Bispo culpa governador do AM por violência
17 de agosto de 2020
Enfim, delegada Érika joga a toalha: Perdeu!
23 de agosto de 2020

Marcelo Auler

Monstruosidade em Recife – Por Nando

Imaginar que algum bispo brasileiro sairá em defesa de algum aborto é algo, guardada as devidas proporções, como pensar que algum dia Jair Messias Bolsonaro irá combater as torturas cometidas pelos militares na ditadura que o país vivenciou. Ainda que se deva admitir que a defesa feita pela igreja é em nome da vida, do ser humano, enquanto os defensores da tortura, jamais estarão respeitando vida e seres humanos.

Mas, a rígida doutrina católica jamais admitirá que bispos defendam o aborto, embora possam até existir religiosos que mostrem uma maior compreensão com a questão. Façam aquilo que poderíamos chamar de “juízo de ponderação”.

É o que faltou na mensagem postada nas redes sociais pelo arcebispo de Belo Horizonte e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo. Pecou ao generalizar, sendo incapaz de distinguir situações diversas entre gravidez interrompidas por mulheres de uma maneira em geral e o caso específico de uma menina de 10 anos. Parece evidente não haver como comparar o caso hipotético de uma mulher classe média, com formação profissional e situação social ajustada, com a de uma criança, fruto de uma família desajustada, órfã de mãe, com o pai preso e os avós sem terem direito como sustentarem a si e a ela.

Chocou também a virulência e a forma como tratou o assunto da menina de dez anos, de São Mateus (ES), violentada desde os seis anos por estupros que sofria de familiares. Uma menina/vítima, que foi submetida a uma interrupção da gravidez (aborto), de forma legal, com o consentimento da Justiça. Não houve, por parte do bispo, sequer a preocupação de demonstrar preocupação com a saúde física – nem se fale na psicológica, já afetada – desta vítima.

Com que base falar em salvar as duas vidas?

Dom Walmor e dom Hoepers: qual a formação cientfícica para garantir que duas vidas se salvariam? (Fotos: Reprodução site CNBB)

Certamente ele deve ter embasamentos científicos para poder afirmar, de forma categórica, que as duas vidas poderiam ser salvas. O mesmo que sustentou seu irmão de episcopado, dom Ricardo Hoepers, presidente da Comissão Episcopal para a Vida e a Família da CNBB. Este, em entrevista à Rede Aparecida, alegou que seria possível “manter as duas vidas”.

Mesmo que possuam conhecimento médico para tais afirmações, isso não os exime de explicar como esta menina – já submetida aos maus tratos do tio (e possivelmente de outros parentes), a uma infância perdida, ao medo de seu(s) agressor(es) retaliar(em) sobre outros parentes, como ela disse ter sido ameaçada -, conseguiria conviver com mais cinco meses de gravidez, até o momento normal do parto. Algo nada fácil, que certamente só aumentaria a sua perturbação psíquica/psicológica, que já não deve ser pequena.

Mesmo na hipotética possibilidade de que ela não interrompesse a gravidez, não é demais imaginar como a vida dela seria transtornada. Viraria uma espécie de show girl. Ainda que viesse a ser provida de bens materiais para o sustento seu e da(o) filha(o), não teria mais o sossego necessário a uma criança para crescer condignamente na condição de criança. Sem que tivesse feito – ou deixado de fazer – qualquer escolha/opção para isso. Ou seja, de um modo ou de outro, está condenada a uma vida diferente da que merece e teria direito.

Ainda que não se possa exigir que bispos abram mão dos dogmas e doutrinas da Igreja Católica Apostólica Romana, não é muito esperar/cobrar certa moderação.

Tal como a própria CNBB vem tendo – a contragosto de muitos cristãos – nas críticas ao governo de Bolsonaro. Não se vê atualmente os chamados “documentos proféticos” que a entidade e diversos bispos divulgavam nos anos 70 e 80, contra a ditadura militar. Tenha-se como exemplo a recente Carta ao Povo de Deus, endossada por 152 bispos, sobre a qual a cúpula da entidade se calou, tal como já narramos aqui no Blog em Carta ao Povo de Deus: sinuca para a CNBBCarta ao Povo de Deus: CNBB se cala, padres apoiam.

O Papa Francisco e João Pedro Stédile, do MST, no Encontro dos Movimentos Sociais em Roma, 2016 (Reprodução)

A  Conferência se manifestou com firmeza ao combater as ameaças ao meio ambiente e aos ataques à floresta amazônica. Afinal, trata-se de um tema que o próprio Papa Francisco abraçou. Uma bandeira que ele defende com ardor. Em outros assuntos, porém, o tom das críticas é bem mais ameno, quando não perdura o silêncio.

Até mesmo outros temas defendidos com o mesmo ardor por Francisco, como a defesa da moradia e da terra para todos poderem plantar. Recorde-se que, convidado pelo papa, João Pedro Stédile, da coordenação do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), já esteve por duas vezes em encontros de lideranças sociais realizados no Vaticano. Poderíamos questionar quantas vezes a cúpula da CNBB já procurou conversar com o mesmo MST de Stédile?

Moderação não é omissão

Ao falarmos acima na necessidade de “moderação”, não estamos pedindo que a Igreja Católica não se manifeste, como é seu direito fazê-lo. Mas sair adjetivando como “crime hediondo”, comparável ao estupro sofrido pela menina, a interrupção da gestação, é acusar médicos que realizaram um procedimento cirúrgico autorizado judicialmente, logo, de acordo com as leis brasileiras.

Portanto, não cometeram crimes à luz da legislação brasileira. Quando muito, desrespeitaram uma doutrina religiosa. Mas e se eles com isso salvaram – no mais amplo sentido, não apenas no ponto de vista físico – a vida da menina? Terão também punição no Reino de Deus? O Deus em nome do qual esses bispos pregam, será tão punitivo assim, ou será o Deus do Amor que a igreja muito apregoa? Lembremos que, segundo o Evangelho, Jesus perdoou a adúltera, a pecadora.

Dom Joel Portella, conservador com o discurso moderado (Foto: reprodução site CNBB)

O próprio site da CNBB reproduziu texto de dom Joel Portella Amado, bispo-auxiliar do Rio de Janeiro e secretário-geral da entidade – e por muitos tido como o mais conservador da cúpula da entidade – no qual ele não pegou pesado, como dom Walmor, sem, contudo, defender o aborto.

Em “Choro por todas as vítimas”, dom Portella procura inserir a questão da menina dentro de um contexto muito mais amplo de mortes a que assistimos passivamente, inclusive as hoje mais de 11 mil vítimas fatais pela Covid-19. Foi, como analisou um religioso, um texto em cima do muro, mas com o excelente estilo dos textos que dom Portella sempre ofereceu aos seus confrades. Ele diz:

Abro os olhos para a vida e me deparo com a morte. Vejo os mais de 107 mil mortos pela covid-19. Vejo as mensagens que pedem alimento para quem enfrenta a fome. Fecho os olhos e recordo as vítimas do racismo. Volto a abri-los e vejo uma criança de dez anos estuprada, ao que foi informado, repetidamente, tendo-se encontrado no aborto a solução. Diante de tudo isso, eu me pergunto: por quem chorar? Mas, ao mesmo tempo, eu me coloco a questão se as lágrimas possuem uma única direção, se o direito a ser chorado pertence apenas a uma pessoa ou um tipo de morte.

Choro, então, por todas as vítimas. Choro pelo bebê, cuja morte foi considerada a melhor das soluções. Choro pela menina-mãe, que, aos seis anos, como informam os noticiários, já tinha sua vida profanada por alguém que lhe deveria proteger. Choro pelos demais adultos que, em situações como aquela, não conseguem perceber que uma criança está sendo violentada. Choro pelas crianças abandonadas, algumas perambulando pelas ruas a pedir alimento e, com certeza, afeto.”

Mais claro e direto, sem abrir mão do princípio e da doutrina da Igreja, porém, mostrando-se muito mais compreensível com a situação inusitada e não a generalizando, foi o arcebispo de Manaus (AM), dom Leonardo Ulrich Steiner, por sinal antecessor de dom Portella na secretaria-geral da CNBB (2011/2019).

Na segunda-feira (17/08) ao ser questionado por um repórter de rádio sobre o assunto, de forma cautelosa e didática ele expôs sua opinião, sem ódio, sem pré-julgamento:

Primeiro a igreja nunca concorda com a violência. A igreja nunca concorda com abuso sexual de menores, que é o caso dessa menina, infelizmente, de dez anos e, a partir dos seis, sendo abusada. A Igreja nunca vai concordar e ela tem feito um trabalho extraordinário de conscientização.

Quanto à questão do aborto, é preciso ressaltar que nós sempre nos manifestamos contra o aborto. Sempre nos manifestamos e nos manifestaremos contra.

Uma outra questão é tentar analisar um caso muito concreto de uma menina de dez anos. Qual a possibilidade que ela tem de gerar uma criança? Não apenas psicologicamente, mas também fisicamente. Neste sentido, é preciso reunir pessoas da psicologia, da medicina, mas também da expressão religiosa que a família segue”.

Isto para não falar dos bispos considerados progressistas, principalmente aqueles mais antigos, como dom Mauro Morelli, ex-bispo auxiliar de dom Paulo Evaristo Arns, atualmente bispo emérito de Duque de Caxias (RJ). Na mesma segunda-feira do comentário de dom Leonardo Steiner, nas redes sociais, dom Morelli evitou debater o aborto.

Ressaltou sim o drama da menina, admitindo que pela idade, ela jamais pecou “e dada a gravidade de sua tortura, penso que até perdeu a capacidade de pecar… bem como de ser mãe”.

Ele ainda critica a hipocrisia dos que não se comovem com a “desgraça da desnutrição infantil, das crianças vítimas de balas “perdidas”, das crianças atoladas nas periferias imundas… aqueles esbirros arrotando sua blasfema religiosidade sustentam e alimentam a sociedade abortiva”.

Novo documento relembra o Papa Francisco

Os exemplos, ainda que distintos nos posicionamentos, demonstram que a igreja pode sim, sem abrir mão de seus dogmas e sua doutrina, manifestar-se publicamente sem ódio e sem pré-julgamento. De forma compreensível, sem precisar reviver período inquisitoriais, tampouco desrespeitar os direitos individuais de cada ser humano. Em um papel solidário, ainda que crítico.

Lembrando o próprio ensinamento do Papa Francisco, um novo documento em gestação, a ser divulgado ainda nesta quinta-feira (20/08), encampado por mais de 100 cristãos de todo o país, é bastante crítico às manifestações do presidente da entidade e do presidente da Comissão Episcopal para a Vida e a Família. Em Reflexões indignadas de cristãs e cristãos cató[email protected] (documento que postaremos abaixo tão logo o texto seja tornado público) estes cristãos – não apenas católicos – lembram:

“Até parece que o Papa Francisco já previa isso ao referir-se a “ideologias que mutilam o coração do Evangelho”. “A defesa do inocente nascituro, por exemplo, deve ser clara, firme e apaixonada, porque neste caso está em jogo a dignidade da vida humana, sempre sagrada, e exige-o o amor por toda a pessoa, independentemente do seu desenvolvimento. Mas igualmente sagrada é a vida dos pobres que já nasceram e se debatem na miséria, no abandono, na exclusão, no tráfico de pessoas, na eutanásia encoberta de doentes e idosos privados de cuidados, nas novas formas de escravatura, e em todas as formas de descarte”. (Gaudete Exsultate 101).”

O mesmo grupo, encabeçado por Leonardo Boff, Márcia Miranda, Pedro Ribeiro de Oliveira e Tereza Sartório, preocupa-se com o destino da CNBB, ou, como diz o documento, o seu “apequenamento e a perda do fervor profético face às desgraças que assolam nosso povo, especialmente os mais vulneráveis”.

Dentro desta perspectiva, os cristãos assinam o documento e confessam a expectativa de viverem o suficiente para ver também o ressurgimento da Conferência, através do trabalho do novo episcopado que vem conquistando espaço na Igreja, movidos pelo exemplo de bispos que já se foram, em especial dom Pedro Casaldáliga. Consta do documento:

“com esses novos bispos que, em sintonia com a proposta de Igreja em saída e com a valiosa colaboração das Pastorais Sociais, denunciam os sistemas e os governantes que destroem a Vida das pessoas e de nossa Natureza ao mesmo tempo que anunciam a promessa de um novo céu e uma nova terra, movida pela mesma Esperança que deu vida à vida do santo Pedro do Araguaia”.

Abaixo publicaremos a íntegra do documento que em 24 horas recebeu 379 assinaturas:

Reflexões indignadas de cristãs e cristãos cató[email protected]

Márcia Miranda, Leonardo Boff
Maria Tereza Sartorio
Pedro A. Ribeiro de Oliveira

Somos cristãs e cristãos cató[email protected], [email protected], [email protected] e presbíteros que nos sentimos inspirados pelo Concílio Vaticano II e pelos documentos do CELAM que conscientemente temos assumido a missão de, à luz do Evangelho, ajudar junto com [email protected], a transformar a sociedade com tantas desigualdades e injustiças que penalizam os pobres e clamam ao céu. Fazemo-lo como parte plena da Igreja Católica, em comunhão com tantas pessoas que animam essa Igreja desde as Comunidades Eclesiais de Base até as Conferências Episcopais e a Diocese de Roma.

[email protected] pelo sofrimento de uma menina de dez anos vítima de cruéis estupros – que precisou recorrer ao Judiciário para interromper a gravidez resultante daquela violência e foi atendida num hospital de Recife – e solidá[email protected] com @s profissionais da saúde que a atenderam, obedecendo estritamente a legislação brasileira referente ao caso, sentimos que pertence também à nossa missão expressar o nosso profundo desconforto causado pelas manifestações de Bispos do Brasil.

Duas falas publicadas no site da CNBB no dia 18/08 bastam como exemplos. O site reporta a fala de seu Presidente, D. Walmor A. Oliveira, referindo-se a “dois crimes hediondos”, sendo um a violência sexual e o outro a violência do aborto. O texto dá a impressão de que o crime de estupro é menos hediondo do aquele do aborto. Fala que devemos ser “compassivos” mas não mostra em sua comunicação esta compaixão, própria da prática de Jesus e tão pregada pelo Papa Francisco.

Destaque maior é dado à manifestação de D. Ricardo Hoepers, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, que fala do aborto como “um ato horrendo, de um ato abominável, nós demos a pena capital a um bebê.”

A nossa perplexidade e até certo ponto indignação tem duas causas. A primeira é com o simplismo intelectual dessas falas, que, seguindo a linguagem vulgar, não distingue embrião, feto e bebê, e ainda qualifica como pena capital um procedimento cirúrgico destinado a salvar a vida de uma menina, procedimento este feito dentro da estrita observância da legislação oficial brasileira para o caso.

De uma autoridade episcopal nós esperaríamos uma linguagem pastoral de moderação, evitando excessos emotivos moralistas e juvenis que ao ser reproduzida pelas redes digitais pode causar confusão em não poucas pessoas.

Tememos mais, que a dureza de coração deste prelado, afaste [email protected] cató[email protected] deste tipo de Igreja que se mostra sem compaixão para com uma menina de dez anos sempre salvaguardada a sacralidade da vida de cada ser em gestação.

A moral tradicional sempre ensinou, e supomos que o bispo Hoepers deveria saber disso, que se a vida da menina corre risco, a intervenção para salvar sua vida que implica indiretamente a morte do feto, não deve ser considerada aborto. Este não é intencionado, mas é entendido como um efeito não voluntário e mal menor face ao bem maior que é o de salvar a vida da mãe sob risco.

Ninguém que conhecemos considera o aborto um método de contracepção equivalente a qualquer outro, e nenhuma mulher recorre a esse procedimento com a mesma serenidade com que vai ao dentista. Estamos convencidos de que o aborto é sempre uma decisão muito grave e deve ser tratada com respeito.

Estima-se que, no Brasil, a cada ano mais de um milhão de mulheres recorrem ao aborto. As que podem pagar o procedimento numa clínica, o fazem com segurança; mas as mulheres pobres arriscam a sua vida e muitas, inclusive jovens e adolescentes, morrem. E são milhares. Por isso, o debate deve ser feito com seriedade, levando em conta os conhecimentos científicos, a Ética e – para os cristãos – os preceitos bíblicos de defesa da Vida.

A outra causa de nossa perplexidade é pelo destaque eclesiástico dado a essas manifestações enquanto a Carta ao Povo de Deus, endossada por mais de 150 bispos foi oficialmente ignorada pela CNBB. Ali se tratava de denunciar o descaso do governo que tolera a morte de mais de 100 mil pessoas pelo Covid-19 que não precisariam ser fatalmente vitimadas. A vida de todas essas pessoas, não só as idosas, mas também jovens e até crianças, é igualmente sagrada e merece todo o empenho cristão para salvá-las.

Até parece que o Papa Francisco já previa isso ao referir-se a “ideologias que mutilam o coração do Evangelho”. “A defesa do inocente nascituro, por exemplo, deve ser clara, firme e apaixonada, porque neste caso está em jogo a dignidade da vida humana, sempre sagrada, e exige-o o amor por toda a pessoa, independentemente do seu desenvolvimento. Mas igualmente sagrada é a vida dos pobres que já nasceram e se debatem na miséria, no abandono, na exclusão, no tráfico de pessoas, na eutanásia encoberta de doentes e idosos privados de cuidados, nas novas formas de escravatura, e em todas as formas de descarte”. (Gaudete Exsultate 101).

Diante dessa realidade atual de nossa Igreja, consola-nos o que disse a mesma CNBB, nos sofridos anos da ditadura militar aberta, no Comunicado Pastoral ao Povo de Deus, de 25 de outubro de 1976.

Citemos apenas a Introdução, onde se lê “Nossa intenção é iluminar com a luz da Palavra de Deus os acontecimentos atuais para que os cristãos tomem, diante deles, uma atitude de fé e coragem, uma animação parecida com aquela que dá o livro do Apocalipse. Ao cristão é proibido ter medo. É proibido ficar triste”.

E segue-se uma preciosa apresentação da realidade da época, com perseguição aos pobres e à Igreja, sempre relacionada ao Novo Testamento, que é a única fonte citada – ao todo, 14 vezes.

Praticamente todos nós temos vivido bastante para ver, não sem tristeza, o apequenamento da CNBB e a perda do fervor profético face às desgraças que assolam nosso povo, especialmente os mais vulneráveis. Esperamos viver ainda o suficiente para ver também o seu ressurgimento, com esses novos bispos que, em sintonia com a proposta de Igreja em saída e com a valiosa colaboração das Pastorais Sociais, denunciam os sistemas e os governantes que destroem a Vida das pessoas e de nossa Natureza ao mesmo tempo que anunciam a promessa de um novo céu e uma nova terra, movida pela mesma Esperança que deu vida à vida do santo Pedro do Araguaia.

19 de agosto de 2020

Subscrevem, solidariamente:

  1. Ana Jose Pereira – Presidente Prudente – SP
  2. Adelaide Maria Klein – Gravataí – RS
  3. Adrianne Silva de Luna – São Paulo – SP
  4. Aldenize José da Silva – Recife – PE
  5. Alexandre Teles – Recife – PE
  6. Alexsander Silva de Luna – São Paulo – SP
  7. Alternir Aparecido Silva – Morrinhos – GO
  8. Ana de Lourdes Nascimento dos Santos – Mamanguape/PB
  9. Ana Maria Abrahão dos Santos Oliveira – Três Rios – RJ
  10. Ana Maria Pereira – Vitória – ES
  11. Ana Selma da Costa – Fortaleza – CE
  12. Anderson Gusmão – São Lourenço da Mata – PE
  13. Angélica Aparecida Marques Antunes – Porto Alegre – RS
  14. Ângelo José Ignacio – Rio de Janeiro – RJ
  15. Antônia Viviane Silva – Fortaleza – CE
  16. Antonio Carlos Bonaite – Santo André – SP
  17. Antônio Carlos Pereira da Silva – Tonny – São Paulo – SP
  18. Antonio Carlos Maranhão de Aguiar- Recife – PE
  19. Antonio Joaquim Ribeiro Moto – Franco da Rocha – SP
  20. Antonio Raimundo Gomes – Ipatinga – MG
  21. Antonio Silva Pinto (Antonio Padre) – Santo André – SP
  22. Átila Cordeiro Dias – Niterói – RJ
  23. Augusto César Mascarenhas Braga – João Pessoa/PB
  24. Beatriz Januário de Carvalho – São Paulo – SP
  25. Benedito Alcântara – Macapá – AP
  26. Berenice Ribeiro Machado – Andrelândia – MG
  27. Bernadete Adelaide Januário de Carvalho – São Paulo – SP
  28. Bruno Cristiano Gomes – Belo Horizonte – MG
  29. Camila D’Ottaviano – Campinas – SP
  30. Carla Castro – Belo Horizonte – MG
  31. Carla Patrícia Ribeiro Caminha – Palmares – PE
  32. Carlos Martins de Oliveira – Ipatinga – MG
  33. Carmen Thompson – Rio de Janeiro – RJ
  34. Carlos Antônio Sacramento – Belo Horizonte – MG
  35. Catarina Fernandes – Barbacena – MG
  36. Célia Maria da Silva – João Pessoa – PB
  37. Célia Maria de Melo Freitas – Inhapim – MG
  38. Célia Maria de Oliveira Costa – Olinda – PE
  39. Celso Aparecido de Cerqueira Barreiro – São José do Rio Preto – SP
  40. César Custódio da Silva – Ipatinga – MG
  41. Chantal Lesbaupin – Rio de Janeiro, RJ
  42. Chico Alencar – Rio de Janeiro – RJ
  43. Claudia Emilia Santos Oliveira – Rio Espera – MG
  44. Cláudia Maria Henrique da Silva – Rio de Janeiro – RJ
  45. Cláudio Ferreira – Recife – PE
  46. Claudio Vereza  – Vila Velha – ES
  47. Conceição Paludo – Porto Alegre/RS
  48. Crispim Lemos Wanderley – Rio de Janeiro – RJ
  49. Cristiana de Assis Serra – Rio de Janeiro – RJ
  50. Cristiane Guiroto  – São José do Rio Preto – SP
  51. Dalvoni M. de Melo Assunção – Ipatinga – MG
  52. Daniel Reis – Rio de Janeiro – RJ
  53. Daniella Cardozo Silva – Nova Iguaçu – RJ
  54. Darlan Oliveira – Salvador – BA
  55. Délcio Fonseca – Belo Horizonte – MG
  56. Denise dos Santos – Santo André – SP
  57. Diego Maia dos Santos Lopes – Ipatinga – MG
  58. Dilma Martins Ferraz Oliveira – Ponte Nova – MG
  59. Dilma Martins Ferraz Oliveira – Ponte Nova – MG
  60. Dorgeania Márcia Luiz da Silva – João Pessoa/PB
  61. Dóris Kieslich Cavalcante – Fortaleza – CE
  62. Dulce Xavier -São Bernardo de Campo – SP
  63. Durval Angelo Andrade – Belo Horizonte – MG
  64. Edilson da Silva Cruz – São Paulo – SP
  65. Edilson José Gabriel – Umuarama – PR
  66. Edson Oliveira de Souza – BA
  67. Eduardo Antônio Maria Vogel – Ipatinga – MG
  68. Egydio Schwade – Presidente Figueiredo – AM
  69. Elena Resende – Santo André- SP.
  70. Eleny Guimarães Teixeira – Rio de Janeiro – RJ
  71. Eliana Teixeira Dias – Barbacena – MG
  72. Elizabeth Dusi Acácio – Rio de Janeiro – RJ
  73. Elizangela Altoé – Cachoeiro do Itapemirm – ES
  74. Elson Longo da Silva – São Carlos – SP
  75. Elvira Chanquini – Presidente Prudente – SP
  76. Emanuel Giuseppe Gallo Ingrao – Mogi das cruzes – SP
  77. Enio Verri – Maringa – PR
  78. Enyere Viviane do Nascimento Oliveira Silva – Teresina – PI
  79. Erica Rico Carlini – Presidente Prudente – SP
  80. Érico Fabrício Gomes – Belo Horizonte – MG
  81. Ernani Ribeiro – Canoas RS
  82. Estaylon Bandeira – Ipatinga – MG
  83. Ezio Datres – Buritama – SP
  84. Fabricio de Assis Ferreira – Ipatinga – MG
  85. Fernanda Gonçalves de Souza – Fortaleza – CE
  86. Fernanda Maroclo Silva – São Francisco do Sul – SC
  87. Fernanda Ribeiro Barbosa – João Pessoa – PB
  88. Flávio Alves Barbosa – Goiânia – GO
  89. Francisca Beserra Chaves – Recife – PE
  90. Francisco Adilson da Silva – Natal – RN
  91. Francisco Gabriel – Ipatinga – MG
  92. Frei Betto – São Paulo – SP
  93. Frei José Fernandes Alves – OP – Goiania – GO
  94. Gabriel Montez– Rio de Janeiro – RJ
  95. Geni Conceição Figueiredo – Tangará da Serra – MT
  96. Geraldo Antônio Da Silva – Diadema – SP
  97. Geraldo Ferreira da Silva – Recife – PE
  98. Gilberto Carvalho – Brasilia – DF
  99. Gilberto Simplício de Oliveira – Três Rios – RJ
  100. Glaucia Ferreira Lima de Brito – Rio de Janeiro – RJ
  101. Glória Maria Carneiro – João Pessoa/PB
  102. Graziela da Silva Motta – Frederico Westphalen – RS
  103. Guilherme Souza C. Lima – Recife – PE
  104. Helena Hallack Vilela – Juiz de Fora – MG
  105. Helio da Silva Gusmão Filho – Vitoria da Conquista – BA
  106. Heloísa Maria Silva Moura dos Santos – Recife – PE
  107. Heraldo Soares Peres – Santo André – SP
  108. Iêda Jerônimo Ferreira – Brasília-DF
  109. Ilda Rodrigues da Silva Franke – Tangará da Serra – MT
  110. Inês Maria de Filippi- Diadema – SP
  111. Inês Pandeló – Barra Mansa – RJ
  112. Inês Regina Alves de Amorim Soares – Jaboticatubas – MG
  113. Inez Helena Muniz Garcia – Niterói – RJ
  114. Valéria Moutinho OP – Goiânia – GO
  115. Ireny Slavik – Tangará da Serra – MT
  116. Isabel Aparecida Felix – São Paulo – SP
  117. Ivanice Aparecida Ferreira Silva – Diadema SP
  118. Ivo Fiorotti – Canoas – RS
  119. Ivone Gebara – São Paulo – SP
  120. Jacira Oliveira Santos – Santo André – SP
  121. Jailton Silveira – Campinas – SP
  122. Jaime Bianchi – Chapecó – SC
  123. Jaime Lucas de Moraes – Porto Alegre – RS
  124. Jaime Luiz de Souza – Tangará da Serra – MT
  125. Jaime Soares Teixeira – Ipatinga – MG
  126. Janete Esmeraldo – Recife – PE
  127. Jeane Tranquelino da Silva – Mamanguape/PB
  128. Joana Azevedo Pereira – São José do Rio Preto – SP
  129. João Antônio Gomes de Almeida – Niterói – RJ
  130. João Batista Dentinho de Souza – Santo André – SP
  131. João da Costa Pimenta junior – Lins – SP
  132. João Filipe Santos da Silva Xavie – Olinda – PE
  133. João Gonçalo Eugênio – São Paulo – SP
  134. Joel Martins Cavalcante – João Pessoa/PB
  135. Joerson Eustáquio Gomes – Ipatinga – MG
  136. Jorge Alexandre Alves – Rio de Janeiro – RJ
  137. José Antônio Calvo de Almeida – Niterói – RJ
  138. José Antônio da Silva  – Diadema
  139. José Antonio de Oliveira – Barão de Cocais – MG
  140. José Maria Lopes Leitão – Rio de Janeiro – RJ
  141. José Antonio Moreira – São Bernardo do Campo – SP
  142. José Augusto da Silva Gomes – Niterói – RJ
  143. José Calmo da Vitória – Vitória – ES
  144. José Euzebio de Oliveira – Rio Espera – MG
  145. José Lourenço Pechtoll – Santo André – SP
  146. José Luiz Negri – Nilópolis – R J
  147. José Martins de Freitas – Ipatinga – MG
  148. José Oscar Beozzo – Lins – SP
  149. José Otávio Baioco – Santa Tereza – ES
  150. José Pereira Filho – Tangará da Serra – MT
  151. José Valter Medeiros Campelo – Campina Grande – PB
  152. Joseanne Regina da Silva Santos – Recife – PE
  153. Josemar Rosaboni – Bady Bassitt – SP
  154. Josiane Maria da Silva – Jaboatão dos Guararapes – PE
  155. Júlia dos Santos Meneses – Volta Redonda – RJ
  156. Julio Cesar Cintrão – Santo André – SP
  157. Julio Francisco Caetano Ramos – Passo Fundo – RS
  158. Jurandir Jesuino dos Santos – Santo André – SP
  159. Lázaro – Catalão – GO
  160. Leacir de Brito Meneses – Volta Redonda – RJ
  161. Leandro L. Cury – Rio de Janeiro – RJ
  162. Lecir Jacinto Barbacovi – Juiz de Fora – MG
  163. Leila Rocha Sarmento Coelho – João Pessoa – PB
  164. Lenir Candida de Assis – Londrina – PR
  165. Leocádia Maria da Hora Neta – Recife – PE
  166. Leonila Veridiana Araújo da Silva – Recife – PE
  167. Leonor Peres de Souza Reis – Ipatinga – MG
  168. Letícia Lopes Rocha – São Paulo – SP
  169. Lino Allegri – Fortaleza – CE
  170. Liz Mari da Silva Marques – São Paulo – SP
  171. Loiva Terezinha Dietrich – Porto Alegre – RS
  172. Lucia Maria Alves da Silva – João Pessoa – PB
  173. Lúcia Ribeiro – Juiz de Fora – MG
  174. Luciana Boiteux – Rio de Janeiro – RJ
  175. Luciana Bonosque Figueiredo – São José do Rio Preto – SP
  176. Luciana Valença – Recife – PE
  177. Luciana Viana Dias – Barão de Cocais – MG
  178. Luciano Lourenço Coelho – João Pessoa/PB
  179. Luigi Tenderini – |Recife – PE
  180. Luis Carlos Mendonça de Queiroz – São Paulo – SP
  181. Luís Carlos Soares da Silva – Solânea/PB
  182. Luís Felipe Machado da Costa – Recife – PE
  183. Luis Fernando de Carvalho Rabello – Campinas – SP
  184. Luiz Alberto Gómez de Souza – Juiz de Fora – MG
  185. Luiz Carlos de Siqueira Bezerra – Recife – PE
  186. Luiz Fernando Rangel Tura – Rio de Janeiro – RJ
  187. Luiz Henrique Ferfoglia Honório – Jacareí – SP
  188. Luzia Hilda – Diadema – SP
  189. Luzia Mamede Sampaio – Patos – PB
  190. Lygia Dias de Toledo – Juiz de Fora – MG
  191. Maiane David – Ipatinga – MG
  192. Manfredo Oliveira – Fortaleza – CE
  193. Manoel Lucas – Rio de Janeiro – RJ
  194. Marcelo Auler – Rio de Janeiro – RJ
  195. Marcelo Barros – Recife – PE
  196. Márcia Cristina de Melo Roque – Rio de Janeiro – RJ
  197. Marcia Damasceno – Diadema – SP
  198. Márcia Dionisio Alves – Niterói – RJ
  199. Márcia Pastor – Londrina – PR
  200. Márcio Gontijo – Brasília – DF
  201. Márcio Tavares de Albuquerque – Recife – PE
  202. Marco Almeida – Campinas – SP
  203. Margarete Grandolpho Moreira – São Bernardo do Campo – SP
  204. Margarida Maria Buosi – São José do Rio Preto – SP
  205. Margarida Maria de Assis Toledo Reis – Campinas – SP
  206. Maria Angelina de Oliveira – Recife – PE
  207. Maria Angelina de Oliveira – Recife – PE
  208. Maria Aparecida Corrêa Custodio – Imperatriz – MA
  209. Maria Aparecida da S. Fernandes – Natal – RN
  210. Maria Aparecida Damaceno – Sao Jose do Rio Preto – SP
  211. Maria Aparecida de Jesus – Belo Horizonte – MG
  212. Maria Aparecida de Lima – Ipatinga – MG
  213. Maria Aparecida de Moraes Silva – São Carlos – SP
  214. Maria Aparecida de Souza – Rio Espera – MG
  215. Maria Aparecida Trazzi Vernucci da Silva (Tidda) São José do Rio Preto – SP
  216. Maria Asuncion Sole Pla – Rio de janeiro – RJ
  217. Maria Augusta de Oliveira – Capela Nova – MG
  218. Maria Beatriz Kneipp Dias – Niterói – RJ
  219. Maria Cândida Bordenave – Rio de Janeiro – RJ
  220. Maria Célia de Araújo – Ipatinga – MG
  221. Maria Celia de Oliveira Silva – Ipatinga – MG
  222. Maria Celia de Sousa – Tangará da Serra – MT
  223. Maria Cristina Couto- Nitetoi – RJ
  224. Maria Cristina Furtado – Rio de Janeiro – RJ
  225. Maria Cristina Lopes Vaz do Amaral – Monte Aprazível – SP
  226. Maria da Assunção Calderano – Juiz de Fora – MG
  227. Maria da Conceição Calderano – Juiz de Fora – MG
  228. Maria da Penha Sartorio – Vitória – ES
  229. Maria das Graças Lemos Andreatta – Piuma – ES
  230. Maria de Fática Barbosa Pereira – Bananeiras – PB
  231. Maria de Fátima da Silva Wanderley – Rio de Janeiro – RJ
  232. Maria de Fátima Saadi – Rio de Janeiro – RJ
  233. Maria de Fátima Wanderley Duarte – OLINDA – PE
  234. Maria de Lourdes Araujo Luna – Recife/PE
  235. Maria de Lourdes Lima Alves – Timoteo – MG
  236. Maria de Lourdes Rangel Tura – Rio de Janeiro – RJ
  237. Maria Denise Stahl Gomes – Venâncio Aires – RS
  238. Maria Dulce Costa Gonçalves Machado – Vitória da Conquista – BA
  239. Maria Enilda Teixeira Gonçalves – Juiz de Fora – MG
  240. Maria Goretti Toledo Lima – Mogi das Cruzes – SP
  241. Maria Helena Arrochellas – Petrópolis – RJ
  242. Maria Inês Ferreira – Rio de Janeiro – RJ
  243. Maria Isabel Fernandes – São José do Rio Preto – SP
  244. Maria Jose Lima de Aragão – Diadema – SP
  245. Maria José Lima Pitol – Fundão – ES
  246. Maria José Sartorio – Vitória – ES
  247. Maria Letícia Cotta Calderano – Juiz de Fora – MG
  248. Maria Luisa Pereira Franquilim – Ipatinga – MG
  249. Maria Luíza Aléssio Martins –– Camaragibe – PE
  250. Maria Mercia do Egito Souza – Recife – PE
  251. Maria Nivaneide de Abreu Lima – Recife – PE
  252. Maria Ozânia da Silva – Goiânia – GO
  253. Maria Regina Ruiz – Santo André – SP
  254. Maria Regina Ruiz – Santo André – SP
  255. Mariana Rocha Malheiros – Guarapuava – PR
  256. Marianna Barbosa Oliveira – Rio de Janeiro – RJ
  257. Marianne Silva de Luna – São Paulo – SP
  258. Marinês Anvhesqui Bobbio – Soretama – ES
  259. Marisa Tavares Feliciano – Goiânia – GO
  260. Marivani de Oliveira de Aquino Pereira– Rio de Janeiro – RJ
  261. Marleide Pereira da Silva – São Paulo – SP
  262. Marsilene A. Pereira Franquilim – Ipatinga – MG
  263. Marta Falqueto – Serra –ES
  264. Massilon da Silva Ramos – João Pessoa/PB
  265. Matheus Januário de Carvalho – São Paulo – SP
  266. Matsuel Martins da Silva – São José do Rio Preto – SP
  267. Maura Secco – São José do Rio Preto – SP
  268. Mauro Lopes – São Paulo – SP
  269. Mayara Barros de Araújo Cavalcante – Brasília – DF
  270. Miguel Antunes – Porto Alegre
  271. Miguel Espar Argerich – Recife – PE
  272. Milton Lacerda – Ipatinga – MG
  273. Moema M M de Miranda – Rio de Janeiro – RJ
  274. Mônica María Siqueira Lopes – São José dos Campos – SP
  275. Mônica Virginia Monteiro Pereira – Recife – PE
  276. Mozart Chalfun – Rio de Janeiro – RJ
  277. Nádia dos Santos – Mesquita – RJ
  278. Nelson Machado Junior – Rio de Janeiro – RJ
  279. Neuza Aparecida Straioto – Camboriú – SC
  280. Nilda Lucia Sartorio – Vitória – ES
  281. Nivaldo Antônio Lopes – São José dos Campos – SP
  282. Nívia Maria Rodrigues – Ipaba – MG
  283. Nixon Marques Chaves V. Silva – Rio de Janeiro – RJ
  284. Nubimar Huber Batista Tinoco – Nova Friburgo – RJ
  285. Oselina Formozo de Souza Fernandes – Rio de Janeiro – RJ
  286. Otilina de Souza Massmann –  Venâncio Aires RS
  287. Pamela Xavier – Santo André – SP
  288. Paulo Cruz – Timoteo – MG
  289. Paulo José Borges – Diadema  – SP
  290. Paulo José Villela Lomar – São Paulo – SP
  291. Ermanno Allegri – Fortaleza – CE
  292. Pedro Caixeta Cabral – Anápolis – GO
  293. Perla Cabral Duarte Doneda – Monte Mor – SP
  294. Queila de Moraes – Monte Aprazível – SP
  295. Raimunda Nonata Martins Ribeiro – São Paulo – SP
  296. Regiane Cristina Custódio – Tangará da Serra – MT
  297. Regina Augusta Souza de Oliveira Policarpo – São Gonçalo- RJ
  298. Regina Coeli Moura de Macedo – Rio de Janeiro – RJ
  299. Regina Juliani Blanco – Rio de Janeiro – RJ
  300. Regina Soares Jurkewicz – São Paulo – SP
  301. Reinaldo Almeida – Rio de Janeiro – RJ
  302. Reinaldo de Miranda – Rio de Janeiro – RJ
  303. Rejane Meneses – Recife – PE
  304. Renata Pedrosa Barbosa – Itaboraí – RJ
  305. Renato Simões – Campinas – SP
  306. Renê Dutra da Silva – Rio das Ostras – RJ
  307. Reny Aparecida Batista – Ipatinga – MG
  308. Ricardo Aléssio –– Camaragibe – PE
  309. Richard Faulhaber Trent – Rio de Janeiro – RJ
  310. Riva Oliveira –  Cabo Frio – RJ
  311. Robinson Aparecido Zanutto – Santo André – SP
  312. Rogério Benedito da Silva Añez – Tangará da Serra – MT
  313. Rômulo dos Reis Malaquias – Ipatinga – MG
  314. Rosana Barros de Araújo – Brasília – DF
  315. Rosange Lehmen de Moraes – Venâncio Aires RS
  316. Rosângela Diogo Soares – Sobral – CE
  317. Roseli Oneide Zerbinato – Brasilia – DF
  318. Roseli Pereira Dias – Canoas RS
  319. Rosmary Foresto Porto da Costa – São José do Rio Preto – SP
  320. Sabryna Taveira da Silva – Belford Roxo – RJ
  321. Salene Leite Chaves – João Pessoa PB
  322. Samara Santana dos Santos – Ouricuri – PE
  323. Samila Inacia Souza Reis Santos – Ipatinga – MG
  324. Sandra Pereira de Freitas – São Paulo – SP
  325. Sandro Gallazzi – Bento Gonçalves – RS
  326. Sarah Suzan Souza Reis – Ipatinga – MG
  327. Sebastião Bento da Silva – Ipatinga – MG
  328. Selma dos Santos – Presidente Prudente – SP
  329. Selvino Heck – Venâncio Aires – RS
  330. Severina de Assis Anísio – Bananeiras/PB
  331. Silvana Corrêa Silva –  São José do Rio Preto – SP
  332. Silvana Gomes – Diadema – SP
  333. Silvana Maria de Mendonça – Mauá – SP
  334. Silvânia Motta Braga – João Pessoa/PB
  335. Silvia Regina da Silva Gomes – Niterói – RJ
  336. Silvio Reis – Rio Espera – MG
  337. Solange de Moraes Guerra – Caxias do Sul – RS
  338. Sueli Alves Cruz – Diadema – SP
  339. Sueli Aparecida Pereira – São José do Rio Preto – SP
  340. Suely José da Cruz Gomes – Ipatinga – MG
  341. Sulamita Escarião da Nóbrega – João Pessoa/PB
  342. Suzana Regina Moreira – Rio de Janeiro – RJ
  343. Tales Falleiros Lemos – Guarapuava – PR
  344. Tânia Lucas– Rio de Janeiro – RJ
  345. Tarcisio Bobbio – Soretama – ES
  346. Teresinha Toledo – Resende – RJ
  347. Tereza Christina Vallinoto – Rio de Janeiro – RJ
  348. Tereza Cogo – Vila Velha – ES
  349. Tereza Maria Pompeia Cavalcante – Rio de Janeiro – RJ
  350. Terezinha Baldassini Cravo – Vitória –ES
  351. Terezinha Casimiro Albuquerque – Ceará
  352. Toninho Kalunga – Cotia – SP
  353. Valéria Passarin – São José do Rio Preto – SP
  354. Valmir Assis da Silva Filho – Recife – PE
  355. Valmir de Carvalho – São Paulo – SP
  356. Vander José da Silva – Ipatinga – MG
  357. Vanessa Alcântara da Silva – Alhandra/PB
  358. Vanildes Gonçalves dos Santos – Brasilia – DF
  359. Vanuzia Ribeiro Soares – Vitoria da Conquista – BA
  360. Vasconcelo Ferreira Lagares – Ipatinga – MG
  361. Verônica Freitas da Silva – Recife – PE
  362. Vicente Paulo da Silva (Vicentinho) – Brasilia – DF
  363. Victor Hugo Martins – Ipatinga – MG
  364. Walber Meirelles Ladeira – Juiz de Fora – MG
  365. Walkes Jacques Vargas – Campo Grande – MS
  366. Welma Andrade Wanderley São Paulo – SP
  367. Xavier Uytdenbroek – Recife – PE
  368. Xico Teixeira – Rio de Janeiro – RJ
  369. Yolanda de Aquino Nogueira – Salvador – BA

 

Em solidariedade ecumênica,

  1. Teresinha Toledo
  2. Claudio de Oliveira Ribeiro – Rio de Janeiro – RJ
  3. Francisca Borges de Carvalho – Teresina – PI
  4. João Batista Pinheiro – Resende – RJ
  5. Lucas Barbosa – Rio de Janeiro – RJ
  6. Lusmarina Campos Garcia – Rio de Janeiro – RJ
  7. Magali do Nascimento Cunha – Rio de Janeiro – RJ
  8. Marcelo Barreira – Vitória – ES

 

 

 

Aos leitores e seguidores do Blog – A manutenção e o sustento deste Blog, que se dispõe a reportagens maiores e exclusivas, dependem das contribuições de seus leitores/seguidores. Com essas contribuições é que enfrentamos despesas com processos que nos movem, bem como nossos investimentos em viagens na busca por informações exclusivas para nossos leitores. Nosso trabalho depende dessas contribuições, em qualquer valor, em qualquer periodicidade. Para apoiar o Blog e nosso trabalho, utilize a conta bancária exposta no quadro ao lado.

1 Comentário

  1. Antonio disse:

    Como disse o papa Francisco: “é melhor ser ateu do que católico hipócrita”. Falar mais o quê?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *