Enfim, a “diferença” dos Bolsonaros a Lula e aos ex-presidentes
19 de janeiro de 2019
Caso Queiroz/Bolsonaros: a questão é o que não responderam
22 de janeiro de 2019

Arnaldo César (*)

Em outubro passado, ao declarar apoio a Bolsonaro, Regina Duarte colocou como primeira medida “resolver a impunidade”. Hoje…. (Foto: reprodução do site Terra)

A atriz global Regina Duarte não é a primeira – e, tampouco será a última – reacionária a pular fora da canoa furada do governo que aí está. O festival de incompetências, boçalidades e trapaças que tem assustado o País, nestas três primeiras semanas do ano, começou a corroer o prestígio do folclórico Jair Bolsonaro.

Na FIESP – a catedral da elite brasileira – alguns de seus membros notórios, a portas fechadas, reclamam das “maluquices do capitão”. O mesmo acontece na FIRJAN – a sucursal carioca da federação dos sindicatos empresariais que apostaram pesado no empoderamento da extrema direita na condução do Brasil.

Ao contrário da “ex-namoradinha do Brasil”, esses “impolutos cidadãos” preferem fazer suas críticas ao governo longe dos holofotes e dos microfones. Por ora, estão se articulando nos bastidores. Assim têm conseguido reverter algumas decisões que, se fossem implementadas como desejava o novo governo, teriam produzido desastres irreparáveis na vida das empresas.

O vai-e-vem da saída do Brasil do “Acordo de Paris” é uma dessas calamidades interrompidas a tempo de causarem prejuízos monumentais. Voluntarioso ao extremo, Bolsonaro e sua turma não têm paciência para fazer contas ou mesmo para se aprofundar no estudo das questões cruciais para a Nação.

Se o tratado mundial de preservação do meio ambiente fosse rompido, o Brasil perderia mais de US$ 30 bilhões por ano. Milhares de investidores internacionais em “crédito de  carbono” (investimento feito em empresas que se dedicam a reflorestamento e preservação de mata nativa) ameaçaram deixar de aplicar no Brasil. Levariam seus dólares para nações, onde os governantes apresentassem alguns sinais de sanidade.

Os exemplos do que ocorre com Trump, nos EUA, e May, na Inglaterra, não são nada animadores para Bolsonaro e seus seguidores (Foto: reprodução internet)

O que está acontecendo na Inglaterra e nos Estados Unidos tem servido de sinal de alerta para aqueles que batiam palmas e brindavam com champanhe a chegada do candidato da extrema direita ao Palácio do Planalto.

O Reino Unido vive à beira de um precipício. A direita inglesa, comandada pelo Partido Conservador, resolveu tirar o País da Comunidade Econômica Europeia. Em 2016, fizeram um plebiscito – Brexit – para sacramentar tal  decisão. O resultado foi apertado, 51,9% contra 48,1%,

A golpes de ‘fakenews” e doses cavalares de ódio contra os imigrantes, os ingleses foram iludidos. Apostaram que ficariam mais ricos fora da União Europeia. Nem bem saíram e já começaram a experimentar a maior recessão econômica deste século. Tanto que agora já admitem um novo escrutínio para sacramentar a permanência no bloco europeu.

Tereza May, a primeira ministra conservadora vem sendo triturada no campo político interno e externo. Nas casas de apostas de Londres a sua renúncia passou a ser dada como liquida e certa.

Nos Estados Unidos, Donald Trump e a sua obsessão pela construção de um muro, na divisa com o México, poderá empurrar o País para uma greve geral ou o caos. Em Los Angeles, 30 mil professores se mobilizam por uma paralisação de proporções nacionais. É por essas e por outras que correligionários do próprio Partido Republicano falam abertamente no seu impeachment.

É bom lembrar que essa quebra de braço com os democratas por conta do muro contra imigrantes é café pequeno se for comparado com maluquices que o bilionário-presidente tenta perpetrar do alto da sua arrogância.

Mandar o seu advogado particular mentir junto ao Congresso dos Estados Unidos sobre construções de prédios em Moscou pode vir a ser a bala de prata que abaterá o presidente do topete mais exótico da história dos Estados Unidos.

Quem se der o trabalho de ler o livro “Medo, Trump na Casa Branca”, do premiadíssimo jornalista Bob Woodward, ficará sabendo que por diversas vezes seus arroubos e voluntarismos colocaram em risco a segurança nacional dos norte-americanos.

Para a sorte deles, nos Estados Unidos existem tecnocratas de carreira comprometidos com a Nação que conseguiram tourear o despreparado Trump e evitar tragédias maiores. Por aqui, pelo visto, os mais competentes foram enxotados da administração pública por serem considerados petistas, comunistas ou socialistas. Ainda que não o fossem.

Gal. Hamilton Mourão: diplomacia paralela. (foto: divulgação)

É bem verdade que o vice-presidente, General Hamilton Mourão, assustado com corolário de besteiras disparadas pelo seu colega do Ministério das Relações Exteriores,  Ernesto Araújo, passou a receber no seu gabinete representantes diplomáticos em Brasília. Está fazendo diplomacia paralela.

Mourão também sugeriu a criação de conselho de política externa composto por ministros de outras áreas, justamente para evitar que outros desastres venham ser cometidos pelo chanceler que tem por mania discursar falando nas línguas tupi-guarani, latim e grego.

Só que o próprio Mourão não é um primor de equilíbrio. Volta e meia é visto no Facebook desafiando seus amigos de farda para “pagar flexões”, em lugares públicos.  O que significa que vamos ter que aturar por algum tempo “conversas com Jesus ao pé da goiabeira”, “liquidificadores assassinos” e toda a sorte de desvarios que os bolsonaristas são capazes de cometer.

Enganam-se, portanto, , aqueles que imaginaram que, se as coisas estão desmoronando para a direita lá fora, o mesmo se dará por aqui mais tempo ou menos tempo. Jânio Quadro, lembram os acomodados levou sete meses para ser destituído. Fernando Collor demorou um pouquinho mais: dois anos.

O processo de corrosão junto à opinião pública é lento. Por enquanto, os incautos que apostaram no capitão e sua tropa de parvos continuam acreditando que os “desencontros atuais são meros frutos daqueles que acabaram de assumir o poder”. A mídia convencional acovardada e os “fakenews” que continuam sendo disseminados pelos bolsonaristas se encarregam de colocar panos quentes em tudo. Ambos permanecem operando como se ainda estivéssemos em  campanha eleitoral.

Evangélicos e católicos que votaram irrefletidamente no capitão estão engolindo em seco, por exemplo, o desmantelamento do “Programa Mais Médicos”. Acreditaram que o novo governo reporia rapidamente os 9 mil profissionais cubanos que trabalhavam nas periferias das grandes cidades e nas áreas de fronteira. Não repuseram. Os cidadãos de menor poder aquisitivo, agora estão ao “Deus-dará”.

O mesmo acontecerá com mais de 1,6 milhões de brasileiros que vivem no exterior. O Brasil de Bolsonaro retirou-se do  novo Acordo Mundial de Imigração da ONU. Assim os patrícios que vivem lá fora perdem uma série de proteção nas áreas de saúde, previdência, alimentação, educação e habitação.

“Ficar indignado com as tramoias da família presidencial é perda de tempo” (Foto: reprodução redes sociais)

É certo que a mais recente denúncia do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeira) contra ao recém diplomado senador Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) continuará recebendo de alguns ministros do STF um tratamento obsequioso.

O relatório do Conselho, exibido pelo Jornal Nacional, da última sexta-feira (dia 18), mostrou que o filho mais velho do presidente recebeu, quando deputado estadual no Rio,  em um mês (junho de 2017), 48 depósitos bancários de R$ 2 mil cada, totalizando a bolada de R$ 96 mil. Novos trechos mostraram, na edição de sábado (19), pagamentos de um título de R$ 1 milhão. Não se sabe o beneficiário desse dinheiro. Mas, os valores nada desprezíveis.

As suspeitas são de que Flavio tinha o péssimo – e condenável – hábito de exigir “rachadinhas” dos funcionários que serviram no seu gabinete, no parlamento fluminense. Na sua edição dominical (20/01), O Globo levantou mais uma pontinha dos tapetes das mansões dos Bolsonaros repleto de malfeitorias.

Também com a ajuda do COAF verificou que o lugar-tenente do Senador Flávio Bolsonaro, o PM e motorista de taxi Fabrício Queiroz, movimentou entre os anos de 2014 e 2017 a bagatela de R$ 7 milhões. Nada mal, para quem faz “rolo” com carros usados e dirige táxi pelas ruas do Rio!

O jornalista Luiz Nassif, no seu site “GGN” – Xadrez do fim do governo Bolsonaro, por Luis Nassif -, faz previsões sombrias sobre o desfecho da propinagem descoberta na Assembleia do Rio. Prevê uma corrida alucinada em torno do patrimônio acumulado pela família presidencial ao longo de quase três décadas na política. Só em nome do senador Flávio há 19 operações no mercado imobiliário do Rio

E, o pior: com a ajuda de informações publicadas pelos jornais Extra, O Dia e pelo site G1, Nassif evidencia ligações de Flávio Bolsonaro com o miliciano Wellington da Silva Braga, o Ecko que atuava no Zona Oeste do Rio. .

Ficar indignado com tantas tramoias da família presidencial é perda de tempo. Aos 90 milhões de brasileiros que não votaram em Bolsonaro cabe, agora, o resgate desta Nação. Não esperem nada do Judiciário ou do Legislativo. Não esqueçam que estes poderes, antes mesmo da extrema direita ter chegado em Brasília, já estavam cooptados! Esses poderem tiveram – e tem – um único objetivo destruir Lula e o PT. O resto, o “ministro amigo” Luiz Fux ajeita um meio de tapar o sol com a peneira. n>

(*) Arnaldo César é jornalista e colaborador deste blog.

Aos leitores – O Blog busca informações e abordagens novas para oferecer a seus leitores e seguidores. Como o artigo acima. Com isso, nossas postagens são limitadas. Dependemos, então, da colaboração dos leitores no compartilhamento das nossas chamadas para atingirmos um maior número de leituras. Nossa sobrevivência também resulta de doações financeiras – em qualquer valor e em qualquer periodicidade – que nos ajudem nas despesas e investimentos que fazemos, inclusive com viagens e pesquisas. Tendo condições, compartilhe nossas reportagens e contribua com o Blog através da conta bancária exposta no quadro ao lado. Renovamos os agradecimentos àqueles que já colaboram e aos que vierem a colaborar.

7 Comentários

  1. Laerte Pavan disse:

    E a namoradinha do Brasil hein, não acerta uma.

  2. Regina Pavarini disse:

    Perfeita a matéria !!!

  3. João de Paiva disse:

    Artigo nota 10. Contundente, certeiro, impiedoso.

  4. wagdias disse:

    Tudo bem que acharam algo que precisa de esclarecimento , mas comparado a tudo que que os últimos governos fizeram e que tem muito a esclarecer ainda, isso não é nada.

    • Belmiro Machado Filho disse:

      Tentando inutilmente justificar as operações da organização criminosa comandada pelos Bolsonaros? Você terá muito trabalho. Avante!

  5. Cristina disse:

    Eu me enganei. Achei que este governo não duraria 1 ano. Vai durar menos ainda. Pediram 90 dias para ele mostrar a que veio. E 30 dias seis filhos honrosos já estão fazendo. Triste tudo isso. Onde nosso país vai chegar.

  6. Matéria muito esclarecedora acerca da atuação do filho do Bolsonaro, agora é não deixar o assunto morrer. Tem muita lama ainda para ser descoberta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *