Do pão com mortadela ao apê de R$ 165 mi
15 de junho de 2015
Compartilho: Ofensiva de Eduardo Cunha atropela Aécio e Alckmin
17 de junho de 2015

Compartilho: Três vezes zero

Compartilho aqui a abertura da coluna do jornalista Carlos Brickman

Três vezes zero

Geraldo Alckmin, derrotado por Lula na eleição de 2006, foi lançado à Presidência pelo PSDB paulista. Aécio Neves, derrotado por Dilma na eleição de 2014, foi lançado candidato à Presidência pelo PSDB mineiro. Serra, o mais completo de todos – perdeu em 2002 para Lula e em 2010 para Dilma – também quer ser candidato à Presidência, talvez por seu antigo partido, o PMDB. Serra, quem diria! Deixou o partido na época de Ulysses e volta com Eduardo Cunha!

Dizem (mas ninguém confirma) que Alckmin, se perder a disputa interna no PSDB para Aécio, sai candidato pelo PSB. O ajuste passaria pelo apoio de Alckmin à nova socialista Marta Suplicy para a Prefeitura paulistana e ao vice Márcio França, presidente estadual do PSB, para seu sucessor no Governo paulista. Difícil? Muito mais difícil seria tentar eleger os atuais candidatos tucanos.

Aécio confia no recall, na lembrança de sua campanha à Presidência, em que foi derrotado por pouco (mas na qual, ninguém esqueça, por pouco não foi tirado do segundo turno por Marina Silva). E confia no arrependimento dos mineiros que elegeram o petista Fernando Pimentel e agora têm de ser governados por ele.

E Serra é Serra, oras. Passou a vida almejando a Presidência e se preparando para o cargo. Como Quércia, como Luiz Eduardo Magalhães, como Maluf, que nunca chegaram lá, enquanto Sarney e Itamar, que nunca pensaram nisso, chegaram. Mas Serra tem um objetivo e não pretende desistir de seu sonho.

Ah, PSDB! Acredita que juntando três perdedores forjará um vencedor.

Médicos em ação

O presidente do PSDB paulista, deputado Pedro Tobias, médico de profissão, disse, ao lançar o médico Alckmin à Presidência da República, que o Brasil está doente e precisa de um médico.

Mas o Brasil precisa acelerar, e Alckmin – como sabe quem quer que costume ouvir seus discursos – é médico anestesista.

Leia a íntegra da coluna em: www.brickmann.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *