“No sofrimento é que se firma a Esperança!”
24 de dezembro de 2016
A “manipulação” das consciências pela “força da insistência”.
28 de dezembro de 2016

Hospital da Posse em Nova Iguaçu, mesmo antes da PEC do Fim do Mundo entrar em vigor já está com seus repasses congelados a valores de 2013. Resultado, não funciona.

Marcelo Auler

Hospital da Posse em Nova Iguaçu, mesmo antes da PEC do Fim do Mundo entrar em vigor já está com seus repasses congelados a valores de 2013. Resultado, não funciona.

Hospital Geral de Nova Iguaçu, o Hospital da Posse, mesmo antes da PEC do Fim do Mundo entrar em vigor já está com seus repasses congelados a valores de 2013. Resultado, não funciona.

Quem diria, a TV Globo, que ajudou a destituir o governo legitimamente eleito e levar para o Palácio do Planalto o golpista Michel Temer, não precisou mais do que 4 minutos para mostrar que a PEC do Fim do Mundo, já aprovada pelos governistas no Congresso, ainda nem entrou em vigor congelando gastos na área social, e o governo Federal já segura a verba necessária ao atendimento à população. Dos mais pobres, é claro, porque para as teles ele quer doar R$ 105 bilhões.

É verdade que a matéria não foi – será que vai? – para o Jornal Nacional. Limitou-se, por enquanto ao RJTV 1ª Edição (a partir dos 30min47′). Em um trabalho bem feito pela repórter Raquel Honorato ficou claro que por falta de repasse federal, o município de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, – cujo prefeito, Nelson Bornier, é da patota peemedebista que apoia o presidente golpista -, não consegue dar atendimento médico aos seus habitantes

regina-lopes

Regina Lopes: atendiomento só no Rio.

Como o governo Temer não repassou, no último dia 12, a verba destinada às Clinicas de Família, a do bairro de Austin está fechada há quinze dias, como comprovam os moradores. Na porta, um cadeado trancado retira qualquer dúvida.  Raquel quis saber da dona de casa Regina Lopes onde os moradores buscam ajuda. Na sua simplicidade, a entrevistada foi seca:

“No Estácio, lá embaixo na cidade. Porque se você vê aqui, só pago”, Em seguida, completou, quando ouviu a jornalista questionar incrédula: “No Rio de Janeiro?” “No Rio de Janeiro. Porque aqui não tem. Não tem. Nós estamos abandonados”.

Clínica de Família em Austin, Nova Iguaçu: portão fechado com cadeado em plena luz do dia, apesar de anunciarem funcionamento 24hs.

Clínica de Família em Austin, Nova Iguaçu: portão fechado com cadeado em plena luz do dia, apesar de anunciarem funcionamento 24hs.

Para quem não conhece, Austin é um bairro de Nova Iguaçu e o Estácio, lembrado por dona Regina, fica no centro do Rio de Janeiro. Segundo dados do Google, são 47,8 quilômetros de distância em um percurso que leva 56 minutos – sem engarrafamentos -, através da Via Dutra e da Linha Vermelha.

Um governo que fala em impor 49 anos de trabalho para uma aposentadoria, forçar um deslocamento em torno de 48 quilômetros a quem busca atendimento médico deve ser algo normal. Desde que não com os seus.

Em Nova Iguaçu há o Hospital Geral, mais conhecido como Hospital da Posse. Trata-se de um grande hospital construído para atender moradores da Baixada Fluminense. Mas, segundo moradores informaram ao RJTV, ele só atende casos urgentíssimo, graves.

A situação, nas explicações do jornalista Edmilson Ávila, da TV Globo, não tende a melhorar. Porque antes mesmo da PEC do Fim do Mundo entrar em vigor, os valores repassados para a manutenção do hospital já estão congelados. É dele a explicação dada no telejornal:

Declaração de um morador ao RJTV

Declaração de um morador ao RJTV

Para o Hospital da Posse continuam só os caso graves. Ninguém vai ser atendido em ambulatório. Enfim, só casos graves. Aí é mais complicado. Esta era uma unidade federal, aí municipalizou. Mas o governo federal continua fazendo o pagamento, só que continua fazendo o pagamento como se fosse o atendimento de 2013. Então, se em 2013 atendia a 4 mil pessoas, pagava por aquilo. Só que não fizeram um ajustamento. Então, agora que se atende muito mais, eles pagam muito menos e aí as contas nunca vão fechar. Por isso é que a situação é tão grave e vai continua assim. A informação que nós temos é que nesse momento só as pessoas em situação grave vão ser atendidas“.

É difícil imaginar como o hospital atenderá os casos urgentes, o que teoricamente deve ser feito na Emergência. Como os moradores da cidade falaram à repórter da TV Globo, este setor estava escuro, sem médico nem atendentes. Não tinha nada.

Curiosamente, em outubro de 2015, durante a inauguração da Emergência Pediátrica do hospital, o prefeito Bornier e o secretário municipal de saúde, Luiz Antônio Teixeira Junior, vangloriavam-se por estarem melhorando a “situação caótica” que dizem terem encontrado em 2013. “Luiz Antônio destacou ainda que promover melhorias em meio à crise econômica não é tarefa fácil, mas é possível com planejamento e alternativas,”. E citou uma delas: “a emenda parlamentar do deputado Felipe Bornier (filho do prefeito), que acaba de ser aprovada pela bancada federal, destinará R$ 5 milhões para o Hospital da Posse”, como consta do Boletim Informativo da Prefeitura.

Ao que parece, pelo o que a TV Globo – insuspeita – mostrou, e os moradores relataram, o planejamento não funcionou e o dinheiro ou não chegou ou não foi bem administrado.

Distante 12 quilômetros da Clínica de Família de Austin está a Clínica de Famílias de Vila de Cava. É para lá que a secretaria municipal de Saúde aconselha os pacientes rejeitados no Hospital da Posse buscarem socorro. Mas, ali, apesar de as portas estarem abertas, ao contrário da Clínica de Austin, o atendimento também é só de casos graves.

“Eu estou dizendo que ela está há três dias passando mal. Fui na UPA, não tem médico, aí, onde que está atendendo? “Em lugar nenhum”. Vim aqui e o médico está aí. O médico está atendendo? Não, só se estiver morrendo”, explica o vendedor Valério Mariano.

Gisela Oliveira, estudante, confirmou que há quinze dias a clínica está fechada. “Ela não funciona. A gente vem aqui e não está funcionando, nem a emergência. Não tem atendimento, ou você se vira, ou você vai procurar um lugar mais longe para resolver alguma coisa”. Um funcionário explicou, anonimamente:

crise-no-hospitalmda-posse-rjtv-26-12-16-01

Falta seringa, material básico, Seringa, luvas, soro, medicações, falta tudo. Quem está comprando são os acompanhantes. Às vezes eu recebo três seringas para trabalhar em duas enfermarias, com mais de dezoito pacientes.”

Nas explicações dos jornalistas da TV Globo, o caos das Clínicas de Família está ligado ao atraso do repasse de verba pelo governo Federal. O dinheiro deveria ter sido enviado no dia 12, mas só foi remetido na sexta-feira (23/12) e ainda demora dois dias para cair na conta da secretaria de Saúde do município. Sendo assim, ainda esta semana elas podem voltar a funcionar. O problema maior é o Hospital da Posse. Afinal, o que ele recebe hoje já não cobre as despesas para os atendimentos que precisa fazer. Com o novo congelamento de o governo Temer, então, acabará fechando as portas. Por mais que o presidente prometa que sua PEC não afetará o atendimento social. Na verdade, antes delas, ele já a está afetando.

2 Comentários

  1. C.Poivre disse:

    Santayana: A morte da Engenharia Brasileira pela jurisprudência da destruição:

    https://caviaresquerda.blogspot.com.br/

  2. Corvo disse:

    Oi. Fui um dos presos na Operação Hashtag e gostaria de entrar em contato com você. Eu fui solto na primeira leva depois de 60 dias e fiquei me apresentando na PF aqui do meu estado, mas a DPU me ligou antes do recesso e disse que eu não precisava mais me apresentar e que, seria, a partir de agora, questão de tempo para eu me ver livre deste pesadelo. Será que eu poderia contribuir para seu blog de algum modo? E Será que você poderia me ajudar também com informações e me colocando em contato com advogados ativistas. Pois a DPU é tão burocrática e distante. Aguardo seu resposta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *