25 de outubro de 2016

Porque a presidente do CNJ não deve entrar no jogo corporativo dos juízes

Eugênio José Guilherme de Aragão* A liturgia do cargo público não é mero exercício de vaidade e de ego. Ela é um marco do republicanismo, que […]