Aécio, o queridinho dos operadores da Lava Jato

Coronel Lima e Temer
Ressurge Lima: batom na cueca de Temer
21 de maio de 2017
diretas já ou Meirelles
Meirelles, da J&F, no golpe dentro do golpe
23 de maio de 2017
Esse é o cara Igor Romario de Paulo.

Marcelo Auler

Esse é o cara Igor Romario de Paulo.Em 18 de outubro de 2014, no Facebook, acima de diversas fotos do candidato à presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves, rodeado de vistosas mulheres, o delegado de Polícia Federal, Igor Romário de Paulo, chefe da Delegacia Regional do Combate ao Crime Organizado (DRCOR) no Paraná, apontado pelo agente Dalmey Fernando Werlang como autor da ordem para instalar um grampo ilegal na cela que receberia o doleiro Alberto Youssef, postou em um grupo fechado:

“Este é o cara!”.

Dias depois, às vésperas do segundo turno que reelegeu Dilma Rousseff, do PT,  o delegado federal encarregado das investigações da Operação Lava Jato, Márcio Anselmo Adriano, comentou a notícia na qual Luiz Inácio Lula da Silva dizia que Aécio não era “homem sério e de respeito”. Márcio Anselmo escreveu:

O que é ser homem sério e de respeito? Depende da concepção de cada um. Para Lula realmente Aécio não deve ser“.

delegados Marcio Anselmo e Mauricio GrilloNão demorou muito e o delegado Mauricio Moscardi Grillo, que em sindicância concluiu que o grampo na cela de Alberto Youssef era inoperante, apesar de ele ter registrado 263 horas e 41 minutos de conversas – leia em Armação Federal II: “indisciplinas” do DPF Moscardi -, também deixou sua digital na campanha de Aécio. Abaixo do comentário de Márcio Anselmo, postou uma propaganda eleitoral do tucano segundo a qual Lula e Dilma sabiam de toda a corrupção do esquema da Petrobras, acrescentando:

Acorda!”.

As postagens vieram a público em 13 de novembro daquele ano, já com a eleição definida. Foram reveladas na reportagem de Júlia Duailibi, em O Estado de S. Paulo: Delegados da Lava Jato exaltam Aécio e atacam PT na rede.

Elas, mais do que possíveis transgressões disciplinares previstas na Lei 4878-65 (regime jurídico dos funcionários policiais civis da União e do Distrito Federal), demonstraram que os responsáveis pela Operação Lava Jato tinham um lado político definido. Não apenas torciam por um candidato. Faziam propaganda do mesmo.

Muito provavelmente, por conta desta falta de isenção a Força Tarefa da Lava Jato em Curitiba jamais descobriu os pedidos de dinheiro, via caixa dois, feitos a empresários por Aécio Neves e/ou pela sua irmã, Andréa Cunha Neves, atualmente presa.

Não foram apenas os delegados que se denunciaram a simpatia pelo senador tucano. O próprio juiz do caso, Sérgio Moro, como registraram os fotógrafos, não se furtou em demonstrar intimidades ao cochichar com Aécio, no evento festivo em que a revista Isto É – que faz questão de se intitular Independente -, premiou o presidente golpista como “Brasileiro do Ano”, em dezembro de 2016, no Citibank Hall, na Zona Sul de São Paulo.

conversar de MoroA foto, queiram ou não os retratados, não revela um simples diálogo  protocolar de um juiz com um senador no exercício de seu mandato. Deixa transparecer algo parecido com uma conversa entre amigos. Ou prováveis mexericos que outrora se dizia serem da “Candinha”.

Da mesma forma como não pareceu mero cumprimento protocolar o aperto de mão com largo sorriso no rosto com que Moro cumprimentou o presidente golpista Temer.

Foi em 19 de abril passado, na solenidade no Quartel General do Exército, em Brasília, ao receber uma condecoração militar. Ao que parece, o juiz, há muito apontado como símbolo da moralidade e honestidade no país, pouco se importou com o fato de exatamente uma semana antes, em 11 de abril, Temer ter aparecido em dois pedidos de inquérito encaminhados pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF). Foram gerados a partir das delações dos executivos da Odebrecht.

É certo que, na época, não houve pedido de investigação contra o presidente por conta da imunidade que o cargo lhe reserva para possíveis crimes cometidos antes do exercício do mandato. Mas, desde que as delações dos executivos da Odebrecht começaram a circular, todos ficaram sabendo que o presidente golpista aparecia em episódios cujas conversas giravam em torno de Caixa 2 ou pedidos de propina, puro e simplesmente.

O presidente que Moro cumprimentou com largo sorriso no rosto é ainda o mesmo que levou ao cargo de ministro – portanto, garantiu o foro especial que o juiz condena -, oito políticos envolvidos em possíveis casos de corrupção, como demonstram investigações e/ou processos em curso no STF e também na Vara Federal de Curitiba presidida por Moro.

Apesar de todas estas evidências, a Força Tarefa da Lava Jato, que durante os últimos três anos fez e desfez, não se importou com estes casos. Esteve mais preocupada em criar teses mirabolantes, baseadas não em provas, mas em convicções, através das quais acusam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de “estruturar, orientar e comandar esquema ilícito de pagamento de propina em benefício de partidos políticos, políticos e funcionários públicos com a nomeação, enquanto presidente da República, de diretores da Petrobras orientados para a prática de crimes em benefício das empreiteiras Odebrecht e OAS”.

Provas? Não foram encontradas, mas está ai um apartamento que um dia a família pode ter pensado em comprar. Na prática, jamais houve registro de mudança na escritura, tampouco foi usado por Lula e seus familiares. Isto, porém, não importa.

Restou ainda o sítio em Atibaia, pertencente à família de Jacó Bittar, velho companheiro de sindicalismo do ex-presidente,. Este sim, frequentado pela família Lula da Silva. Ali, a corrupção que tentam impor ao ex-presidente consiste “em obras e benfeitorias (…) custeadas ocultamente pelas empresas Schahin, Odebrecht e OAS”. Ou seja, as empreiteiras que se beneficiaram de contratos na gestão de Lula, retribuíram-lhe os favores com reformas no sítio.

Obras estas, lembre-se, que foram realizadas após a saída de Lula do cargo de presidente e que, como diz a denúncia apresentada na segunda-feira (22/05) pelo Ministério Público Federal do Paraná, foram avaliadas, ao final, em R$ 1.020.500,00, incluindo os gastos das duas construtoras e do amigo de Lula, José Carlos Bumlai. Nestes benefícios estão, é claro, os pedalinhos…

Postagem no Facebook atribuída ao desembargador mineiro aposentado Lauro Pacheco de Menezes Filho.

Postagem no Facebook atribuída ao desembargador mineiro aposentado Lauro Pacheco de Menezes Filho.

Ao contrário do que se tem visto com outros políticos, incluindo Aécio e Temer, não há dinheiro em conta, não há político recebendo mala com notas de R$ 50,00, como ocorreu com o deputado Rodrigo Loures (PMDB-PR), tampouco algum primo de Lula levando dinheiro para a empresa de algum suplente de senador que ficou conhecido por conta de um helicóptero apreendido com cocaína.

O que há são convicções.

Certamente alegarão que nos casos de Aécio e Temer os envolvidos têm direito a foro especial, junto aos ministros do STF. É uma escapatória, mas foi a um deles que os delegados da Lava Jato deram apoio na disputa pela presidência da República. Sem falar no cumprimento, aparentemente efusivo, do juiz, bastião da moralidade. Isto, talvez, eles queiram esquecer.

Afinal, como justificar o apoio a um candidato e os cochichos com um senador que, hoje, é acusado pelos seus próprios parentes de falta de caráter, como a postagem no Facebook atribuída – e até o momento não desmentida – pelo desembargador aposentado de Minas, Lauro Pacheco de Menezes Filho? Trata-se do pai de Frederico Pacheco de Menezes, o primo de Aécio preso após intermediar o dinheiro que a JBS deu ao senador, levando-o para o assessor do suplente de senador Zezé Perella.

Basta ler o texto que reproduzimos ao lado após recebê-lo de um juiz federal, para se verificar a quem os delegados apoiaram e quem foi o interlocutor dos cochichos do juiz, apontado por muitos como símbolo da moralidade.

Apoio:

Advocacia Eny Moreira

16 Comentários

  1. sonia disse:

    Muito bem dito: afinal como justificar que delegados de polícia ajam conduzidos por paixões políticas no trato das atividades profissionais, de forma claramente orientada por objetivos políticos comungados com procuradores e juízes? Afinal, são servidores públicos ou uma agremiação política??? Que tipo de distorção de finalidade se estabelece no sistema policial- judicial, se os investigados são tomados como ou adversários ou aliados politicos? E se no exercício do poder de polícia, se age de maneira discricionária e contorcendo os procedimentos e normas e mesmo leis que deveriam regê-los, se os adversários se tornam inimigos a serem combatidos e os aliados, parceiros de combate? Ora, os primeiros são expostos a uma verdadeira caçada. Já os segundos sequer são minimamente investigados. Esses agentes do estado estão então promovendo um combate puramente político baseado em uma ideologia, a sua e dos seus – superiores e aliados. A PF da lava jato age portanto, como polícia política? A força-tarefa é um orgão de controle e combate à cidadãos de ideologia diferente da sua e de “seu” governo? È o novo DOI-CODI – Departamento de Operação de Informação- Centro de Operações de Defesa Interna? Se não, então temos que voltar a pergunta inicial: Afinal, a que propósito serve a Operação lava jato e sua Força-Tarefa, já que os comprovadamente corruptos – fiquemos só no caso Aécio, é reiteradamente blindado e sequer é réu, apesar de ter sido ao longo de sua vida política apontado em vários ilícitos – fiquemos só na lista de Furnas, e hoje, é flagrado pela PF, não a do PR, em gravação de pelo mínimo obstrução de justiça e corrupção? O combate à corrupção se revelou, verdadeiramente, um combate à democracia. Resta saber quem é a nova OBAN.

  2. Ric disse:

    resumo da ópera, todos politicos são corruptos, menos o Lula.

  3. jaelton araujo ramos disse:

    por falar nisso, quero saber porque o senado não abriu a comissão de ética pra pedir a cassação de Aécio? em outros casos foi muito rápido, como o de delcidio.

  4. Marcos Ferreira Lima disse:

    Foi o maior erro do ministro da justiça, não punir os delegados. Onde estava a hierarquia ?

  5. C.Poivre disse:

    O que a Farsa a Jato se revelou, ao fingir que não sabia das roubalheiras dos políticos das cúpulas do PSDB e PMDB que mais acumularam riquezas nas últimas décadas (com roubo de dinheiro público, fraudes e extorsões) é, na verdade, uma protetora, uma guarda pretoriana dos mega corruptos. É como nos filmes da máfia: tem o mafioso chefe (MT), o executor de testemunhas e possíveis delatores (Mineirinho) e os responsáveis pela proteção institucional da máfia (deputados, senadores, sistema judicial e a tal “força-tarefa” da Farsa a Jato). Basta ver o filme “O Poderoso Chefão” que a organização criminosa de D.Corleone mostra exatamente o papel de cada um, ilustrado pelas fotos da matéria acima, e mais:

    https://caviaresquerda.blogspot.com.br/2017/05/moro-deve-se-juntar-seus-amigos-temer-e.html

    https://caviaresquerda.blogspot.com.br/2017/05/a-republica-de-curitiba-ruiu.html

  6. Rogério Ferraz Alencar disse:

    sergio moro não apenas cumprimenta temer efusivamente, mas se curva ao cumprimentá-lo.

  7. PCC disse:

    Se os delegados aecistas dizem que Aecio é o cara e este cara cogita assassinar delatores, imagina a índole de tais delegados que ja foram alvos de mais 60 materias aqui nesse blog sobre crimes e outros ilicitos que cometeram. Vcs sao os “caras”!

  8. Jorge disse:

    Para os delegados aecistas, esse Aécio é realmente o cara. Só daí já dá prá entender tudo.

  9. Roberto disse:

    A foto do Mussolini de Maringá cumprimentando Temer é uma imagem que vale por mil palavras. O reizinho de fala fina está curvo, numa atitude subserviente.

  10. Ivete disse:

    A lava jato tem muitas explicações a dar aos contribuintes

Deixe uma resposta para Ivete Cancelar resposta

O Blog não faz censura ideológica, removemos comentários que façam ingerência na vida íntima das pessoas – que não sejam pertinentes à postagem – assim como denúncias que não temos como comprovar. Também será excluído palavreado chulo. Entendemos que em determinados casos as pessoas usem pseudônimos para manter sua privacidade, o Blog, em uma atitude de cautela, não permitirá que pseudônimos diversos sejam utilizados pelos mesmo remetente. Detectados estes casos, os comentários serão removidos.

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>