desembargador Valdemar Capeletti, que se aposentou.

Na época, o nome de Favreto foi bastante questionado tanto por ter atuado em governos municipal, estadual e federal do PT, como por ser gaúcho (ele é natural de Tapejara, RS), uma vez que Capeletti era originário de Santa Catarina. Na ocasião, Lamachia defendeu a indicação do conterrâneo, como registrou a revista eletrônica Conjur , em 14/10/2010:

“Para o presidente da seccional gaúcha da OAB, Cláudio Lamachia, o território não pode definir a composição da lista. “Os cargos devem ser preenchidos segundo critérios profissionais e não territoriais. Os melhores devem ser indicados”, defende”.

Dilma respeitou a lista – Hoje, quando muitos criticam a nomeação de Favreto por ter sido um advogado que trabalhou em governos do PT – esquecendo que ele não foi o primeiro e que esta não é uma prática apenas do PT – não lembram algo mais importante.

O atual desembargador alvo de toda a celeuma criada em torno do HC que libertaria Lula foi o mais votado entre os seis concorrentes à lista tríplice que o Conselho Federal da Ordem apresentaria ao TRF-4.

Ele teve 27 votos, seguido dos colegas Oswaldo José Pedreira Horn (com 26 votos) e Liliane Maria Busato Batista (com 24 votos). A então presidente Dilma, como foi praxe nos governos petistas, respeitou a lista indicada pelos próprios advogados.

Como lembram alguns deputados, Lamachia trabalhou nos bastidores políticos de Brasília para confirmar a indicação do gaúcho Favreto pela Presidência da República. O primeiro da lista.

Vitorioso, representou o então presidente do Conselho Federal da OAB, Ophir Cavalcante, na posse do desembargador, em Porto Alegre. Por isso, o silêncio da OAB, cujo Conselho Federal tem Lamachia como presidente, provoca estranheza em alguns advogados. Nenhum gesto em defesa de Favreto. Ou ao descumprimento de uma decisão judicial obtida por advogados. Nem, tampouco, nenhum posicionamento diante do ataque ao quinto constitucional dos advogados. Emudeceu. Omite-se.

Provocada por Gebran Neto, o que fará a OAB?

O pedido de prisão em flagrante contra Sérgio Moro, foi desentranhado dos autos pelo desembargador Gebran Neto Fotos: reproduções)

Surge, porém, uma nova chance para a OAB sair do muro em que se instalou e se posicionar sobre o descumprimento de uma liminar exarada pelo desembargador Favreto. Resulta de uma decisão do desembargador do TRF-4 João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato naquele tribunal.

No domingo, acionado pelo juiz de piso, Sérgio Moro, que  estava em férias, Gebran interferiu no caso. Avocou o HC, que não lhe tinha sido ainda distribuído, para suspender a ordem de um colega seu de tribunal concedendo a liberdade ao ex-presidente.

Gesto inusitado para muitos juristas. Como o ex-corregedor Dipp disse ao site Jota: “Ambos desembargadores do TRF4. Um determina o contrário do outro. Isso não poderia haver”.

Na quarta-feira (11/07), Gebran se insurgiu contra um pedido atravessado no mesmo HC assinado inicialmente por 15 advogados, encabeçados por Tânia Mara Mandarino, todos do Coletivo de Advogadas e Advogados pela Democracia, de Curitiba. Posteriormente outros 44 advogados aderiram ao pedido, entre eles o ex-deputado federal constituinte, Aldo Arantes.

Solicitavam ao plantão do TRF-4 naquele domingo, ou seja, a Favreto, a prisão em flagrante do juiz Sérgio Moro e do Delegado Regional Executivo da Superintendência do DPF no Paraná, Roberval Ré Vicaldi.

Na petição, alegam que os dois, ao não cumprirem o Alvará de Soltura de Lula, em tese incorreram nos delitos previstos nos Art. 330  (Desobedecer a ordem legal de funcionário público); Art. 319 (Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal, entre outros.

Ao despachar no caso, Gebran considerou que “nenhum dos supostos subscritores do pedido possui legitimidade para tal requerimento e sequer seria o presente habeas corpus o meio apropriado para tanto. Além de ser pedido estranho aos limites da causa, os subscritores não são integrantes da relação processual, tampouco comprovaram a constituição da entidade que nominaram”. Concluiu:

Enfim, pedidos desta espécie em nada colaboram com a solução da causa, ao revés, apenas trazem tumulto processual“.

Referiu-se ainda a uma petição da advogada, Luciana Nascimento Costa de Medeiros para que retirasse seu nome da relação. Ela alegou não ter sido consultada no momento da inclusão.

Além de mandar desentranhar dos autos eletrônico a petição, Gebran determinou que “qualquer novo pedido idêntico, independente de nova conclusão, seja igualmente desentranhado dos autos pelo Gabinete ou pela Secretaria dos Órgãos Julgadores”

Não ficou por aí. Entendeu que deveria fazer mais. Mandou que comunicassem “à Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional do Estado do Paraná, com cópias das petições desentranhadas dos eventos 28 e 54 e da petição do evento 52 para os fins de direito”.

Não fica claro o que o desembargador quer com tal comunicação à OAB. Provavelmente espera alguma repreensão aos advogados. Talvez por constar o nome de alguém que disse não ter admitido. O que pode ter sido causado – como muitas vezes acontece em abaixo-assinados -, na hora da coleta dos nomes dos participantes. Sem má fé

Mas, certamente, ele oferece à OAB oportunidade de sair do silêncio em que se encontra. Poucos advogados acreditem que isso ocorrerá. Afinal, uma gestão que endossou um impeachment sem qualquer crime de responsabilidade, no caso presente deverá optar pelo silêncio. É mais cômodo. Ainda que seja uma omissão, em um caso de descumprimento de uma ordem judicial. Afinal, advogados são os primeiros a saber, que ordens judiciais podem ser discutidas e até revistas, mas devem ser cumpridas. Sejam certas ou erradas. No caso, na República do Paraná, não foi.

 

AOS LEITORES: Esta é mais uma postagem com informações exclusivas que o Blog traz aos seus leitores. Fruto de um trabalho de conquista de fontes e garimpagem de notícias ao longo dos últimos meses. Resultado também das muitas viagens que temos feito a Curitiba (PR), São Paulo (SP) e Porto Alegre (RS). Como é público, sobrevivemos com a ajuda dos leitores/apoiadores. Ajuda imprescindível na divulgação de nossas postagens, para atingir a um maior número de pessoas. Como também com contribuições financeiras que servem para o sustento da página e o pagamento de despesas de nossas viagens. Contribuições que podem ser feitas em qualquer valor, em qualquer periodicidade, na conta bancária exposta no quadro ao lado. Mais uma vez agradecemos aos que já contribuem e àqueles que vierem a contribuir.

5 Comentários

  1. Castor Baptista disse:

    Com certeza a OAB ficará em cima do muro. Isto pq não quer qualquer indisposição com a Justiça Federal, inclusive opinar sobre o quinto constitucional a ela reservado, por ser a maior interessada na instalação dos TRFs que conseguiram fazer passar através de uma alteração no ADCT da Constituição Federal, cuja autoria da Emenda foi do ex-deputado André Vargas (aliado com a “causa”).
    Basta uma simples leitura da EC 73/2013 e do art. 96, II, c, da CF. Aí entenderão pq a OAB ficou em silêncio e pq o Min. Joaquim Barbosa ficou tão bravo com essa emenda.
    Isso a Ajufe e a OAB não falam. Só lembram que o presidente do STF não sabia o nome do presidente da associação.

  2. João de Paiva disse:

    Os crimes cometidos pelos desembargadores João Pedro Gebran Neto, que naquele fim de semana, fora de serviço, não tinha NENHUMA jurisdição sobre o objeto do HC – nem mesmo sobre o processo criminal original, que resultou numa esdrúxula e não fundamentada/provada condenação do Ex-Presidente Lula pela 8ª turma do TRF-4, já que esse processo se encontra em fase recursal em tribunal superior – e Carlos Eduardo Thompsom Flores, também fora de serviço, que inventou um conflito “inexistente” de jurisdição entre Gebran Neto e Rogério Favreto, para assim cassar o HC que colocava em liberdade o Ex-Presidente Lula. Os crimes desses desembargadores ocorreram em seqüência a outros mais graves, cometidos pelo juiz de piso, Sérgio Moro, que sem qualquer jurisdição sobre o caso, ordenou a delegados da PF descumprirem a decisão judicial exarada pelo desembargador Rogério Favreto; além desse crime, Sérgio Moro consultou os outros desembargadores (Gebran Neto e Thompsom flores) que se acumpliciaram a ele, coonestando os crimes do juiz de piso. Como se isso fosse pouco, o Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, também cometeu crime grave, pois chancelou os crimes de Sérgio Moro, ao ordenar os delegados da PF que descumprissem a decisão judicial exarada por um desembargador.

    A partir das trapalhadas e crimes narrados acima, a presidente do STJ, Laurita Vaz, esta sim com competência jurisdicional para revisar a decisão do desembargador Rogério Favreto, não conseguiu fundamentação jurídica para cassar o HC que colocava em liberdade o Ex-Presidente Lula. Sem argumentos jurídicos ela usou expressões rasteiras, grosseiras e ofensivas contra o desembargador Favreto; Laurita Vaz redigiu um panfleto de pura politicagem, pois incapaz que ela foi de reunir argumentos jurídicos para anular a decisão de Favreto. A cereja do bolo – ou melhor, a pontinha dos excrementos produzidos pelos lavajateiros do sistema judiciário – foi a ação impetrada pela PGR, Raquel Dodge, em que ela pede a punição máxima, ou seja, a aposentadoria compulsória do desembargador que ousou cumprir a Lei e a CF/1988, contrariando as práticas políticas nazifascistas da ORCRIM Fraude a Jato. A ação proposta pela PGR carece de qualquer fundamentação jurídica, mas é cópia carbono dos processos que levaram à aposentadoria compulsória três ministros do STF que se opunham à ditadura militar, quando foi decretado o AI-5. Os golpistas do sistema judiciário lavajateiro ficaram nus, expostos à luz solar; não há mais qualquer juridiquês ou latinório pedante que seja capaz de encobrir o desavergonhado e manipulatório discurso ostentado pelos golpistas dos sistemas midiático e judiciário até o sábado, dia 7 de julho de 2018.

  3. Instigante a matéria sobre as trapalhadas dos que se julgam donos do Trf4. Vamos aguardar a manifestação da OAB. Só lembrando que as advogadas e advogados que firmaram o pedido de prisão dos “desobedientes/infratores, são antes de tudo, cidadãos e como tal, tem o dever de exigir o cumprimento da lei. Parabéns pela matéria.

  4. Guilherme disse:

    Como de costume: covardes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *