Juiz de Brasília também mandou igrejas fecharem
2 de abril de 2020
Sociedade civil cobra taxação dos bancos para combater COVID
3 de abril de 2020

Alvaro Augusto Ribeiro Costa (*)

A conduta de um suposto Messias, onipresente nos espaços e meios da Presidência da República de um dos países mais extensos, populosos e importantes do mundo, encontra poucos precedentes na História, como alvo de desprezo, nojo, medo, indignação e terror.

Pergunta-se, aqui e alhures, se provem de um ser humano, de uma desconhecida espécie do reino animal ou apenas de um ser vivo inominável (um vírus?).

Seja como for, crescem com alarmante  velocidade e alcance os efeitos dela, aprofundando e ampliando o conhecimento, a consciência e a visão de um aterrorizante fenômeno, dos mais nocivos e perigosos à humanidade, ao povo brasileiro, aos que se aproximam de seu núcleo pestilento ou por ele são tocados física ou virtualmente.

Todo dia e a toda hora, uma avalanche de múltiplas e/ou permanentes ações e omissões, tentadas, consumadas, atuais, iminentes e futuras causaram, estão causando e ainda causarão danos incomensuráveis, sanitários, econômicos, políticos, individuais, coletivos e sociais.

Por isso mesmo – e outras inúmeras razões -, impedir por todos os meios a continuidade de tal conduta maligna e infectante passou a ser urgente preocupação e tarefa prioritária aqui e no resto do planeta.

O que fazer e como? Esta, a questão primordial.

Presumindo-se tratar-se de conduta de pessoa humana(?) ainda provida de consciência e vontade (?), diversas ações constitucionais, politicas, jurídicas, criminais, civis, administrativas, tributarias e financeiras, econômicas e sanitárias existem à disposição da cidadania – cada um e todos, pessoas físicas e jurídicas, associações e empresas, cidadãos e autoridades públicas – para o devido combate ao foco do  bolsovírus.

Basta lembrar algumas, como a desobediência civil,  o impeachment, ações penais (e medidas preventivas e/ou cautelares – prisão em flagrante delito e/ou preventiva?), ações civis individuais, coletivas e públicas (principais e cautelares); as  ações de responsabilidade civil (por dano pessoal,  material e/ou moral), as ações populares e constitucionais, e mesmo as de interdição (a cargo do Ministério Publico).

Entre tantas medidas, destacam-se  as representações ao Ministério Público Federal, com a advertência de que a omissão, a conivência e/ou a coautoria de seus membros – e particularmente do Procurador Geral da República (PGR) – podem acarretar responsabilidade política (impeachment), administrativa (improbidade e demissão), penal (prevaricação) e/ou civil (responsabilidade por danos pessoais, materiais e/ou morais)

A despeito de tudo isso, seja o foco (ou hub) da infecção um ser humano ou apenas um vírus (o  bolsovírus ), uma certeza resulta: sofremos todos juntos, vítimas de uma calamidade pública, uma emergência, um estado de necessidade geral, presos sem processo ou julgamento e por prazo indeterminado, enquanto o bolsovírus  passeia impunemente às nossas custas e nos ameaça, oprime, agride e debocha da humanidade.

Sendo assim, toda e qualquer iniciativa individual ou coletiva tornou-se cabível, legitima e necessária,  especialmente do ponto de vista sanitário – isolamento, desinfecção, quarentena, afastamento, distanciamento de pessoas e lugares, interrupção da atividade ilícita, danosa e/ou perigosa, interdição de uso de bens públicos, meios de comunicação públicos e/ou privados.

O terrível bolsovírus se espalha. Cabe aos anticorpos da cidadania eliminar sua eficiência letal.

A propósito e por costume de oficio, lembro-me naturalmente do Código Penal (Arts. 24 e 25)  sobre a legitima defesa e o estado de necessidade.

Estado de necessidade – Art. 24 – Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se.

Legítima defesa – Art. 25 – Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem.

(*) Alvaro Augusto Ribeiro Costa é subprocurador-geral da República aposentado.

 

 

Aos leitores e seguidores do Blog – A manutenção e o sustento deste Blog, que se dispõe a reportagens maiores e exclusivas, dependem das contribuições de seus leitores/seguidores. Com essas contribuições é que enfrentamos despesas com processos que nos movem, bem como nossos investimentos em viagens na busca por informações exclusivas para nossos leitores. Nosso trabalho depende dessas contribuições, em qualquer valor, em qualquer periodicidade. Para apoiar o Blog e nosso trabalho, utilize a conta bancária exposta no quadro ao lado.

O Blog aderiu ao Jornalistas Pela DemocraciaEntenda o que é e como funciona.

2 Comentários

  1. Maria Helena Malta disse:

    Parabéns ao subprocurador. Belo artigo. Mais adiante, qto à dúvida levantada pela Tereza, creio q os panelaços mostram a vontade da população. Uma tentativa real de golpe não impõe prisão imediata do responsável e, se for o caso, abertura do processo de impeachment pelo STF?

  2. Lyses disse:

    Marcelo, será que o bolsovirus ainda está atuante? Será que já caiu ao chão em forma de perdigoto? Algumas peças do xadrez foram modificadas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *