Carlos Jurandir: despedida tardia, mas necessária
6 de abril de 2020
Não basta bater panela! É preciso enche-la!
15 de abril de 2020

Arnaldo César (*)

(**) Matéria reeditada às 11:00 H de 09/04/2020

O “Gabinete do Ódio”, instalado no Palácio do Planalto e comandado por Carlos Bolsonaro – “Zero Dois” para os íntimos e “Carluxo” para os demais -, nunca trabalhou tanto como nos últimos dias. A família Bolsonaro não tem feito outra coisa a não ser disseminar o pânico e provocar discórdias.  Especialmente, entre aqueles que podem ajudar o País na maior crise sanitária de toda a sua história.

O vídeo acima foi colocado nas redes sociais pelo exército de robôs pilotados por “Carluxo”, na tarde da última terça-feira (07/04). Trata-se de uma “armação”. Foi elaborado a partir de uma entrevista coletiva dada pelo chefe do Projeto de Emergência da OMS, Michael Brayn, concedida em 30/03/20. Devidamente editada pelo jornalista de extrema-direita, Trucker Carlson, da rede de televisão norte-americana Fox News. É dele o comentário que deturpa o objetivo da fala do chefe do Projeto de Emergência da OMS.

Na versão editada, o vídeo republica pequena parte da fala Brayn, fora do contexto original, de forma a provocar o medo de que famílias venham a ser separadas compulsoriamente, com o isolamento, por exemplo, de pais e filhos. Brayn, na realidade, alerta para o risco de em muitos países a cadeia de contágio (graças ao isolamento social) passar das comunidades para dentro das casas. Em consequência, defende a necessidade de que “agora precisamos visitar as famílias, testar as pessoas e isolar as doentes, de maneira segura e digna”. Não sugere, em qualquer momento, por exemplo, “apreensão de suas crianças”.

Ao descontextualizar a fala e usar o comentário de Carlson, o vídeo disseminado por Carluxo repassa justamente essa ideia da separação compulsória de pais e filhos. O que fica claro na frase do jornalista americano: “só para você saber, estamos indo nas suas casas, apreendendo suas crianças e abre aspas: “Isolando-as de maneira segura e digna”. O que quer que isso signifique”. Isso objetiva a lançar o pânico, medo.

Como se sabe, Carlson é um dos aliados inseparáveis de Donald Trump e Steve Bannon (o gênio perverso da extrema-direita americana). Ele esteve com Jair Bolsonaro e seu filho Eduardo, no encontro, no dia 07 de março passado, em Miami, no clube de golfe de Trump, na Flórida.

Nas redes sociais, a disseminação do vídeo por Carluxo.

Depois do jantar, o jornalista apresentou fortes sintomas de Covid-19. Seus testes, de acordo com a publicação “Daily News, deram positivos e ele teve que ser afastado da bancada do telejornal “Trucker Carlson Tonight”, o de maior audiência da Fox News.

Para dar credibilidade à montagem e gerar indignação na militância por aqui, Carluxo precisou descontextualizar a fala de Michael Joseph Brayn da OMS. De uma entrevista coletiva, no dia 30/03, que durou 47 minutos, retirou 26 segundos. Justo no trecho em que o infectologista irlandês alertava que o isolamento social era também para impedir que o vírus atingisse as famílias dentro de casa. Com a ajuda do militante bolsominion, Rafael Glau, foram feitas as traduções e a montagem deste vídeo. Originalmente, esta armação ficou disponível no endereço de Glau, no Twitter.

“Carluxo” capturou o conteúdo e entregou à sua guarnição de robôs para espalharem a farsa pelo Sul do País. Região onde se concentra o maior número de adeptos e financiadores do pai. Foram disparados, inicialmente, para 136 mil endereços na Internet. Até o final da noite do dia 07/04, o fake news de “Carluxo” foi visualizada por 26,8 mil pessoas. Sendo que 600 delas se dispuseram a fazer comentários indignados com o isolamento social e as medidas adotadas, no Brasil, pelo Ministério da Saúde.

No canto esquerdo do vídeo, pode-se perceber que Carluxo fez questão de assinar a armação. Lá, aparecem uma pequena foto do “Zero Dois” acompanhada da frase: “Meu Deus…”. Mais do que um exibicionismo típico dos hackers na Internet, uma estúpida demonstração de prepotência.

Na entrevista coletiva da última terça-feira (07/04), o titular da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, fez questão de se queixar que o número de fake news, na sua área, estava crescendo de maneira exponencial. “Numa velocidade – especificou o ministro – maior que a da própria propagação do vírus que avança de maneira assustadora”.

“Carluxo”, é bom que que diga, lidera o bloco daqueles que detestam Mandetta. Entre os assessores que assopram nos ouvidos de Jair Bolsonaro é o que despeja mais impropérios contra o titular da pasta da Saúde.

Já andou inclusive escorando o ministro pelos corredores do Planalto com ameaças de demissão. Por enquanto, não foi bem sucedido em tais investidas. O que aumentou sua ira contra Mandetta. E, consequentemente, os disparos de fakes news contrariando as medidas que ele vem tomando no combate à pandemia.

Apuração da “Rede CoVida”

Boa parte do que reportamos aqui foi apurada com a ajuda da doutoranda da UFBA, Mariana Alcântara, e de especialistas da “Rede CoVida”. Trata-se de um grupo com aproximadamente 130 infectologistas, pesquisadores, cientistas, médicos, estatísticos, técnicos de T.I. e jornalistas reunidos pela Fiocruz da Bahia e da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Esses profissionais se esforçam, neste momento de pandemia, para levar informação de qualidade e credibilidade para todos os veículos de comunicação do País. Uma das missões da “Rede CoVida” é desmontar fake news muito comuns em momentos de crise extrema. A outra é encontrar meios de fazer chegar às populações de menor poder aquisitivo informações claras e práticas para que possam se proteger do coronavírus.

(*) Arnaldo César é jornalista e colaborador deste blog.

(**) Matéria reeditada às 11:00 para acertos de informações a partir de comentários e observações feitos no privado, pela colega Leda Beck, e nos comentários, pela leitora Eliane S M . Por possíveis erros de interpretação pedimos desculpas aos leitores e agradecemos a todos que nos alertaram.

 

 

Aos leitores e seguidores do Blog – A manutenção e o sustento deste Blog, que se dispõe a reportagens maiores e exclusivas, dependem das contribuições de seus leitores/seguidores. Com essas contribuições é que enfrentamos despesas com processos que nos movem, bem como nossos investimentos em viagens na busca por informações exclusivas para nossos leitores. Nosso trabalho depende dessas contribuições, em qualquer valor, em qualquer periodicidade. Para apoiar o Blog e nosso trabalho, utilize a conta bancária exposta no quadro ao lado.

O Blog aderiu ao Jornalistas Pela DemocraciaEntenda o que é e como funciona.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *