Intervenção no Rio: péssima reprise!
17 de fevereiro de 2018
E, se os traficantes matarem um militar?
19 de fevereiro de 2018

Duas ou três palavras sobre pobreza, corrupção e a Beija Flor (*)

Vanessa Cavalieri Félix (**)

Trabalhei em Nilópolis durante cinco anos. Fui titular de uma vara que tinha competência, entre outras, para julgar ações contra o município. Também fui juíza eleitoral e fiz três eleições na cidade. Era responsável pelo registro das candidaturas, ou seja, por barrar os candidatos “ficha suja” (como se sobrasse alguém…)

Logo na entrada da cidade, depois da estação de Ricardo de Albuquerque, tem um portal com um beija-flor prateado de uns cinco metros de altura, que é para não deixar dúvidas sobre quem manda ali.

Na primeira semana, minha secretária perguntou aos funcionários nilopolitanos se tinha perigo andar a pé pelo centro da cidade. Naquela época, pré UPPs, não tinha. “Aqui é muito tranquilo. Mês passado andaram acontecendo umas saidinhas de banco, mas depois apareceram cinco garotos executados na porta da agência do Bradesco e as saidinhas acabaram”. Era assim, bolsonaramente, que se resolviam os problemas de segurança pública na cidade.

Já nos outros serviços públicos essenciais não se via tanta eficiência.

Era assim, bolsonaramente, que se resolviam os problemas de segurança pública na cidade“. (Foto do desfile da Beija Flor, 2018 – extraída do site da Escola)

Diariamente eu deferia liminares determinando que o município fornecesse remédios a doentes crônicos, ou que internasse pacientes graves. Mas lá, para o secretário de saúde, a decisão judicial era uma mera sugestão, geralmente não acolhida.

Perdi a conta de quantos atestados de óbito a defensora pública juntou aos processos. Perdi a conta de quantos bebês nasceram com paralisia cerebral por anoxia de parto, adiado ad infinitum pela equipe médica de plantão que não tinha condições de atender tanta gente.

Culpa dos políticos?

Além do envolvimento com o jogo do bicho, com a escola de samba, com a milícia, a família Abrahão Davi se reveza na política da cidade há décadas. São prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, deputados estaduais e federais. Até um senador da república esse minúsculo e paupérrimo município da Baixada Fluminense conseguiu eleger.

Além do envolvimento com o jogo do bicho, com a escola de samba, com a milícia, a família Abrahão Davi se reveza na política da cidade há décadas” (Foto, governador Moreira Franco recebendo a cúpula do Jogo do Bicho no Palácio Guanabara – copiado do Conversa Afiada – Arquivo Jornal do Brasil)

De todas as atrocidades que eu tomei conhecimento nesses cinco anos lá, duas coisas me impressionaram demais.

O caso de uma menina de 9 anos, que era tão negligenciada, tão miserável, tão invisível, que nunca na vida teve uma boneca. E aceitou ser estuprada por três homens de mais de sessenta anos, em troca da primeira boneca, que ela escolheu nas Lojas Americanas, com os olhos brilhando.

E o choque que eu tomei quando a Polícia Federal apreendeu mais de um milhão de dólares e euros em espécie, no bunker do bicheiro Anísio Abrahão Davi, lá mesmo naquela cidade. Lembro de ir trabalhar nesse dia, vendo as crianças nas ruas brincando nas vielas de esgoto, a caminho do fórum, sem acreditar no tesouro escondido naquele lugar.

E, por fim, o dia mais deprimente do ano era a quinta feira seguinte ao Carnaval. Ver todas aquelas pessoas, que sofriam com o descaso do Estado o ano inteiro, sorrindo, cansadas, de ressaca, os restos de fantasias, plumas e paetês pelas ruas, entorpecidas com pão e circo, porque a escola tinha, de novo, sido campeã, garantindo assim mais uma eleição para a família que se perpetuou no poder.

“Oh pátria amada, por onde andarás?
Seus filhos já não aguentam mais!
Você que não soube cuidar
Você que negou o amor
Vem aprender na Beija-Flor”.

Sinto muito estragar a festa. A Beija Flor de Nilópolis não tem nada para ensinar.

(*) O Artigo acima foi publicado originalmente no Facebook da juíza que autorizou sua reprodução no Blog.

 

(**) Vanessa Cavalieri Félix – juíza de direito há 13 anos, há 2 anos é titular da Vara da Infância e Juventude da Capital, de competência infracional.  Entre 2007 e 2012 esteve à frente da 2ª Vara Cível da Comarca de Nilópolis onde também respondeu pela 201ª Zona Eleitoral. também foi juíza titular da 1ª Vara Criminal de Nova Friburgo.

 

 

 

Aos leitores: O Blog tem por objetivo tratar com detalhes assuntos de interesse público, buscando informações normalmente esquecidas pela mídia tradicional. Busca também artigos que suscitem debates, como este. Por isso, costumamos apresentar menos postagens, já que publicamos reportagens mais elaboradas. Nossa sobrevivência depende da ajuda dos leitores, compartilhando nossos textos para que atinjam um maior número de pessoas. Contamos ainda com contribuições financeiras para a manutenção desta página, em quaisquer valores e em qualquer periodicidade. Podem ser feitas na conta corrente cujos dados se encontram no quadro ao lado. Desde já agradecemos aos que vêm contribuindo e às novas contribuições.

15 Comentários

  1. FRANCISCO disse:

    FRANCISCO.

    Só não ficou claro uma coisa. O que Vossa Excelência fez para cessar todas as atrocidades que presenciou. Denunciou as bancas de bichos espalhadas pelo Município. Sequer levantou um cartaz protestando contra tais práticas. Por que vossa Excelência não escreve um texto sobre o que acontece nos bastidores do Judiciário, como por exemplo, a família ZVEITER e seus escritórios milionários, contrato com a CEDAE e demais bancos, entre muitos outros membros da Magistratura e do MP. Não querendo defender, mas o pau que cabe a chico, também deve ao Francisco. As milícias espalhando-se por todos os lados no Estado do Rio de Janeiro, corruptos destruindo direitos, garantias e o patrimônio público. E a inércia do Judiciário, Ministério Público e outros. Com o imenso respeito que tenho a todo, qualquer ser humano, e tenho pela Senhora, fico triste e angustiado com as suas palavras, até porque me ponho a pensar e concluo que se uma juíza que possui um poder não concedido aos reles mortais, em suas mãos, e nada pode fazer. Para que existir Juízes. Omitir-se também é crime. Ao pensar sobre tudo isso, uma depressão toma conta do meu ser. E passo a ter a plena convicção de que estamos ferrados. Um lampejo de esperança retorna momentos depois, penso que não possamos desistir, e passo a não acreditar totalmente no que é aqui dito. Até porque, tenho a plena convicção, que VExa., demais juízes e desembargadores, sabem o quanto é peso de suas canetas quando querem fazer valer suas decisões, bem como sabem como se organizarem para fazer valer o que bem lhe convier, quando bem quiser. Tanto para o bem, quanto para o mal. O problema que impera no Brasil é que cada um olha para o próprio umbigo e que se dane os demais umbigos, ou olho e vejo o umbigo dos outros, mas não me importo. Isto é, que se dane! Acredito que a maior arma seja uma coisa comum a todos. A consciência. Inerente a todos. Só V.Exa. pode responder internamente se o que digo é verdade, ou não; através de uma análise dela.
    Sem ressentimentos. Um beijo no seu coração.

  2. Metendo a real disse:

    Essa juíza apadrinhada pelo Cavalieri pregando moralidade….. se não fosse parente de ninguém certamente não era juíza

  3. Octavio disse:

    Parabéns para a Juíza. Mostrou o problema, mas em nenhum momento agiu para solucioná-lo!!! O povinho acostumado a tomar porrada!!!!
    Qualquer autoridade que tome ciência de um crime tem a obrigação legal de denunciá-lo. Para mim, ela agiu como não tivesse nada com isto.

  4. Cuticula De Peixe disse:

    Parabéns pelo relato doutora! É isso mesmo, o mesmo senhor que mata e joga gente na porta do banco é o que vai tirar o dinheiro da saúde e matar crianças e idosos. Só que o povo não percebe isso e paga um preço muito alto.

  5. Olímpio Cesário do Prado disse:

    Sim!
    As oligarquias, se perpetuam no poder desde os primeiros dias desta nação e se estendem de norte a sul, de leste a oeste. Não é primazia de Nilópolis ou do estado do Rio de Janeiro.
    É enfermidade que corroe o Brasil.
    A descrição da miséria e da exploração desta, como meio de perpetuar se no poder, poderia perfeitamente ser encaixada no litoral de São Paulo, nesta afamada Guarujá, Guarujá com suas dúzias de favelas dominadas, com seus luxuosos condomínios e requintados loteamentos, onde juízes tem domicilio e residência. Enfim, o Brasil, precisa conhecer o Brasil. E a justiça, ora a justiça!

    Saudações fraternais desde aqui, litoral de São Paulo.

  6. Robson Rodrigues disse:

    Sou nascido e criado em Nilópolis, minha querida a senhora já andou em Belford roxo, nova Iguaçu e outros lugares da Baixada Fluminense? Acredito que não!
    Nilópolis é um município pequeno mas muito importante na baixada, tem problemas quanto todo o Brasil, não adianta eleger outros candidatos, sabe o porquê? Eles fazem o povo de otários, então antes de falar essa besteira, venha morar aqui, para saber se procede essa sua mensagem furada.

  7. Roberto disse:

    Bom dia a todos!

    Até concordo com a autora, e a escola pode ter falado contra si mesma e contra os seus donos!

    Mas o samba e o desfile nos alertam e expôs claramente o que está acontecendo principalmente no Estado do Rio, mas espalhado por todo o país.

    Algumas críticas ao texto já foram feitas.

    Espero que os alertas dos 2 sambas e desfiles tragam consciência e mudanças na população e nos que detém o poder pra alterar a realidade.

    Despertar a consciência de que mudanças só ocorrerão de verdade quando quebrarmos essa perpetualidade de poder pra uma pequena parcela que se esbalda com dinheiro público aonde está claramente é totalmente inclusa juízes como essa do texto é um sistema eleitoral que leve gente do povo e comprometida com o povo no lugar de “representantes” que representam seus pequenos grupos e seus grandes interesses!!!
    Abraços

  8. junior silva disse:

    que pena que nossa juiza nao gostou da beija flor .nos brasileiros tbem nao confiamis no nosso judiciario

  9. ardaga disse:

    Pois é. Só mais uma coisa, querida Vanessa. Isto que você trata com umas curtas frases de indignação no caso de Nilópolis é a “normalidade” secular do Brasil. Municípios a fora. A única coisa que difere é o nome do Coronel e sua quadrilha eufemisticamente declarada de “família de bem” e/ou “partido”. E me estranha que faltou, mesmo com pouco espaço, qualquer indignação a respeito da mesma podridão ética e venalidade no ramo da jurisprudência. Que, também, brinca de anjo carnavalesco o ano inteiro. Faz 518 anos.
    Abraços da Bahia!

  10. Curioso disse:

    Apesar de concordar com parte do texto me surpreende a autora não ter citado casos de corrupção dentro do judiciário. Será que tudo isso ocorria sem o conveniência deste poder?

  11. Zeca disse:

    É impressão minha ou já tem manifestoche entreguista vira latista na área.

  12. sergio disse:

    Bolsonaramente foi otimo.Cavalieri esse nome não me é estranho.No concurso para juiz estranhamente a maioria dos aprovados também são filhos de juizes.Depois falam dos outros.Viva o bolsonaramente.kkkk

  13. Ronald Rodrigues disse:

    É impressão minha ou o blog não tem críticas a fazer contra a corrupção da era PT? Estaremos diante de mais um caso de indignação seletiva?

    • C.Poivre disse:

      Eventuais casos de corrupção nos governos Lula e Dilma parecem coisa de criança quando comparados com os fabulosos numerários envolvidos na ladroagem crônica dos governantes do P$DB: fhc comprou os votos para se reeleger, promoveu o maior festival de corrupção da história do país, a Privataria Tucana, tem uma fortuna incompatível com o que ganha de aposentadoria e a pensão de ex-presidente; tem o Mineirinho que mantém uma vasta quadrilha em MG onde não só se especializou em desvios dos cofres públicos como em mandar matar seus desafetos e eventuais testemunhas de seus crimes; tem o Perrella, o do helicoca, que declarou ser mesmo traficante, o Anestesia recebendo um milhão de reais numa garagem; o Careca que recebeu de uma só vez o maior valor nominal em propina; o Aloísio-800mil, o Santo e todo o entorno dos governadores paulistas tucanos; o desvio da merenda escolar; o Caso Banestado, usado para lavar o dinheiro da Privataria Tucana e inúmeros outros casos conhecidos e comprovados da imensurável corrupção tucana que vem de décadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *