O Brasil quer vacina já! STF e Congresso recesso
13 de dezembro de 2020
STF manda investigar ABIN; PSB e Rede querem Ramagem fora
18 de dezembro de 2020

Marcelo Auler

Após ler a reportagem do Blog, o senador Renan Calheiros decidiu encaminhar a proposta de suspensão dos recessos neste final de ano. (Foto: redes sociais)

Diante da crise da pandemia da Covid-19 que ainda sobrecarrega os hospitais, das incertezas com relação à vacinação dos brasileiros e do total desgoverno no qual o país se vê mergulhado nessa crise de saúde, o senador Renan Calheiros (MPDB-AL) propôs aos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a suspensão do recesso do final de ano nos três Poderes da República.

A sugestão, como afirmou no final da tarde de domingo a este Blog, surgiu a partir da leitura da reportagem aqui publicada e reproduzida no Brasil247O Brasil quer vacina já! STF e Congresso recesso – e do que ouviu ontem, domingo (13/12), quando comentamos o assunto com Leonardo Attuch, Rodrigo Vianna e Florestan Fernandes no programa Bom dia 247: O Plano fake de vacinação no Brasil.

Na explicação do senador Calheiros, a suspensão dos recessos nos três poderes poderia ser feita por meio de decreto legislativo, aprovado pelo Congresso Nacional. Mas ele não vê necessidade para tanto: “para cancelar este recesso nos três Poderes bastaria uma conversa com os demais. Ninguém recusaria, seria irrecusável”.

Como expusemos na reportagem acima citada, com a descoberta das vacinas, a responsabilidade pelas mortes que vierem a ocorrer no Brasil não poderão ser creditadas apenas ao desgoverno de Jair Bolsonaro. É verdade que, como bem colocou Helena Chagas em sua coluna desta segunda-feira (14/12) – A resiliência não tão resiliente de Bolsonaro – todos têm consciência de que “a segunda onda da Covid-19 está sendo tratada pelo governo com o mesmo desleixo mostrado na primeira, mas com o agravante de que, desta vez, outros países do mundo começam a ter acesso à vacinação, enquanto as autoridades brasileiras continuam no bate-cabeças“.

A responsabilidade pelas mortes será de todos

Independentemente da reconhecida incapacidade do Executivo comandado pelos despreparados militares que se apossaram do ministério da Saúde e até mesmo da Anvisa – ou talvez até em consequência disso – os demais poderes serão responsabilizados também pela não vacinação em massa. Especialmente se permanecerem omissos, em suas casas, durante o mês de janeiro, quando as vacinas já deveriam estar sendo aplicadas.

Tal como advertiram mais de 70 entidades religiosas, capitaneadas pela Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CNBJ), órgão ligado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), na carta emitida dia 10/12 e que o  Blog reproduziu: “Defender a vida. A vacina é um direito humano de todos os brasileiros, brasileiras, refugiados e migrantes. Nela, afirmam:

“A responsabilidade pela continuidade das mortes, agora que há vacina, é das autoridades dos Três Poderes. Serão cobradas por isso, caso optem pela morte. Mas clamamos por sua consciência. Não deixem que a vacina continue sendo uma peça do jogo político“.

Em consequência desse “país à deriva” é que questionamos o conhecido recesso de fim de ano do Legislativo e do Judiciário, como se o Brasil vivesse na normalidade. Não vive. Estão aí as antessalas dos hospitais superlotadas com pacientes à espera de leitos, também sobrecarregados. Assustada e assistindo os demais países começaram a imunizar seus cidadãos, a população cobra por uma vacina que não foi providenciada a tempo. Não temos – e corremos o risco de continuarmos sem ter – sequer as seringas necessárias à aplicação de uma vacinação em massa.

Judiciário e legislativo se omitirão?

A partir do alerta dado pelo Blog, o senador Renan Calheiros decidiu tomar a iniciativa de suspender os recessos

Diante desse quadro desolador, como pensar em recesso do Legislativo e do Judiciário? Como imaginar ministros do Supremo e de outros tribunais superiores, desembargadores nos estados, deputados e senadores permanecerem em suas casas – afinal, não é recomendável viagens de férias e eles precisam dar exemplo – enquanto a população luta por vaga nos hospitais, enterra seus mortos, passará fome com o fim do auxílio emergencial? Mais ainda, ficarem alheios a todo o debate que se travará em torno do incompleto e discutível  Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a COVID-19 apresentado às pressas pelo governo. A suspensão do recesso torna-se ainda mais fácil sabendo-se que estes colegiados se reúnem atualmente virtualmente. Permanecerão em casa, mas debatendo as saídas para a crise.

Ou pretendemos deixar, por exemplo, nas mãos e no colo do presidente do Supremo, Luiz Fux, e dos demais presidentes de tribunais no Brasil inteiro, decisões sobre demandas judiciais que forem apresentadas às cortes judiciais durante o mês de janeiro. Como, por exemplo, a possibilidade de os estados e municípios importarem vacinas sem o aval direto da Anvisa? Questões que certamente estarão diretamente relacionadas à vacinação? Ou, mais provavelmente, à falta dela?

Ainda nas explicações de Calheiros, como presidente da Câmara, Maia ficou de decidir a forma de levar adiante a ideia de suspender o recesso. “O Rodrigo deverá tomar a iniciativa das conversas (com os demais Poderes) ou do Decreto Legislativo”, disse.

A proposta já recebeu apoio de alguns outros políticos ouvidos pelo Blog, como Paulo Pimenta (PT-RS): “Eu apoio e acho que temos a obrigação de fazer isso. Os três poderes entrarem em recesso em plena pandemia me parece um erro grave”. Também Alessandro Molon (PSB-RJ) além de se posicionar como defensor da ideia e se dispôs a conversar com Maia sobre a melhor forma de encaminhá-la.

Agora, é esperar para ver, se políticos, ministros e juízes vão assumir as responsabilidades que lhes cabe nessa crise, ou se omitirão recolhendo-se aos seus lares em recesso. Espera-se, com urgência, que chamem a si também a responsabilidade pela imunização dos brasileiros.

 

 

Aos leitores e seguidores do Blog – A manutenção e o sustento deste Blog, que se dispõe a reportagens maiores e exclusivas, dependem das contribuições de seus leitores/seguidores. Com essas contribuições é que enfrentamos despesas com processos que nos movem, bem como nossos investimentos em viagens na busca por informações exclusivas para nossos leitores. Nosso trabalho depende dessas contribuições, em qualquer valor, em qualquer periodicidade. Para apoiar o Blog e nosso trabalho, utilize a conta bancária exposta no quadro ao lado.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com