Como se livrar dos trapaceiros
29 de dezembro de 2016
Nomeação na Fiocruz virou briga partidária
31 de dezembro de 2016

Governo golpista cria rebelião na Fiocruz

Marcelo Auler

Em 26/11 a Comissão Eleitoral da Fiocruz prooclamou o resultado com Nísia (ao centr, de blusa vermelha) em primeiro lugar e Tânia em segundo. (foto: Peter Ilicciev/Fiocruz)

Em 26/11 a Comissão Eleitoral da Fiocruz proclamou o resultado com Nísia (ao centro, de blusa vermelha) em primeiro lugar e Tânia em segundo. (foto: Peter Ilicciev/Fiocruz)

A notícia de que o governo golpista de Michel Temer decidiu nomear para a presidência da Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz (2017/2020), a segunda candidata mais votada nas eleições internas de novembro é vista como um golpe dentro da instituição e provocou reação imediata. A informação da escolha de Tânia Cremonini Araújo-Jorge, desrespeitando uma tradição seguida há anos, foi publicada quinta-feira (29/12) na coluna Panorama Político, de Ilimar Franco, em O Globo. Mesmo em recesso, na manhã desta sexta-feira, 30/12, haverá uma reunião do Conselho Deliberativo da Fiocruz composto pela presidência da instituição e os diretores das unidades. Uma mobilização de trabalhadores ocorre paralelamente, mesmo sem o Sindicato ter convocado assembleia. Haverá uma vigília à espera do pronunciamento do Conselho.

A decisão do engenheiro civil Ricardo Barros, que no governo golpista de Michel Temer comanda a pasta da Saúde, demonstra que a turma que ocupou o Palácio do Planalto com o golpe do impeachment não respeitará os processos democráticos existentes há décadas. Na Fiocruz, a eleição do presidente foi instituída logo após a gestão de Sérgio Arouca (1985/1988). Barros, provavelmente cumprindo ordens do Planalto, está gerando uma nova crise em um governo que segue aos trancos e barrancos. Em sete meses já perdeu seis ministros e têm diversos outros ameaçados por possível envolvimento em casos de corrupção. Agora atrai a ira de servidores da Fiocruz e de instituições acadêmicas que defendem o processo eleitoral.

ricardo-barros-editadaMinistro brincando com fogo – Nas palavras de um dirigente da Fiocruz, ou se nomeia a primeira colocada, Nísia Verônica Trindade Lima (2.556 votos em primeira opção – 59,7 % – e 534 votos em segunda opção), respeitando-se o processo que vem desde o final da década de 1980, ou então haverá uma crise. Da eleição participaram 4.415 servidores, o que correspondeu a 82,1% dos servidores. Tânia Cremonini Araújo-Jorge, teve 1695 votos em primeira opção (39,6 %) e 656 votos em segunda opção.

A segunda colocada não dirige a Fiocruz. O ministro está brincando com fogo. Uma alternativa do segundo colocado na Fiocruz não dirigirá a instituição. O ministro não compreende a Fiocruz. O ministro não sabe com o que está lidando; não conhece nosso caráter democrático, histórico. Nunca houve uma intervenção desse tipo, salvo na época da ditadura e do Collor, e nós  não acreditamos que isso ocorrerá agora. A resistência será grande e as mobilizações externas, de parlamentares, Academias, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e por ai vai, já estão ocorrendo”, alerta o dirigente.

tania-cremonini-araujo-jorge

Na campanha, Tânia falou em gestão democrática e participativa, além de defender forte apoio interno, predicados que ela está jogando ladeira abaixo ao aceitar a nomeação, depois de ter sido a segunda mais votada.

Discurso ladeira abaixo – O que vem surpreendendo a todos é a movimentação da cientista e educadora Tânia Cremonini, pesquisadora da Fiocruz desde 1983. Afinal, ela própria, na apresentação de sua candidatura, deixou claro:

“Nunca sou neutra, sempre me posiciono. Não sou de me calar nem de me omitir, e sou reconhecida por nunca partidarizar minhas ações em ciência e tecnologia. Disputei duas eleições no IOC com outros colegas e após as eleições trabalhamos juntos pelas ações e pela unidade institucional“.

Se não estava acostumada a partidarizar suas ações, agora, parece que se sentiu mordida pela mosca azul e jogou por ladeira abaixo o discurso de campanha quando falou em gestão democrática, participativa e forte apoio interno para levar a missão da Fiocruz adiante:

“Tenho credibilidade por atuar decisivamente em minha gestão como diretora em três cláusulas pétreas essenciais da Fiocruz: gestão democrática e participativa, compromisso social, e criação de mecanismos que assegurem a sua eficiência e eficácia gerencial. E defendi fortemente nos últimos congressos internos as outras duas cláusulas pétreas da Fiocruz: ser uma Instituição pública e estatal e manter-se integralizada, sem pulverizações. Defendi que a Fiocruz precisa estar muito unida e coesa para implementar mudanças da magnitude proposta, cumprindo sua missão e visão. E que, para isso, não deveríamos nos apressar em tomar decisões sem maturidade e sem forte apoio interno”.

Servidora há ttrês décadas, Nísia Lima contar´=a com o apoio não apenas de toda a direção da Fiocruz e da maior parte de seus servidores, como de instituições como a SBPC.

Servidora há três décadas, Nísia Lima contar´=a com o apoio não apenas de toda a direção da Fiocruz e da maior parte de seus servidores, como de instituições como a SBPC.

Caso aceite a nomeação – e ao que dizem, ela esteve em Brasília negociando-a -, Tânia Cremonini não contará com o apoio da maior parte da Fiocruz, inclusive de muitos de seus eleitores, conforme preconizam alguns membros da instituição. A experiência democrática da instituição lutará pela nomeação da mais votadas, a doutora em sociologia e servidora da Fiocruz há três décadas, Nísia Lima.

Após a ditadura militar, em uma única fez a primeira opção da lista não foi seguida pelo governo. Foi durante a intervenção do governo Collor de Mello, como explica um dos diretores atuais:

Ele fez uma intervenção e nós tivemos que negociar, não colocamos nenhum da lista, mas um pesquisador da Fiocruz em combinação, na época, com o ministro Alceni Guerra. Quando acabou o governo Collor, voltamos para a lista. Já era Itamar Franco. Os dois primeiros da lista anterior estavam fora do país. Já se tinham passado dois anos. Por isso entrou o terceiro. Mas foi algo totalmente negociado com o primeiro e o segundo da lista que não podiam assumir, pois estavam no exterior. De lá para cá sempre é o primeiro que é nomeado. Nunca houve outra alternativa”.

Na visão deste diretor da Fiocruz, o engenheiro civil Barros, que está ministro da Saúde, é “irascível e autoritário”:

O ministro, eu diria que é uma pessoa irascível e  é absolutamente  autoritário. Infelizmente ele encontrou na segunda candidata alguma alternativa de meter a mão na Fiocruz. Entenda isso como quiser. A Fiocruz sempre foi imune a indicações políticas, nunca esteve envolvida em mal feitos. Aparentemente, e infelizmente constatamos isso, essa segunda candidata, a pesquisadora Tânia de Araújo Jorge, deve ter feito alguma articulação. Não há motivo para ele fazer a indicação da segunda por ter um projeto melhor. Não existe isso. Ela é uma candidata que não terá apoio de nenhum diretor da Fiocruz, não irá conseguir governar em hipótese alguma“, prevê.

9 Comentários

  1. C.Poivre disse:

    O golpe não tem relação com corrupção e sim com TRAIÇÃO!

    https://dinamicaglobal.wordpre

    CRIME DE TRAIÇÃO À PÁTRIA:
    “Art.
    13 da Lei 7.170/83 – Comunicar, entregar ou permitir a comunicação ou a
    entrega, a governo ou grupo estrangeiro, ou a organização ou grupo de
    existência ilegal, de dados, documentos ou cópias de documentos, planos,
    códigos, cifras ou assuntos que, no interesse do Estado brasileiro, são
    classificados como sigilosos.
    Pena: reclusão, de 3 a 15 anos.”

  2. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    Não se preocupem. Segunda feira o golpista recua. É praxe. A Nísia vai ser empossada.
    Esse governo gosta de empossar quem não tem votos. Mas acho, que desta vez, não vão levar.

  3. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    Não se preocupem. Segunda feira o golpista recua. É praxe. A Nísia vai ser empossada.
    Esse governo gosta de empossar quem não tem votos.

  4. O nome da Tania é legítimo e está na lista por este motivo. O Ministro
    pode escolher qualquer uma das duas .No governo Itamar, o primeiro da
    lista estava fora do país e aceitou voltar. O segundo estava no Brasil. O terceiro, Carlos Morel foi escolha do Presidente. Muito estranho são os apoios, como Firjan. Outro fato intrigante é o desespero do
    Presidente que sai Paulo Gadelha. Quem orquestrou a crise foi
    este senhor.

  5. Eugênio Carlos Lacerda disse:

    Show Marcelo !!!como sempre!!! Coerente, preciso, direto, inteligente, reflexivo

  6. Rene Luiz Ienmy disse:

    De um governo que se apoderou do poder por meio de um golpe em que participaram todos os poderes constituídos da república e a grande mídia, só se pode esperar golpe atrás de golpe. Por isso näo se espantem que por aí viräo muitos golpes mais.

  7. […] Auler, em seu blog, conta como anuncia-se que o Ministro da Saúde, Ricardo Barros, está dando um golep de mão na […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *