Arma-se o butim nos trabalhadores

Emilio e Marcelo Odebrecht
Destrinchando a delação de Odebrecht
19 de abril de 2017
impunidade.. contribui
Impunidade faz jorrar sangue em MT
22 de abril de 2017
charge 1

Marcelo Auler

charge 1Sei bem que a crise que o país enfrenta não é de simples solução, uma vez que tem raízes sócio-político-econômicas, e não corresponde à Igreja nem ao Papa dar uma receita concreta para resolver algo tão complexo  (…) Porém, não posso deixar de pensar em tantas pessoas, sobretudo nos mais pobres, que muitas vezes se veem completamente abandonados e costumam ser aqueles que pagam o preço mais amargo e dilacerante de algumas soluções fáceis e superficiais para crises que vão muito além da esfera meramente financeira”, acrescentou. Inflação: Por que os pobres sofrem mais?” (Papa Francisco em Carta a Michel Temer)

A manobra do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) que, 24 horas depois de uma derrota do governo golpista refez a votação, transformando a derrota em vitória, contou com a ajuda de 78 deputados. Destes, 23 mudaram completamente o voto nestas 24 horas, sujeitando-se às pressões do governo que jogou pesado ao armar o Butim contra os trabalhadores, apressando um projeto que retira vários direitos dos mesmos.

Isto, apesar do apelo do próprio papa Francisco que em carta ao presidente golpista Michel Temer, ao mesmo tempo em que recusou seu convite para visitar o Brasil, recomendou que as reformas do governo poupem as classes mais necessitadas, com as palavras transcritas acima. Curiosamente, parlamentares que posam como católicos praticantes e que são capazes de em um Estado Laico defenderem posições da igreja, como a proibição do aborto, deram as costas ao apelo papal e votaram pela urgência de um projeto perverso. Caso, por exemplo, do deputado Hugo Leal (PSB-RJ) que mudou de voto, aceitando a pressão do governo, e deu as costas ao apelo do papa. No próximo domingo, certamente ele frequentará a missa como se nada demais tivesse acontecido.

A jogada sorrateira promovida por Maia, ao estilo do que fazia Eduardo Cunha, demonstra que este Congresso, cuja maior parte dos membros está sob suspeita não só por conta da Lava Jato, prepara-se para implantar as mudanças na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), condenadas por todos os especialistas. A começar pelo próprio Ministério Público do Trabalho (MPT) que tem, para desgosto de muitos, tem liderado as campanhas contra essas mudanças.Não só por ele, como também por juízes do Trabalho, sindicalistas, advogados especialistas na área.ç

O Ministério Público do TRabalho (MPT) vem liderando as manifestações contrárias à reforma proposta pelo governo golpista.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) vem liderando as manifestações contrárias à reforma proposta pelo governo golpista.

Mas, a própria opinião pública – como mostra a charge acima – precisa fazer sua parte, pressionando os parlamentares e o governo. A greve geral convocada por centrais sindicais, sindicatos e movimentos populares para a próxima sexta-feira, dia 28, é uma boa oportunidade para isso.

O que a Câmara fez entre as noites dos dias 18 (terça-feira) e 19 demonstra apenas que grande parte dos deputados não votaram com base em convicção pessoal ou na defesa de projetos que entendem justo. Isso não os faria modificarem votos assim. Por detrás dessas mudanças há a pressão – de ambos os lados, é verdade, mas principalmente por parte do governo que jogou pesado, como a própria grande imprensa denunciou. Entraram em jogo as ameaças de perdas de cargos, de benefícios ou, possivelmente, propostas esdrúxulas.

Só isto explica como em uma noite o plenário não consegue votos /suficientes para aprovar a urgência na apreciação do Projeto de Lei 6787/16 – foram 230 votos favoráveis, 163 contrários e uma abstenção, quando eram necessários 257 votos para aprovar a urgência – e o placar vira 24 horas depois: 287 votos a favor, 30 a mais do que o mínimo necessário, e 144 contra.

Na quinta-feira (20) o Estado de São Paulo noticiava como exemplo:

“Bronca Já na noite de terça (18), logo após a derrota do governo na votação pela urgência da reforma trabalhista na Câmara, os ministros do PPS, Raul Jungmann (Defesa) e Roberto Freire (Cultura), enquadraram o líder e a parte infiel da bancada.

Política de resultado A cobrança surtiu efeito. Nesta quarta (19), quando a urgência foi aprovada, os oito deputados do PPS votaram a favor”.

Camara urgencia da reforma quem mudou o votoAo analisar as listas de votações disponibilizadas pela própria Câmara dos Deputados, o Blog constatou que nada menos do que 33 deputados simplesmente modificaram seus votos: 23 se submeteram à pressão do governo e, depois de terem rejeitado na noite anterior o pedido de urgência para a análise do projeto, votaram a favor dele na quarta-feira à noite. Outros dez deputados fizeram movimento contrário: tinham votado a favor do pedido e passaram a ser contra, como mostra a relação abaixo.

Assim como 33 deputados mudaram suas posições, outros 72, que estiveram ausentes na primeira votação, reapareceram na segunda: 55 deram votos favoráveis ao governo e 17 contrários.

Também 22 deputados que participaram da primeira votação na terça-feira deixaram de marcar seus votos na noite seguinte. Dez deles votaram contrariamente ao projeto., mas não renovaram seus votos na noite seguinte.

Com a decisão adotada por mais este golpe parlamentar do presidente da Câmara, contra o qual deputados não conseguem se insurgir pois o Regimento Interno da Casa é omisso com relação às votações seguidas até que o resultado seja modificado, o governo conseguirá passar por cima das comissões que deveriam analisar o projeto. Tentará votar em plenário o relatório preparado pelo  deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), já na próxima quarta-feira. Será na base do rolo compressor.

URGÊNCIA NA REFORMA TRABALHISTA QUEM VOTOU A FAVOR

VOTOS CONTRÁRIOS A URGÊNCIA NAS REFORMAS TRABALHISTAS

 

Apoio:

Advocacia Eny Moreira

3 Comentários

  1. SBernardelli disse:

    TEM MUITOS POLÍTICOS QUE USAM A PALAVRA DE DEUS EM VÃO. ESSES POLÍTICOS CRETINOS E IGNORANTES NÃO QUEREM FICAR BEM COM O POVO ELES QUEREM É FERRAR O POVO, E PODE TER CERTEZA QUE ESSA OPORTUNIDADE ELES NUNCA MAIS TERÃO. A MAMATA VAI ACABAR E EU ESPERO DE CORAÇÃO QUE FORO PRIVILEGIADO ACABE PARA TODOS, DESDE POLÍTICOS A JUÍZES.

Deixe uma resposta

O Blog não faz censura ideológica, removemos comentários que façam ingerência na vida íntima das pessoas – que não sejam pertinentes à postagem – assim como denúncias que não temos como comprovar. Também será excluído palavreado chulo. Entendemos que em determinados casos as pessoas usem pseudônimos para manter sua privacidade, o Blog, em uma atitude de cautela, não permitirá que pseudônimos diversos sejam utilizados pelos mesmo remetente. Detectados estes casos, os comentários serão removidos.

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>