Curtas: Censura prévia vira moda novamente
12 de maio de 2015
Compartilhando: “Reforma política – Uma boa causa”
14 de maio de 2015

Compartilhando: Que interesses defendem nossos parlamentares?

Compartilho um trecho de um artigo do deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) no qual evidencia-se a que interesses nossos representantes do Congresso Nacional atendem.

REFORMA POLÍTICA OU FORMAS DE MARCHA À RÉ NA POLÍTICA?

 Chico Alencar*

“Não é demais lembrar que, na atual composição da Câmara, além de negros, mulheres e indígenas estarem sub-representados, a ‘bancada das empreiteiras’ reúne 214 deputados de 23 partidos, a dos financiados pelos bancos soma 197 de 16 legendas, os frigoríficos ‘apoiaram’ 162 parlamentares, as mineradoras ‘ajudaram’ 85 eleitos. E ainda há as numerosas Excelências defensoras do agronegócio, da bola, da bala, da cerveja, da mídia mercantil, do fundamentalismo… Quem financia manda: sete de cada dez deputados desta nova Legislatura receberam ‘doações’ (=investimentos) de empresas. Que mudanças substantivas nas regras do sistema político desejarão?

A “reforma (política)”, assim, tende a não sê-lo, muito ao contrário: poderá reforçar os mecanismos do status quo, por ser debatida e votada exclusivamente por seus beneficiários. A ótica de qualquer possível alteração está focada no que o detentor do mandato (ou, no máximo, o seu partido) pode ganhar ou perder com isso. O cenário mais provável é que apenas se troquem acessórios da engrenagem que Raymundo Faoro já denunciava há mais de 50 anos, no seu clássico “Os Donos do Poder – Formação do Patronato Político Brasileiro” (Porto Alegre: Ed. Global, 1979, 5ª edição): “o poder – a soberania nominalmente popular – tem donos que não emanam da nação, da sociedade, da plebe ignara e pobre. O chefe não é um delegado, mas um gestor de negócios, gestor de negócios e não mandatário. O Estado, pela cooptação sempre que possível, pela violência se necessário, resiste a todos, reduzido, nos seus conflitos, à conquista dos membros graduados de seu estado-maior (…) A eleição, mesmo formalmente livre, lhe reserva (ao povo) a escolha entre opções que ele não formulou”.

 

*Chico Alencar é deputado federal, líder da Bancada do PSOL na Câmara dos Deputados e titular da Comissão Especial da Reforma Política;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *