Na Lava-Jato, a supremacia da Luta sobre o Direito  
4 de abril de 2016
Para que não se esqueça. Para que NUNCA MAIS aconteça!
6 de abril de 2016

Panorama Atual, blog do jornalista Roberto Junquilho na revista eletrônica Século Diário

Marcelo Auler

Século Diário é uma revista eletrônica criada e mantida pelo meu amigo de longa data, o capixaba Rogério Medeiros, veterano jornalista que durante anos foi correspondente do Jornal do Brasil, em Vitória (ES). A revista é escrita junto com outros profissionais bem capacitados do Espírito Santo, como Roberto Junquilho, que mantém o blog Panorama Atual. A leitura do Século Diário é obrigatória para quem quiser saber o que se passa em terras capixabas. Medeiros, inclusive, vem sendo bastante perseguido por conta dos artigos que escreve sobre o Poder Judiciário local.

Panorama Atual, blog do jornalista Roberto Junquilho na revista eletrônica Século Diário

Panorama Atual, blog do jornalista Roberto Junquilho na revista eletrônica Século Diário

Mas, é do blog de Junquilho que compartilho o artigo Os rinocerontes estão soltos, e atacam!, editado nesta quarta-feira (06/04). Não vou, como de hábito, publicar a íntegra. Deixo para que o leiam na própria página. Reproduzo aqui quatro parágrafos, inclusive o último, ao qual dou destaque.

“Há rinocerontes na cidade e eles começam a atacar, como tantos outros espalhados pelo Brasil nesta situação de caos em que o País mergulhou. Um deles ameaçou-me, colocou ofensas pessoais em redes sociais e disse que sou do PT, o que não é verdade. Para me resguardar e também para dar uma lição nesse abusado, pretendo adotar as medidas judiciais cabíveis. Com o crescimento da onda de ódio e intolerância insuflada diariamente pela imprensa, em especial a Rede Globo, o Brasil foi invadido por uma manada enorme desses animais, que não entendem direito as coisas ao seu redor e possuem extrema força bruta.

Certamente, você não deve estar entendendo nada. Explico: é que o cenário surreal do Brasil, com total inversão de valores éticos e morais, me trouxe à memória a peça “O Rinoceronte”, de Eugène Ionesco, um mestre do chamado teatro do absurdo, como Pirandello e Samuel Beckett. No texto de Ionesco, de repente aparece no meio da praça principal da cidade um bicho desses, e depois outro, e mais outro, e mais outro, e todos se transformam em rinocerontes. O escritor trata, na sua peça, de pessoas alienadas pelo fanatismo extremista, levadas por poderosos meios de dominação mental. A rinocerontite, a doença que ataca as pessoas, na peça, está se alastrando pelo Brasil.

Quem não estiver infectado defende a democracia, fala bem de programas de justiça social, se coloca contra a desigualdade, luta pelo pré-sal, é contra a maioridade penal e a terceirização das relações de trabalho, entre outros temas considerados pelos rinocerontes, e só por eles, coisa de comunista.(…)

Para os rinocerontes não importam o caso Banestado, que o juiz Moro mandou arquivar, a corrupção de Furnas, do Centro administrativo de Minas Gerais, o helicóptero com quase meia tonelada de pasta base de cocaína apreendido no Espírito Santo, o escândalo da compra dos trens e da merenda escolar em São Paulo, só para citar alguns. Esses não interessam, porque gente ligada ao PT não está no meio, os participantes são todos rinocerontes. Por isso, estão fora do alcance da Polícia Federal, de parte do Judiciário e do massacre midiático. Quanto ao Congresso é um caso à parte, porque ali o que tem mesmo é rinoceronte, cada um mais robusto e feroz do que o outro, exalando um mau cheiro insuportável”.

Leia a íntegra em: http://seculodiario.com.br/blogs/panoramaatual/2016/04/06/os-rinocerontes-estao-soltos-e-atacam-2/

1 Comentário

  1. CONSTITUICAO disse:

    É melhor alguém arrumar um jeito rápido de colar a Constituição Federal, rasgada em Curitiba e na Camara dos Deputados.
    Simplesmente porque ao efetivarem a nao validade da Carta magna… eu vou pendurar um fuzil no pescoço e sair na rua … so isso. Se no vale pra um mais, nao vale pra ninguem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *