Newton Ishii, o “japonês da federal”, 13 anos de impunidade
21 de fevereiro de 2016
Chico Alencar a Cardozo: “quem pagou mordomias da PF-PR?”
24 de fevereiro de 2016

A imparcialidade que a mídia apregoa, mas não vivencia

Marcelo Auler

Com 24 horas de atraso, reproduzo aqui, autorizado pelo autor, o belo texto – perdoem, sei que isto é um pleonasmo – do Ricardo Kotscho, publicado no Balaio do Kotscho de domingo (21/02) sobre a mídia tendenciosa que temos. Aproveito para apenas atualizar. Se alguém se der ao trabalho de ler os jornais de hoje, não há mais notícias sobre o affair de Fernando Henrique Cardoso com a jornalista Miriam Dutra.

Balaio do KotscbhoAliás, como o próprio Kotscho alertou, o assunto só não saiu totalmente das páginas dos jornais por conta do próprio Fernando Henrique. Ele tratou de manter acesa a chama, ao remeter uma carta dos leitores para a Folha de S. Paulo, defendendo-se.

Mas, amanhã – ou melhor, hoje, nos sites noticiosos – porém, a manchete está garantida: João Santana, o marqueteiro do PT e da Dilma está sendo procurador pela Justiça, uma vez que Sérgio Moro decretou sua prisão. Trata-se da 23ª Fase da Operação Lava Jato, apelidada de Acarajé.

Segue o texto do Kotscho, cujo original encontra-se emhttp://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2016/02/21/no-caso-fhc-midia-escancara-a-parcialidade/ :

Publicado em 21/02/16 às 09h34

No caso FHC, mídia escancara a parcialidade

transportador.jornalImparcial, isenta, independente, neutra, pluralista, apartidária: é assim que a grande imprensa brasileira gosta de se apresentar. Alguém ainda pode acreditar nisso?

Quem mais gosta de ostentar estas qualificações virtuosas é a Folha, o jornal de maior circulação no País faz mais de 20 anos, a ponto de perguntar em sua seção “Tendências/Debates” no último sábado: “A Folha é pluralista o suficiente?”. Para mostrar que é, publica um artigo respondendo que “sim” e outro que “não”.

Na primeira página da mesma edição, o jornal publica duas chamadas que mostram aos leitores a realidade fora da propaganda. Em dois casos análogos, o tratamento é diferenciado conforme o personagem abordado na notícia. Vejam a sutileza:

“Marita Lorenz, espiã da CIA e ex-amante de Fidel, conta em livro a sua trajetória”.

“A empresa Brasif _ acusada de usar contrato fictício com a jornalista Mirian Dutra para ajudar o ex-presidente FHC (PSDB) a bancar ex-namorada no exterior _ negou que o tucano tenha participado da contratação”.

Quer dizer, no caso de Fidel, é “ex-amante”; no de FHC, “ex-namorada”.

Menos sutil é a revista Veja. Na mesma semana em que a revelação do caso FHC foi o assunto mais comentado nas redes sociais e em toda parte (menos na mídia grande), a nossa ainda maior revista semanal simplesmente ignorou o tema em sua capa, que pela 968ª vez foi dedicada a denúncias contra o ex-presidente Lula. E, em suas 98 páginas, a revista não dedicou uma única linha para tratar das denúncias de Mirian Dutra que provocaram grande repercussão.

Sua principal concorrente, a revista Época, também ignorou o assunto na capa e lhe reservou apenas duas paginetas, sob a rubrica “Teatro da Política”, com um texto escrito cheio de dedos, não assinado, costurado em notas oficiais, como se estivesse pisando em ovos.

Se alguém ainda tinha alguma dúvida sobre a descarada parcialidade da mídia ao tratar de denúncias contra os dois ex-presidentes, a cobertura do caso FHC pelos principais veículos mostrou que a “missão de informar e noticiar fatos”, como diz Veja em sua “Carta ao Leitor”, não passa de propaganda enganosa.

A revista ainda teve o requinte de afirmar nesta carta, sob o título “De que lado está Veja?”, que a “Veja sempre esteve entre as forças da nação que se unem em torno dos valores éticos comuns às sociedades civilizadas e avançadas”.

Para reforçar a afirmação anônima, o editor republicou anúncios de uma campanha publicitária de 1999 com frases como “A esquerda acha que a Veja é de direita” e “A direita, que é esquerdista”. Nem se trata de ser de esquerda ou de direita, mas apenas de ser honesta com seu leitorado, tratando de todos os fatos e personagens com as mesmas medidas, não manipulando nem omitindo informações.

É sintomático que, na mesma semana, Veja e Folha, líderes de mercado em seus segmentos, questionem-se sobre o próprio comportamento editorial.

Mantenho o que escrevi aqui em post anterior sobre a vida privada dos homens públicos, que deve ser preservada, até o limite do interesse público. Outra coisa é esta cobertura parcial e seletiva da velha imprensa familiar, em que uns são sistematicamente atacados e, outros, defendidos. O que vale para um, não vale para outro; são mil pesos e mil medidas.

Chega até a dar vergonha de ser jornalista.

Vida que segue.

 

3 Comentários

  1. Ricardo disse:

    Ainda bem que o marcelo Auler é bem imparcial…cof cof cof

  2. Macunaíma disse:

    Não esperem da imprensa marrom outra atitude! Santta ingenuidade.

  3. M.M.M disse:

    Sério. Eu nunca votei no PT. A partir de agora só voto no PT. Pois é o único partido que vai gente presa nesse país…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *