Já não é mais o diesel: é “Fora Parente & Fora Temer”
28 de maio de 2018
STF cassa censura da DPF Érika ao Blog
6 de junho de 2018

Arnaldo César (*)

Sérgio Etchegoyen: o homem moderno que não enxergou o que se passava. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

A paralisação dos caminhoneiros caminhava para o seu quarto dia, quando o general Sérgio Etchegoyen, ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), chamou aos jornalistas amigos, num canto do Palácio do Planalto, para fazer um comentário aparvalhado.

O funcionário encarregado de abastecer o presidente impostor de informações sobre o que estava acontecendo nas rodovias brasileiras confessou-se surpreso por não ter visto nenhuma bandeira vermelha, políticos de esquerda ou direita e estandarte de qualquer outra cor decorando os quase 700 piquetes que tomaram conta das rodovias.

O general – que tem como subordinada uma multidão de “arapongas” e alcaguetas de toda a sorte – mostrava-se aliviado com o caráter apolítico do movimento. Elogiou a serenidade como o movimento estava sendo conduzido.

Na última terça-feira (dia 29/05), ou seja seis dias depois de conversa ao pé do ouvido com os repórteres que cobrem o governo, Etchegoyen – não esqueçam, o servidor encarregado da inteligência do governo que aí está – apareceu “Jornal Nacional”, exibindo um volumoso relógio de pulso, para dizer que os pedidos de intervenção militar que apareceram grafados em faixas e em alguns para-brisas de caminhões não faziam o menor sentido.

Marun, Padilha e Etchegoyen três dos quatro ministros responsáveis pelas trapalhadas do governo nesta greve, Foto:Antonio Cruz/Agência Brasil

Atabalhoadas negociações – Meio que falando em nome das Forças Armadas ele fez uma analogia que considerou apropriada para o momento. “Os militares não pilotam olhando para o retrovisor do passado. Estamos no século 21”, relembrou o ministro. Ele está convencido de que não há mais espaços para a volta da ditadura militar. Dissimulado esse general!

Além de Etchegoyen outros três colegas ministros se ocuparam das atabalhoadas negociações com os grevistas. São eles:  o abúlico Eliseu Padilha, ministro chefe da Casa Civil; o canhestro Carlos Marun, ministro da Secretaria de Governo e o “voz de veludo” Raul Jungmann, ministro extraordinário da Segurança Pública.

Os quatro somados a Michel Temer constituíram o quinteto mais atrapalhado da história da República. A começar pelo fato de terem feito duas negociações com oportunistas que não tinham a menor representatividade entre os manifestantes. Entregaram tudo que pleiteavam e a greve só fez engrossar.

Categoria “desacorçoada” – Embora Etchegoyen encha o peito para falar que é um homem moderno, sintonizado com o seu tempo, nem ele e tampouco os seus parceiros não perceberam, em momento algum, que estavam diante de novo tipo de protesto, no qual as lideranças são difusas. Ou, como preferem os acadêmicos: “horizontalizada”.

Em vez das ruidosas assembleias nas sedes dos sindicatos, os caminhoneiros refletem e tomam decisões sobre o encaminhamento da paralisação através de aplicativos como o WhatsApp ou mesmo de redes sociais como: Facebook ou Twitter.

Na reportagem de Josette Goulart para a revista Piauí , Etchegoyen teria mais informações do que as passadas por seus arapongas.

Se o quinteto tivesse se dado ao trabalho de ler reportagem feita pela jornalista Josette Goulart para a revista Piauí – FALTA COMBINAR NO WHATSAPP – teria sabido com certa antecedência como os caminhoneiros se comunicam, o que pensam e o que sejam para o País. Lá, dá para se perceber, claramente, que muitos desses líderes professam o mesmo ideário do neonazista Jair Bolsonaro, candidato a presidente da República pelo quase clandestino Partido Social Liberal – PSL.

O quinteto de golpista precisou de nove dias de “intensas” negociações para descobrir que a greve dos caminhoneiros está repleta de “infiltrados”. O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros – Abcam -, José da Fonseca Lopes, foi um dos primeiros a alertar ao governo para este fato. Prometeu inclusive “dar nome aos bois”. O que não aconteceu até agora.

O que Temer e sua camarilha jamais entenderão é que os caminhoneiros, a exemplo de uma parcela considerável da classe média-média deste País está desesperançada. No dialeto dos manifestantes das estradas: “desacorçoada”. Imaginavam que o combate à corrupção seria o bálsamo de todos os balsamos para curar as mazelas do País.

Emoções virão – Por não entender muito bem o que se passa nos meandros da “República de Curitiba”, este segmento da população via no juiz Sérgio Moro o “Messias que veio para salvar o mundo”. Especialmente, quando com suas sentenças esdrúxulas mandavam trancafiar empresários e políticos de esquerda. Iludiram-se.

Com o passar do tempo os brasileiros conservadores também passaram a perceber que a corrupção é endêmica. É praticada por gente de todos os quadrantes – tanto de esquerda quanto de direita. Bateram panelas, ofenderam a ex-presidente Dilma Rousseff e ficaram esfuziantes com a prisão de Lula. Só que nada mudou. Ao contrário. Piorou.

Decepcionados, passaram a achar que só os militares seriam capazes de salvar o Brasil do caos. Pouco se importando se junto com os governantes fardados viessem a ditadura, torturas e restrição das liberdades individuais.

E, o pior: nas cidades há contingentes enormes de cidadãos que pensam da mesma maneira. Isso explica o fato dos grevistas terem tido um apoio incondicional por parte da opinião pública. Justamente, aqueles que penaram com toda a sorte desabastecimentos.

A confusão provocada pelos caminhoneiros desesperançados é só o começo. Preparem seus corações! Emoções fortes estão por vir! É bom não esquecer que não faltam oficiais nas Forças Armadas sedentos para retornar à ribalta do Palácio do Planalto.

(*) Arnaldo César é jornalista e colaborador deste blog.

 

AOS LEITORES: O Blog busca notícias exclusivas e com enfoques diferentes ou análises políticas como esta de Arnaldo César. Isso provoca uma redução das postagens. Com menos publicações, dependemos do compartilhamento de nossas chamadas para atrair maior número de leitores à página. Também nos ajudam, e muito, as doações dos que acreditam no nosso trabalho e colaboram para a sobrevivência destas páginas. As contribuições podem ser feita em quaisquer valores, em qualquer periodicidade, na conta bancária explicitada no quadro ao lado. Agradecemos a quem puder compartilhar nossas postagens, aos que ajudam no sustento do site, bem como às novas contribuições

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *